Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

   

Ferrovias do Império: 1854-1889
Extensão e custo quilométrico


 
Flavio R. Cavalcanti

Apesar de todas as falhas — agrupando linhas de características muito diferentes, em terrenos bem diferenciados, e sem qualquer padronização contábil —, o levantamento evidencia o alto custo quilométrico das primeiras ferrovias estendidas no país por engenheiros estrangeiros (Mauá; Recife e Bahia ao S. Francisco; Santos a Jundiaí; Hamburger-Berg) e por brasileiros em fase de aprendizagem (EF D. Pedro II).

Destacam-se, igualmente, os custos quilométricos das EFs de Palmares a Garanhuns; Central do Pernambuco; Minas e Rio; e Paranaguá-Curitiba.

Em alguns casos, o custo foi elevado pelos fortes desníveis enfrentados em curta distância, como na EF D. Pedro II; na Santos-Jundiaí; e na Paranaguá-Curitiba.

Nas duas primeiras, a preferência pela bitola larga agravou as dificuldades enfrentadas. No caso da EF Santos a Jundiaí, em especial, a solução tecnológica adotada — para encurtar distância — agravou ainda mais o custo quilométrico [agravado].

 

Fontes

As três primeiras colunas (EF, km, Custo) contêm dados do livro Transportes no Brasil: história e reflexões, Ministério dos Transportes: Geipot / Ed. UFPE, 2001, que por sua vez reproduz dados de Coimbra, Créso. Visão histórica e análise conceitual dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: Centro de Documentação e Publicações do Ministério dos Transportes, 1974. Os custos quilométricos indicados na 4ª coluna foram calculados em planilha. Os totais indicados pela fonte não correspondem às somas de verificação, indicadas na última linha da tabela. A diferença (318,29 km) corresponde à omissão da EF Central da Bahia (316,32 km, cf. Brito), aparentemente por falha de editoração eletrônica na transcrição de 2001.

A 5ª coluna (km) contém dados de Nascimento Brito. Meio século de estradas de ferro. Rio de Janeiro, 1961. Nos casos em que não foi encontrada correspondência segura, os dados foram transcritos na segunda parte da tabela, para exame posterior.

A EF Porto Alegre a Uruguaiana (378,410 km) corresponde aproximadamente à EF Taquari a Cacequi (354,000 km).

As demais diferenças agrupam-se nas áreas do Recife / Olinda e da Leopoldina; além de envolver possíveis divergências de classificação ferrovia / bonde.

Os totais das duas fontes apresentam diferença de aproximadamente 150 km.

O total indicado por Brito (9.587 km) aproxima-se bastante do total indicado pelo antigo Ministério da Viação e Obras Públicas (9.583 km) em levantamentos retrospectivos incluídos nos relatórios de 1911 e 1922.

  
cf. Brasil: MT: Geipot / UFPE (2001) cf. Brito
Estrada de ferro Extensão
(km)
Custo Custo / km Extensão
(km)
Mauá 18,000 1.600:000$000 88:888$889  
D. Pedro II 828,540 108.387:251$000 130:817$162 828,460
Recife - S. Francisco 124,740 16.375:869$000 131:280$014 124,740
Bahia - S. Francisco 123,340 16.000:000$000 129:722$718 125,850
Santos - Jundiaí 139,600 23.558:500$000 168:757$163 139,000
São Paulo - Rio de Janeiro 231,010 10.665:000$000 46:166$833 231,000
Conde d’Eu e ramal Cabedelo 140,040 6.800:000$000 48:557$555 143,000
Recife-Limoeiro - ramal Timbaúba 141,340 7.277:564$000 51:489$769 141,100
D. Teresa Cristina e ramal 116,340 5.609:298$020 48:214$698 116,000
Campos-Carangola e ramais 222,490 6.500:000$000 29:214$796 223,400
Natal - Nova Cruz 121,500 5.496:052$544 45:235$000 129,000
Paranaguá - Curitiba 110,380 11.492:042$207 104:113$446 110,000
Oeste de Minas 301,200 5.250:841$233 17:433$072 320,000
Minas Gerais - Rio de Janeiro 170,000 16.150:000$000 95:000$000 170,000
Central de Alagoas 88,000 4.533:000$000 51:511$364 88,000
Quaraim - Itaqui 175,500 6.000:000$000 34:188$034 183,000
Bragança 61,000 1.708:000$000 28:000$000 61,000
Baturité 111,200 6.519:244$314 58:626$298 112,000
Sobral 129,000 6.000:000$000 46:511$628 129,000
Palmares - Garanhuns 146,420 16.000:000$000 109:274$689 146,610
Central de Pernambuco 72,080 13.000:000$000 180:355$161 72,100
Caxangá - Olinda 31,120 1.500:000$000 48:200$514  
Paulo Afonso 116,000 5.077:206$576 43:769$022 115,140
Ramal de Timbó 82,350 2.650:000$000 32:179$721 82,400
Alagoinha - Bonfim 321,990 18.000:000$000 55:902$357 322,000
Nazaré 34,000 1.250:000$000 36:764$706 34,000
Santo Amaro 36,020 2.400:000$000 66:629$650 36,000
Bahia - Minas Gerais 142,400 5.450:000$000 38:272$472 142,400
Itapemirim 71,180 1.250:000$000 17:561$113 71,200
Rio do Ouro 65,300 986:635$644 15:109$275 67,540
Santa Isabel 74,500 3.800:000$000 51:006$711 74,500
Resende - Areias 28,320 962:846$000 33:998$799 28,000
Grão-Pará 75,810 4.496:079$795 59:307$213 91,700
Norte 43,340 1.140:000$000 26:303$646 45,340
Ramal de Cantagalo 69,000 1.380:000$000 20:000$000 66,100
Valenciana 63,650 1.692:267$600 26:587$079 63,350
Macaé - Campos e ramais 187,500 10.334:043$434 55:114$898  
Santana 38,700 1.400:000$000 36:175$711  
Barão de Araruama 40,500 753:988$460 18:616$999 40,500
Campos - São Sebastião 18,200 605:690$808 33:279$715 21,600
Rio das Flores 36,100 1.414:000$000 39:168$975 36,000
Barralense (Bananalense?!) 28,000 800:000$000 28:571$429 28,340
Vassourense 6,000 150:000$000 25:000$000 6,000
Cantagalo - Rio Bonito 209,410 10.860:505$652 51:862$402  
Rio Bonito - Macaé 116,910 2.246:400$000 19:214$781  
Ramal do Sumidouro 92,770 2.783:100$000 30:000$000 93,770
São Fidélis - Campos 52,300 1.590:000$000 30:401$530  
Leopoldina 763,820 32.080:356$000 41:999$890 763,820
Juiz de Fora - Piau 61,000 1.693:000$000 27:754$098 37,000
Paulista 242,500 16.271:750$000 67:100$000 246,000
Sorocabana 331,040 14.234:548$000 42:999$480 340,000
Itúna (Ituana?) (Brito: Itaúna) 220,000 6.451:280$000 29:324$000 265,000
Mogiana 827,100 20.350:000$000 24:604$038 717,000
Rio Claro 264,490 5.000:000$000 18:904$306 271,000
Bragantina 52,000 2.435:500$000 46:836$538 52,000
Rio Grande - Bagé 283,200 13.683:637$000 48:317$927 283,500
Porto Alegre - Uruguaiana 378,410 25.128:162$400 66:404$594  
Porto Alegre - Novo Hamburgo 42,850 3.538:635$143 82:581$917 42,850
Total [cf. Br MT Reflexões] 9.437,790 533.915:805$457 56:572$122  
Denominações (cf. Brito) sem correspondência segura cf. Brito
Estrada de ferro Extensão
(km)
Custo Custo / km Extensão
(km)
Recife a Caxangá       23,410
Recife, Olinda e Beberibe       12,600
Central da Bahia       316,320
Niterói a Macaé       180,700
Macaé a Campos       96,500
Cantagalo       152,500
Santo Antônio de Pádua       92,700
Piraiense       38,700
Rio Bonito a Juturnaíba       8,200
Corcovado       3,810
Taquari a Cacequi       354,000
S. Jerônimo       14,000
União Mineira - ramal de Serraria       137,200
Pirapetinga       31,000
Alto Muriaé       41,000
Ramal do Rio Novo       6,700
Total [cf. Brito]       9.587,250
Somas de verificação 9.119,500 520.762:294$830 57:104$260 9.586,650

 

Evolução da rede de estradas de ferro no Brasil
Ferrovias em 1870 | Ferrovias em 1890 | Ferrovias em 1910 | Ferrovias em 1930 | Ferrovias em 1954
Ferrovias até 2004 | Governos & evolução | Custo quilométrico | Imigração | Ferrovias & Estados | Ferrovias & navegação | Navegação | Rios e bacias | Rodovias
Produção da indústria ferroviária | Passageiros | Mercadorias | Bagagens e encomendas | Locomotivas | Vagões de carga | Vagões de passageiros
Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários
Estações ferroviárias
2015 | 1986 | 1982 | 1960 | 1930
Mapas ferroviários
1991 | 1984 (RFFSA) | 1974 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1898
Quadros das ferrovias
1960 (Nomes) | 1956 | 1954 | 1952 | 1945 | 1940-1945 | 1937 | 1927 | 1907
Planos ferroviários | Legislação

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade