Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Mapa dos rios considerados para navegação em conexão com as ferrovias
Rios em algum momento considerados "navegáveis" — então, ou para o futuro — no âmbito do planejamento viário
(omitidos trechos de significado apenas local, navegados pelas Cia. Paulista, EF Oeste de Minas, Mogiana e outras)

   

Planos Ferroviários
Navegação fluvial nos planos de viação


 
Flavio R. Cavalcanti

Tal como a viabilidade econômica das ferrovias, a das hidrovias fundamentou-se — do Império até o final da primeira República — em argumentos grandiloqüentes declarando que "immensas riquezas" brotariam desta ou daquela "feracíssima região", tão logo fosse "aberta ao commércio" por tal ou qual "caminho aperfeiçoado".

Sem a prática de capitalistas experientes em avaliar custos e benefícios, um projeto se poderia considerar bem recomendado se tais afirmações partissem, não de um bacharel formado em direito pelas faculdades do Recife ou de São Paulo — que competiam com a faculdade de medicina da Bahia pelo brilhantismo na oratória —, mas por um engenheiro formado na Politécnica do Rio de Janeiro e que já houvesse lidado, pelo menos algumas vezes, com a prática de custos, administração e logística de obras de algum vulto.

Além disso, as informações disponíveis sobre o relevo, o solo e os rios do interior mais distante dependiam dos relatos de poucos exploradores — às vezes, décadas antes —, cujas expedições em geral não dispuseram de instrumentos de medição, nem permaneceram tempo suficiente para avaliar o volume das águas ao longo dos meses.

Assim, a navegabilidade dos rios incluídos nos diversos projetos era, no mínimo, bastante relativa.

O Tocantins, por exemplo — fundamental para o eixo central norte-sul de vários planos — mostrou-se inviável apenas 10 anos depois de iniciadas as tentativas de navegação a vapor. O próprio Araguaia, em terrenos mais planos, verificou-se que exigiria alguns trechos ferroviários — e baldeações — para ligar Belém ao sul de Goiás.

Da mesma forma, o eixo norte-sul da fronteira oeste — aproveitando os rios Paraguai, Cuiabá, Guaporé, Mamoré e Madeira — mostrou-se mais um exercício de imaginação, do que realidade prática. A navegação do rio Paraguai teve importância considerável, via Buenos Aires. O trecho dos rios Madeira e Mamoré perdeu importância pouco depois de inaugurada a EF Madeira-Mamoré.

A navegação do Tietê-Alto Paraná veio se consolidando — em trechos maiores, e em melhores condições — pela instalação de eclusas nos sucessivos represamentos para geração de eletricidade, em especial a partir da década de 1950. Trata-se de um projeto de várias gerações, e que tem tido continuidade através de diferentes governos e regimes políticos.

A hidrovia gaúcha recebeu investimentos consideráveis durante o regime militar de 1964-1985, juntamente com o superporto de Rio Grande.

   

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

Rios navegáveis do Brasil, segundo o Atlas Escolar do MEC, de 1955
Rios navegáveis do Brasil, segundo o Atlas Escolar do MEC, de 1955
Evolução da rede de estradas de ferro no Brasil
Ferrovias em 1870 | Ferrovias em 1890 | Ferrovias em 1910 | Ferrovias em 1930 | Ferrovias em 1954
Ferrovias até 2004 | Governos & evolução | Custo quilométrico | Imigração | Ferrovias & Estados | Ferrovias & navegação | Navegação | Rios e bacias | Rodovias
Produção da indústria ferroviária | Passageiros | Mercadorias | Bagagens e encomendas | Locomotivas | Vagões de carga | Vagões de passageiros
Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade