Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Mapa aproximado de todas as ferrovias brasileiras — inclusive as já erradicadas — em relação aos Estados atuais
Mapa aproximado de todas as ferrovias brasileiras — inclusive as já erradicadas — em relação aos Estados atuais.
(Omitida a Ferrovia do Aço)

   

1854-2004 - Planos Ferroviários
Ferrovias & Estados


 
Flavio R. Cavalcanti

O mapa político evidencia o poder que definiu a implantação de cada grupo de ferrovias: café em São Paulo, norte do Paraná, Rio de Janeiro e parte de Minas Gerais; peso político e importância estratégica no Rio Grande do Sul; peso político em outras regiões de Minas Gerais; estratégia e diplomacia em Rondônia, Mato Grosso do Sul e EF São Paulo – Rio Grande (depois RV Paraná – Santa Catarina, substituída pelo Novo Tronco Sul nos governos de 1964-1985); mineração na EF Carajás, na EF Vitória a Minas, na EF Amapá e na EF Trombetas; celulose na EF Jari; borracha na Fordlandia; cacau na EF Ilhéus; soja na Ferronorte.

A Ferrovia do Aço, embora associada à mineração, foi decidida em função da indústria siderúrgica — e é interessante observar que sua implantação (prevista para ocorrer em 1.000 dias) arrastou-se por duas décadas. Afinal foi colocada em operação em via singela e movida a diesel — pelo "projeto" inicial, teria via dupla, totalmente eletrificada — tornando-se, na prática, apenas uma onerosa duplicação da antiga Central do Brasil. A duplicação e melhoria da Central, propriamente dita, era a alternativa defendida por técnicos e engenheiros que criticavam o mega-projeto da Ferrovia do Aço.

A EF Bahia–Minas (isolada até a erradicação) surgiu em conexão com um projeto de colonização do tempo do Império. Em Santa Catarina, a colônia alemã construiu uma pequena ferrovia de penetração.

Até a década de 1980, o Paraná — com pouco peso político — não conseguiu sequer tornar o oeste do Estado tributário de seu próprio porto (Paranaguá); e Santa Catarina pouco mais teve do que um corredor de passagem. Os demais Estados, a custo, asseguraram pequenos retalhos.

No Nordeste, o desenvolvimento das poucas ferrovias esteve associado a momentos específicos da República — inclusive períodos militares e/ou alianças com o Rio Grande do Sul — como a presidência do paraibano Epitácio Pessoa, do gaúcho Hermes da Fonseca, os governos Vargas e os governos militares de 1964-1985.

O resultado — mesmo com novas interligações — dificilmente poderia ser considerado uma rede de transportes.

   

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

Evolução da rede de estradas de ferro no Brasil
Ferrovias em 1870 | Ferrovias em 1890 | Ferrovias em 1910 | Ferrovias em 1930 | Ferrovias em 1954
Ferrovias até 2004 | Governos & evolução | Custo quilométrico | Imigração | Ferrovias & Estados | Ferrovias & navegação | Navegação | Rios e bacias | Rodovias
Produção da indústria ferroviária | Passageiros | Mercadorias | Bagagens e encomendas | Locomotivas | Vagões de carga | Vagões de passageiros
Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade