Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Foto do Trem Farroupilha puxado por uma locomotiva Garrat
Trem noturno tracionado pela locomotiva Garrat 909. Foto: Preserfe, sem data

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

   

Viação Férrea do Rio Grande do Sul
Os carros de aço do trem Farroupilha


 
João Paulo M. Camargo
Centro-Oeste DC-8 — 10 Dez. 1990

Foi em 1929 que a Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS) fechou contrato de compra com a firma americana Pullman Standard Car, resultado de uma segunda licitação pública feita para aquisição de carros construídos inteiramente de aço. Na primeira licitação, não houve nenhum inscrito, obrigando a diretoria a realizar várias modificações no edital.

O lote formado por 21 carros veio a bordo do vapor Beljeanne e foi desembarcado no porto do Rio Grande entre os dias 3, 4 e 5 de dezembro de 1931, com as seguintes características:

  • 6 carros correio-bagagem n° 281 a 286, tara de 27 toneladas e lotação de 16 toneladas

  • 6 carros de primeira classe n° 621 a 626, tara de 28,7 t e lotação para 40 passageiros dispostos em fileiras de assentos simples e duplos, com a particularidade de os primeiros 4 carros terem os bancos duplos inteiriços, e os outros 2 carros terem os bancos duplos repartidos

  • 5 carros dormitório n° 195 a 199, tara 31,1 t e 7 camarotes duplos

  • 4 carros restaurante n° 171 a 174, tara 30,7 t e 28 lugares

As locomotivas empregadas para puxar o Farroupilha — como ficou sendo chamado o noturno de Santa Maria a Porto Alegre — foram as recém-adquiridas Garratt n° 901 a 910, fabricadas pela Henschel sob licença da Beyer-Garratt, de rodagem 4-6-2+2-6-4.

Curioso é notar que as Garratt foram empregadas não só na VFRGS, mas em várias partes do Brasil, devido à grande aderência que possuíam, sem com isso forçar as linhas com excesso de peso localizado (peso por eixo).

A maioria esmagadora dos trechos ferroviários construídos aqui, até então, foram planejados com extrema economia de recursos técnicos (bitola, raio mínimo, rampa, tipo de trilhos e obras de arte), visando tão somente o material de tração empregado na época da construção. Possantes locomotivas Pacific, quando aqui chegaram, ficaram limitadas às velocidades de 30, às vezes 40 km/h; locomotivas como as Hudson (4-6-4) e Niagara (4-8-4) sequer foram importadas, devido ao seu grande peso, embora fossem excelentes para tração.

Foi célebre o caso das locomotivas Berkshire (2-8-4) especialmente projetadas para "as condições brasileiras", importadas de um consórcio francês — Gelsa — pelo governo federal, no início dos anos 50. Bastou que as primeiras unidades saíssem montadas das nossas oficinas, para abrirem a linha na primeira curva. A maioria destas locomotivas sequer chegou a ser montada, sendo vendidas como sucata. Tem-se notícia, inclusive, de que exista uma em Roboré, Bolívia (Red Oriental), oriunda da Noroeste do Brasil.

Não é de estranhar, portanto, o relato tão pessimista do Inspetor Geral da VFRGS da época, sobre o estado das linhas e os resultados "positivos" dos primeiros testes das Garratt — que foram inventadas para aumentar a capacidade de tração de linhas consideradas secundárias e serranas, tendo sido aqui empregadas no tronco principal da rede gaúcha, já praticamente consolidada como um dos sistemas ferroviários mais importantes do País, construída com traçado e superestrutura inadequados.

Com partidas simultâneas de Porto Alegre e Santa Maria, diariamente, às 21:00h, teve início em janeiro de 1932, no Estado do Rio Grande do Sul, o serviço de trens de passageiros feito com carros de aço — o terceiro no Brasil e o primeiro na nossa bitola métrica, com estas características.

A composição era formada por 1 carro correio-bagagem, 2 carros de primeira classe, 1 restaurante, mais 1 de primeira e, por fim, 2 carros dormitório. Os carros de primeira com assento duplo inteiriço (n° 621 a 624, foto à direita) eram, geralmente, usados pelos passageiros em trânsito durante o percurso, sendo engatados logo atrás dos carros correio-bagagem. Os outros, com assento duplo repartido, eram usados pelos passageiros do percurso total. Sendo uma viagem noturna de praticamente 12 horas, podiam repousar sem incomodar o passageiro vizinho. Estes carros (n° 625 e 626) eram engatados entre o carro restaurante e os dormitórios.

Mais tarde, o Farroupilha começou a puxar também os carros dos trens que faziam São Paulo — Porto Alegre (4 noites e 5 dias de viagem!), em 3 frequências semanais alternadas, mas não deu muito certo, pois os trens vindos de São Paulo chegavam em Santa Maria com muito atraso. Isso obrigou a direção da VFRGS a colocar os carros de São Paulo no horário diurno de Santa Maria a Porto Alegre, que era um trem parador, e com isso o Farroupilha tornou-se novamente um trem uniforme.

Nos anos 40, foram acrescidos os carros de segunda classe, de aço — já então, fabricados no Rio Grande do Sul —, e continuou servindo com galhardia, por muitos anos, até a chegada dos trens húngaros, em 1974. Então, foi passado para segundo plano e, logo depois, encostados, restando apenas alguns carros, servindo de alojamento, e muitas lembranças.

As cores da pintura externa eram verde-pullman (verde oliva amarronzado), com inscrições e filetes em branco.

Bibliografia:

  • Relatórios VFRGS de 1929, 1930, 1931, 1932
  • Car Builders Cyclopaedia, vários anos
   

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

Acompanhe no FB

Desembarque dos vagões do Trem Farroupilha no porto do Rio Grande
Desembarque dos carros vindos no vapor Beljeanne, no porto do Rio Grande.
Os carros de aço do Trem Farroupilha
Carros Pullman de 1931 | Carros VFRGS de 1942
Primeira Classe | Interior | 621 a 626 | 627 a 635 | P-210
Dormitório | 191 a 194 | 195 a 199
Restaurante | 171 a 174 | 175 a 176 | R-202
Correio-Bagagem | 281 a 286 | BC-201
Farol farroupilha
VFRGS : SR-6 RFFSA : ALL
Os carros de aço do trem Farroupilha | Trem Húngaro | Estação de Santa Maria
DH Esslingen | GMDH1 | Estrada de Ferro e Minas de São Jerônimo
Locomotivas Henschel 2-8-0 | Locomotivas Henschel 2-6-0 + 0-6-2
Estação da Barra de Rio Grande | Trilhos nos molhes da barra
Pintura diesel da VFRGS | Locomotivas da SR-6 | Locomotivas da ALL
Estações em 1930 | Estações em 1960 | Trilhos em 1942 | Trilhos até 1944
1907: EF Porto Alegre a Nova Hamburgo | EF Porto Alegre a Uruguaiana
EF Rio Grande a Bagé | EF Santa Maria ao Uruguai
Mapas: 1984 | 1970 | 1965 | 1954 | 1950 | 1898

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade