Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Legislação

• Estrutura da Valec - Decreto 8.134, de 28 Out. 2013

• “Open access” e atuação da Valec - Decreto 8.129, de 23 Out. 2013

• Sistema Nacional de Viação - Lei 12.379, de 6 Jan. 2011

• Aviso RFFSA - Trens turísticos - 7 Out. 1992

Moedas | Medidas
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

   

Planos ferroviários: legislação
Decreto nº 2.397
de 10 de Setembro de 1873


 
Flavio R. Cavalcanti - 18 Nov. 2014

Não é fácil encontrar nessa Lei* sequer a metade do que lhe é atribuído na bibliografia ferroviária.

O catálogo do Museu do Trem (RS), por exemplo, parece interpretar que esta Lei* “autorizou” o início das obras de construção da EF Rio Grande - Bagé; ao passo que “determinou” a construção da EF Porto Alegre - Uruguaiana, — “pelos vales do rio Jacuí”, — a ser previamente estudada [Centro de Preservação da História da Ferrovia no Rio Grande do Sul p. 36; 48].

O que se lê, de fato, é que o governo imperial faria construir uma ferrovia ligando “o litoral e a capital” às fronteiras “nos pontos mais convenientes”.

Por “uma ferrovia”, no singular, entenda-se que poderia desdobrar-se em várias linhas — e que poderia ter mais de um ponto de partida, tal como ficavam em aberto múltiplos pontos de chegada.

Será preciso entender também que “o litoral” significava Rio Grande, — porto de águas profundas, de frente para o mar, — em contraposição à “capital”, situada num estuário fluvial na extremidade mais interior da Lagoa dos Patos, a centenas de quilômetros do oceano.

Havia um debate ainda em andamento.

Em 24 Mar. 1872, por conta desse debate, — que não era novo, — o engenheiro André Rebouças já fazia estudos para o traçado de uma rede de caminhos de ferro no Rio Grande do Sul “visando pôr diques ao contrabando[Diário].

Meses depois, em Outubro, o engenheiro Ewbank da Câmara, — que trabalhou com Rebouças, eram grandes amigos, — apresentou ao governo imperial seu primeiro plano geral para a rede estratégica do Rio Grande do Sul [Projeto geral de uma rede de vias férreas comerciais e estratégicas para a província do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro, Tipografia América, 1873], obtendo pareceres favoráveis (com sugestões de alteração) dos generais / almirantes Marquês do Herval, Conde de Porto Alegre e Visconde de Pelotas, experientes nas guerras platinas. Outros dois livretos de Ewbank da Câmara sobre as ferrovias do Rio Grande do Sul ainda seriam publicados, por ordem do governo imperial, nos anos seguintes a esta Lei*, em 1874 e 1875 [Memória histórica da EFCB p. 245-248].

Na verdade, a lei deixava em aberto todos os detalhes concretos.

De positivo: (a) Seria feito; (b) Destinavam-se os recursos para o estudo do “traçado”, no singular, mas com evidente previsão de desdobramentos; e (c) Destinavam-se os recursos para a implantação.

Enfim, há na bibliografia até afirmações de que os valores estipulados seriam “para cada linha”, — principal e sul, sem falar nos ramais, — o que seria um exemplo interessante da elasticidade das leis da época do Império, em geral austeras e curtas, porém muitas vezes com 1.001 aplicações:

“A 10 de setembro de 1873, o imperador sancionou o decreto 2.397, que autorizava a construção de duas linhas que partiriam em direção a pontos estratégicos da fronteira, uma saindo de Porto Alegre e outra de Rio Grande. Foi liberado um crédito de 400:000$000 para estudos e trabalhos preliminares e ficou estabelecido que o teto máximo do custo para cada linha não poderia ultrapassar a quantia de 40.000:000$000” [Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul p. 35].

_____
(*) Resoluções da “Assembleia Geral” eram, a seguir, “decretadas” pelo Imperador, tal como hoje o Presidente “promulga” projetos de lei aprovados pelo Congresso Nacional. As do período imperial eram citadas, sem distinção, ora como “Leis”, ora como “Decretos”, — ao contrário das épocas mais recentes, em que por “Lei” passou-se a entender as que têm aprovação do Congresso; enquanto “Decretos” são decisões do Executivo, em nível inferior às “Leis”.

«» ª • — “”

Decreto nº 2.397 – de 10 de Setembro de 1873

Manda construir uma estrada de ferro que comunique o litoral da Capital da Província de S. Pedro do Rio Grande do Sul com as fronteiras e abre o crédito necessário para as despesas com os estudos primitivos e construção da mesma estrada.

Hei por bem Sancionar e Mandar que se execute a Resolução seguinte da Assembleia Geral:

Art. 1º O Governo fará construir uma estrada de ferro que comunique o litoral e a Capital da Província de S. Pedro de Rio Grande do Sul com as fronteiras nos pontos mais convenientes, de modo que fiquem satisfeitos os interesses comerciais e as condições estratégicas.

§ 1º Fica desde já aberto o crédito de 400:000$000 para os estudos e trabalhos preliminares, que devem preceder a fixação do traço da estrada e o máximo do seu custo, que não excederá de 40.0000:000$000.

§ 2º A construção será realizada por conta do Estado no todo, ou pelo menos na parte que constituir a linha principal em relação à defesa da Província; podendo o Governo contrair um empréstimo dentro ou fora do Império, até a importância do capital fixado na forma do § 1º, à medida que as despesas da construção o forem exigindo, e conceder uma subvenção quilométrica ou a garantia de juro até 7%, incluída a que der a Província, à Companhia ou Companhias com que contratar parte da referida linha férrea.

Art. 2º Ficam revogadas as disposições em contrário.

José Fernandes da Costa Pereira Júnior. do Meu Conselho, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, assim o tenha entendido e faça executar. Palácio do Rio de Janeiro em dez de Setembro de mil oitocentos setenta e três, quinquagésimo segundo da Independência e do Império.

Com a rubrica de Sua Majestade o Imperador.

José Fernandez da Costa Pereira Júnior.

Chancellaria-mór do Império. - Manoel Antônio Duarte de Azevedo.

Transitou em 16 de Setembro de 1873. – André Augusto de Pádua Fleury.

Publicado na Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas em 20 de Setembro de 1873. – Dr. Ludgero da Rocha Ferreira Lapa.

A ferrovia em Santa Maria
EstaçãoTriagemAcessoPassagem de nível | Caixa d'água
A primeira estação | Traçados antigos e atuais | A “mancha ferroviária”
Bibliografia | Preserve | O plano estratégico | Lei nº 2.397
O Tronco Sul novo
Origens | Cronologia | Obras 1967 | Inauguração 1969 | Mapa 1970 | Inspeção 1981
Plano Ewbank | Batalhão Mauá | Locomotiva nº 1 Rio Negro
EF SP-RG : Tronco Sul : ALL
A ferrovia no Contestado | Mapa e cronologia | Caboose EFSPRGS
Uma viagem de férias (1929) | Da Argentina a São Paulo por trem (1959) | O trem bananeiro
Estações em 1960 | Abertura dos trilhos até 1944 | 1907
Origens do Tronco Sul
Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários
Evolução da rede de estradas de ferro no Brasil
Ferrovias em 1870 | Ferrovias em 1890 | Ferrovias em 1910 | Ferrovias em 1930 | Ferrovias em 1954
Ferrovias até 2004 | Governos & evolução | Custo quilométrico | Imigração | Ferrovias & Estados | Ferrovias & navegação | Navegação | Rios e bacias | Rodovias
Produção da indústria ferroviária | Passageiros | Mercadorias | Bagagens e encomendas | Locomotivas | Vagões de carga | Vagões de passageiros
   

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Legislação

• Estrutura da Valec - Decreto 8.134, de 28 Out. 2013

• “Open access” e atuação da Valec - Decreto 8.129, de 23 Out. 2013

• Sistema Nacional de Viação - Lei 12.379, de 6 Jan. 2011

• Aviso RFFSA - Trens turísticos - 7 Out. 1992

Moedas | Medidas

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade