Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Traçados das ferrovias propostas pelo ministro em 1886

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

   

1886 - Planos Ferroviários
Plano Rodrigo Augusto da Silva


 
Flavio R. Cavalcanti

Antecipando Joaquim Murtinho [ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas, bem como da Fazenda, a partir de 1896, na República], o ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, Rodrigo Augusto da Silva, propôs ao imperador, em 1886, um "Plano Geral de Viação" cuja característica mais marcante foi a de não oferecer absolutamente nenhuma diretriz de longo prazo — mas, tão somente, sustar de imediato o lançamento de qualquer nova ferrovia (com 2 grandes exceções); concluir umas poucas linhas já iniciadas; e apenas criar pequenas ligações para unir trechos já existentes [cf. CNT].

As novas linhas seriam:

  • o prolongamento da Mogiana, do rio Grande ao Paranaíba (travessia do Triângulo Mineiro), e daí até Jurupensen, em Goiás;
  • a construção da estrada da Alcobaça (EF Tocantins) — de modo que a Mogiana oferecesse passagem da Côrte até Belém do Pará;
  • o prolongamento da Sorocabana, de Botucatu até a foz do rio Tibagi no Paranapanema — de onde se abriria a navegação para o rio Paraná e (por seus afluentes) para o sul do Mato Grosso;
  • a construção de uma linha do porto de Santa Rosalina, no rio Brilhante, ao de Nioac, no rio Mondego — de modo que a Sorocabana oferecesse passagem da Côrte à capital do Mato Grosso, Cuiabá;
  • o prolongamento do ramal de Itapetininga da Sorocabana — de modo a ligar a Côrte às províncias do Sul
  • a construção da linha de Bagé a Uruguaiana, da rede de ferrovias estratégicas da província de São Pedro — autorizadas pelo Decreto Legislativo nº 2.397, de 10 de setembro de 1873.

As obras a prosseguir seriam:

  • a conclusão do prolongamento da linha de Salvador (BA) ao rio São Francisco;
  • a conclusão do prolongamento da EF D. Pedro II — mas só até o rio das Velhas, afluente do São Francisco.

As pequenas ligações propostas uniriam ferrovias das províncias orientais do Nordeste, formando o zig-zag (entre litoral / Zona da Mata) de Maceió a Natal — "constituindo-se dest'arte uma rede de viação aperfeiçoada e mui importante" [grifo do site]. Propõe, ainda, sua fusão em uma empresa única.

Para o Pernambuco, considera suficiente a "desobstrução, que já vai avançada, do rio São Francisco, até a estrada de Paulo Afonso" — o que parece contradizer o mapa reconstituído (acima), no que se refere a uma suposta linha de Garanhuns a Petrolina.

A justificação desse Plano Geral de Viação sui-generis parte do pressuposto de que "as circunstâncias da fazenda pública não permitem prosseguir desassombradamente na construção de estradas econômicas que cortem o interior do Império nas direções mais convenientes".

Erros passados por falta de plano geral de viação, além disso, recomendariam o Plano Geral de não lançar novas ferrovias (exceto as propostas), até que "prévios estudos de terreno" habilitem a estabelecer aquele plano:

« Os erros que havemos cometido no traçado de algumas de nossas vias férreas, por falta de plano geral de viação, aconselham não encetar novas linhas sem prévios estudos no terreno, que nos habilitem suficientemente a estabelecer aquele plano, ao qual deverão ficar sujeitas todas as futuras construções. »

Daí, a proposta de "linhas que (...) constituem um plano geral de viação, não só econômico, mas apto para satisfazer às nossas mais urgentes necessidades".

Embora raramente seja citado pela historiografia entre os "planos ferroviários", na verdade foi colocado em prática.

Na virada de 1888 para 1889, Rodrigo Silva assinou 16 concessões e 1 contrato — para o estudo da linha São Paulo - Rio Grande do Sul — que concretizariam este plano.

No relatório que apresentou em 15 de maio de 1889 já não manifestava tanta preocupação com o ônus do Tesouro, que ampliou através das garantias de juros dadas às novas linhas. Pelo contrário, provava que o prolongamento das ferrovias não pesava tanto assim. Pelo contrário, iria aumentar a riqueza do País.

Coerente com isso, não teve escrúpulos em conceder uma via férrea do Pernambuco — que nunca conseguiu atingir sequer o rio São Francisco — até o oceano Pacífico:

Observações semelhantes a estas e a legislação adequada que se foi fazendo não evitaram que, pelo decreto nº 10.069, de 27 de outubro de 1888, se concedesse uma estrada de ferro que, partindo do ponto terminal da Recife ao S. Francisco, se dirigisse às repúblicas da Argentina e do Chile, atravessando as províncias que mais conviessem ao traçado!!! [Brito].

Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários
Evolução da rede de estradas de ferro no Brasil
Ferrovias em 1870 | Ferrovias em 1890 | Ferrovias em 1910 | Ferrovias em 1930 | Ferrovias em 1954
Ferrovias até 2004 | Governos & evolução | Custo quilométrico | Imigração | Ferrovias & Estados | Ferrovias & navegação | Navegação | Rios e bacias | Rodovias
Produção da indústria ferroviária | Passageiros | Mercadorias | Bagagens e encomendas | Locomotivas | Vagões de carga | Vagões de passageiros
   

Rodrigo Silva

Rodrigo Augusto da Silva foi ministro apenas interinamente. Durante os gabinetes Cotegipe e João Alfredo, por duas vezes substituiu o também paulista Antônio Prado: de 10-5-1887 a 27-6-1888; e novamente de 5-1-1889 a 7-6-1889. No ano de 1886, o site do ministério e sua galeria de ministros registram apenas Antônio Prado. Parece provável que o "plano" tenha sido proposto à Assembléia Geral (Congresso) — cuja lei XXX autorizou suas concessões —, e não ao imperador.

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade