Locomotiva 2-6-2T Swiss Locomotive and Machine Works (1922), ex-GWBR, levando cana até a usina de Serra Grande em Alagoas
Locomotiva 2-6-2T Swiss Locomotive and Machine Works (1922), ex-GWBR, levando cana até a usina de Serra Grande em Alagoas

Bibliografia
A Gretoeste: a história da rede ferroviária Great Western of Brazil

Flavio R. Cavalcanti - 14 Abr. 2016

Será lançado no próximo dia 25, em Natal (RN), o livro «A Gretoeste: a história da rede ferroviária Great Western of Brazil», do pesquisador inglês William Edmundson, como parte dos atos que irão marcar o início das atividades da Unidade Rocas do Campus Cidade Alta do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), — na Rotunda das antigas oficinas ferroviárias, — que abrigará também o Museu Ferroviário Manoel Tomé de Souza.

A estrutura do livro (ver Sinopse, abaixo) é simples e clara: — Introdução; Contexto histórico das primeiras ferrovias brasileiras; Interesses britânicos no Pernambuco; seguindo-se Capítulos sobre as primeiras ferrovias (formadoras da GWBR) no Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte até 1889; a reunião das ferrovias do Nordeste oriental sob a GWBR no período inicial da República (até 1914); desenvolvimento histórico até 1950; e por fim os desenvolvimentos modernos, — em texto conciso e de boa leitura, embora com rigor acadêmico, e informação densa, tanto para “fanáticos por trens” quanto para o pesquisador de História.

O livro — com 350 páginas, e 36 fotos / ilustrações inéditas, — já está disponível e pode ser adquirido pelo site da Ideia Editora.

Lançamento em João Pessoa e Recife

Sinopse

Introdução. O fenômeno ferroviário.

Capítulo 1. Ineptidão maravilhosa. A construção inicial de ferrovias no Brasil até 1889.

Estabelecendo o cenário. O lugar do Brasil na cronologia de construção ferroviária na América Latina. Breve história da relação especial entre Portugal e Inglaterra / Grã Bretanha. Fuga de Dom João para o Brasil com ajuda britânica. Importância da abertura dos portos brasileiros às 'nações amigas', 1808. Tratado de Amizade e Aliança entre Portugal e Grã-Bretanha, 1810. O papel da Grã-Bretanha na declaração da independência do Brasil, 1822. O tratado de Amizade, Navegação e Comércio, 1827. Início construção ferroviária no Brasil. Primeira lei ferroviária, 1835. Papel importante das concessões ferroviárias estrangeiras na abolição da escravidão no Brasil. Domínio britânico de comércio com Brasil. Início da construção ferroviária por companhias britânicas no Brasil. Lei de 1852 regulamentando concessões. A Recife and São Francisco Railway (empresa britânica), 1858. Lei de 1873. Incentivos dos governos imperial e provincial. Importância das plantações açucareiras.

Capítulo 2. O grande reduto de interesses britânicos em Pernambuco. A comunidade britânica no Recife.

Cidade do Recife: eixo da rede ferroviária Great Western. Crescimento da comunidade britânica no Recife. Início do crescimento após abertura dos portos (1808); cemitério britânico (1814); hospital britânico (1818); igreja britânica (1839). Domínio britânico de comércio e utilidades públicas no Recife. Preeminência britânica nos setores financeiro / comunicações por telégrafo / transporte urbano / três estradas de ferro (todas pertencentes à Great Western no século XX). Clubes britânicos no Recife. Influência britânica nos esportes.

Capítulo 3. Garantido contra todos os riscos. As estradas de ferro em Pernambuco até 1889.

História da Recife and São Francisco Railway Company, primeira ferrovia de importância econômica no Brasil, e futura componente da rede Great Western. Concessão e organização da companhia em Londres em 1853. A família dos concessionários britânicos, Edward e Alfred de Mornay. Dificuldades enfrentadas na construção: chuvas; cólera e febre amarela; greves (1858 & 1862). Relações com os governos imperial e provincial. Começo modesto da linha original da Great Western of Brazil, organizada em Londres em 1872. Importância da indústria açucareira: controle britânico das usinas centrais. A história inicial das linhas estaduais Central de Pernambuco e Sul de Pernambuco (mais tarde absorvidas pela rede Great Western).

Capítulo 4. Um homem de probidade e integridade. As estradas de ferro em Alagoas até 1889.

A presença britânica em Maceió, Alagoas. A primeira ferrovia (1862): obra do engenheiro britânico Hugh Wilson. Histórias das ferrovias Alagoas Brazilian Central Railway Company (1872) e Alagoas Railway Company (1881). Dificuldades durante a construção. História da Paulo Afonso Railway (1881): acidentes trágicos nesta linha; um desastre financeiro; disputas. Todas as ferrovias em Alagoas absorvidas pela rede ferroviária Great Western.

Capítulo 5. Uma nova emoção nascia. As estradas de ferro na Paraíba e no Rio Grande do Norte até 1889.

As propostas ferroviárias iniciais na Paraíba. A ferrovia Conde d'Eu Railway Company organizada em Londres (1875). Construção pela empresa britânica Wilson, Sons. Disputas entre engenheiro e empreiteiro. As propostas ferroviárias iniciais no Rio Grande do Norte. História da ferrovia Imperial Brazilian Natal and Nova Cruz Railway (1877). Atrasos e exasperação do governo. As estradas de ferro das duas províncias assumidas pela rede ferroviária Great Western.

Capítulo 6. Dando um bom exemplo. Estradas de ferro no nordeste do Brasil de 1889 a 1913.

Estado das ferrovias brasileiras no começo da república em 1889. Assunto urgente: uma estratégia ferroviária nacional. A crise financeira representada pelos pagamentos às companhias ferroviárias estrangeiras, sobretudo no nordeste. Enxurrada de decretos. Falência nacional. Problemas endêmicos na indústria açucareira. Decisão de arrendar ferrovias (1898). Implicações do funding loan para as ferrovias de propriedade britânica. Governo federal opta pela nacionalização das ferrovias no nordeste, exceto a Great Western, que agora arrenda todas as outras ferrovias em quatro Estados. Greves - marcos históricos na história de movimentos sociais no Brasil. Antônio Silvino, o primeiro cangaceiro a causar problemas à companhia. A Great Western estabelece uma companhia subsidiária, a Alagoas and Northern Railway.

Capítulo 7. Nós caímos entre estas facções rivais. The Great Western of Brazil Railway, 1914 a 1950.

Efeito da Primeira Guerra Mundial na Great Western of Brazil. Disputa com o governo sobre a revisão de tarifas. Novo contrato (1920). A Great Western se recusa a pagar arrendamento até aumento das tarifas em 1924. A Great Western: primeira empresa brasileira a introduzir aposentadoria para operários (1923). Conflitos com Lampião e seus cangaceiros. O estado dilapidado da ferrovia Paulo Afonso. Efeito da Segunda Guerra Mundial. Encampação da rede ferroviária Great Western of Brazil em 1950.

Capítulo 8. Adeus! 1950 e mais além.

Razões para explicar o declínio da presença britânica no comércio no Brasil, e América Latina. Desdobramentos depois da encampação. 1951: o governo cria a Rede Ferroviária do Nordeste que assume a rede da Great Western. 1957: a criação da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (RFFSA). 1985: a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) opera o que resta da rede da Great Western no Recife. 1985: Metrô do Recife, que segue a rota da linha original da Great Western. 1997: Transnordestina Logística S/A obtém a concessão para as ferrovias do nordeste. Descrição do que resta da Great Western: museus, estações ferroviárias, as ferrovias nas usinas e as locomotivas que sobreviveram.

William Edmundson
João Pessoa, fevereiro de 2016.

— … •’ … —
Capa do livro “A Gretoeste: a história da rede ferroviária Great Western of Brazil”
Capa do livro “A Gretoeste: a história da rede ferroviária Great Western of Brazil”

Serviço

Outros livros do Autor

  • A história da caça de baleias no Brasil. [com Ian Hart]. Editora DISAL, São Paulo, Brazil: 2014.
  • The Nitrate King: A biography of Colonel John Thomas North. Palgrave-Macmillan, Estados Unidos: 2011.
  • A history of the British presence in Chile: From Bloody Mary to Charles Darwin and the decline of British influence. Palgrave-Macmillan, Estados Unidos: 2009.
  • Inventário das Locomotivas a Vapor no Brasil / Inventory of Steam Engines in Brazil. [Colaborador]. Regina Perez. Rio de Janeiro, Brasil: Notícia & Companhia, 2006.
  • A Estrada de Ferro Great Western of Brazil Railway (em inglês). Brazil Handbook, Footprint Handbooks: 2002.
  • Surviving Steam Locomotives in North East Brazil. Revista 'Locomotives International', Inglaterra: 1999-2000.

Locomotiva 1893 em São João del Rei, 1993
Baldwin de 1893 em S. João del Rei, 1993

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
Plataforma de embarque: 1995
Trens turísticos e passeios ferroviários | Trens de passageiros
Museus ferroviários | Maquetes ferroviárias | Eventos
GWBR : RFN : CFN : TLSA
Henschel 4-6-0 da Great Western | English Electric | RSD8 | DH-10 na CFN
G-12 nº 4244 com nariz rebaixado | Vagões de água | Outros vagões da CFN em João Pessoa
Ferrovia EF-101 | Ferry-boat Colégio-Propriá | A Transnordestina | A Nova Transnordestina
Rotundas de Edgar Werneck | Estação de Itabaiana
Estações em 1960: Linha Sul | Linha Norte | Linha Centro
Mapas: 1984 | 1970 | 1965 || 1927: EFCRGN | EFPT || 1898
MetroRec | CBTU João Pessoa

Programação do Museu do Trem do Recife / Estação Central Capiba
Lançamento no Museu do Trem do Recife / Estação Central Capiba


Atualizações
Ferreofotos | Ferrovias | Ferreomodelismo | Ferreoclipping | Bibliografia

Ferrovias | Mapas | Estações | Locos | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Urbanos | Turismo | Ferreo | Maquetes | Hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home

Sobre o site | Contato | Publicidade | Política de privacidade