Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

  

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

   

Ferreomodelismo e maquetes
Engates & desengates HO


 
Flávio R. Cavalcanti
Centro-Oeste nº 89 — 1º Abr. 1994

Tenho alguns vagões Athearn e notei grande diferença de tamanho entre seus truques e os da Frateschi, bem como no diâmetro das rodas. Quem está certo nessa estória?
Qual a melhor maneira de se adaptar os engates Athearn X Frateschi? (Marco Zimak, Santa Cruz do Rio Pardo, SP).

A melhor forma de compatibilizar engates, é adotar um tipo único em toda sua frota.

Existem vários tipos na Europa, cada um mais ou menos ligado à força do fabricante que o adota.

Fabricantes fortes como Märklin, Fleischmann, Roco etc. têm aperfeiçoado cada vez mais seus respectivos engates — e, finalmente, foi padronizado um sistema de encaixe que permite trocar facilmente um engate por outro.

Desta forma o modelista europeu pode reunir material de várias marcas, e substituir facilmente os engates, padronizando sua frota com o tipo que mais lhe agrada.

  
Partes do engate Kadee para ferreomodelos   

Fig. 8 - A ilustração que acompanha o envelope do engate Kadee n° 5 (um dos mais populares) mostra de forma simples e clara como fazer a instalação no modelo.
Boa parte dos modelos norte-americanos já vêm com uma caixa (superior) incorporada ao chassi, e uma tampa inferior que fecha sob pressão. Nestes casos, basta abri-la, retirar o engate X2f, e instalar o Kadee com sua mola para centralização da haste.
Para as locomotivas G-12, a MR Custom Service produz uma peça de metal fundido que fecha o rasgo frontal e dá suporte para a caixa de instalação Kadee. São 2 versões (Rede e Fepasa), com a vantagem de aumentar o peso e a aderência do modelo.
Apesar da simplicidade, o Kadee funcionará melhor se o modelista lixar as rebarbas e aplicar um lubrificante seco (que pode ser o grafite em pó utilizado pelos chaveiros).
O envelope traz instruções completas, detalhadas e ilustradas (infelizmente em inglês), numa demonstração de que o mercado se faz com instruções e orientação todos os dias.
Ainda que nem todos leiam e coloquem em prática todas as recomendações, elas estão lá - em 12 desenhos e mais de 1500 palavras - sempre que o modelista encontre alguma dificuldade.

 

Um aspecto que merece ser levado em conta, na escolha do tipo de engate, é se ele permite ou não o "desengate retardado": — A possibilidade de realizar o desengate na entrada de um pátio, e em seguida empurrar os vagões até onde queremos deixá-los, sem que o engate torne a se fechar (Fig. 7).

Não acompanho o mercado mundial, mas encontro no catálogo Fleischmann 92/93 a indicação de que seu engate "Profi" realiza o desengate retardado. O catálogo Roco 87/88 também apresenta itens com esta capacidade.

O tipo adotado pela Frateschi é um dos mais tradicionais, e ainda hoje é uma das alternativas oferecidas pela Märklin (muitos o chamam "engate Märklin") além da Fleischmann, entre outras.

O "engate Märklin" era o tipo adotado no Brasil pela Atma, quando a Frateschi lançou seu primeiro vagão (gaiola ref. 2001), em 1969.

  
Funcionamento do engate Kadee em ferreomodelos   

Fig. 7 – No desengate retardado, o ímã deve ter força suficiente, não só para afastar as "trombas", como também as hastes dos engates Kadee. Para isso:

(A) A loco deve afastar-se um pouco.

(B) Em seguida a loco avança suavemente e empurra o vagão, sem que os engates se acoplem.

(C) Chegando ao local desejado, a loco afasta-se. Os engates não chegam a se acoplar, e o vagão permanece onde foi colocado.

 

A Frateschi substituiu a estamparia em lata, da Atma, por algo menos grosseiro, em plástico, mantendo apenas o anel em metal para funcionar por magnetismo.

Nos anos 80, a Frateschi refez o molde de seu engate, tornando-o mais discreto e reduzindo um pouco mais a distância entre os vagões.

Apesar da evolução já registrada, o material Frateschi ainda não adota o sistema de encaixe (para substituição fácil), e que eu saiba não existe forma de empurrar um vagão, sem que o engate torne a se fechar.

Trocá-lo pelo X2f que vem instalado nos vagões Athearn, não parece interessante. O X2f é pouco atrativo, como opção para converter toda sua frota.

Já o engate Märklin / Frateschi, embora não seja o melhor do mundo, tem a vantagem do desacoplamento magnético — além de já estar presente na maior parte de sua frota. É mais econômico substituir o engate X2f de uns poucos vagões Athearn.

Uma ótima solução foi lançada no Brasil em meados de 1991: — O engate híbrido Kadee / Frateschi, produzido pela Phoenix (ver DC-13/2).

Era um engate Märklin / Frateschi (ainda mais discreto), instalado numa caixinha semelhante à do Kadee. Bastava tirar o engate X2f e colocar o híbrido da Phoenix no lugar.

Infelizmente, a Phoenix fechou no final de 1992.

Outra alternativa simples é substituir os truques Athearn pelos da Frateschi, que já vêm com o engate numa haste.

O engate Kadee

Nos EUA, o esforço parece ter sido mais no sentido de padronizar um tipo de engate universalmente aceito, do que apenas padronizar um encaixe que permita a rápida substituição de um tipo por outro.

No entanto, ambas as coisas foram atingidas — já há bastante tempo.

Fabricantes americanos procuram reduzir os preços (e seus custos) ao mínimo. Assim, praticamente todo material HO sai de fábrica com o baratíssimo engate "Horn-hook" ou X2f, que alguns chamam "engate NMRA" — embora a NMRA (associação nacional de ferreomodelistas dos EUA) frise que nunca o adotou como recomendação oficial.

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

 

Na prática, a grande maioria dos modelistas norte-americanos que ultrapassam o feijão-com-arroz inicial, acabam por adotar engates Kadee — algo assim como o padrão dos modelistas sérios.

Isto é muito fácil, já que o encaixe do X2f é plenamente compatível com o encaixe do Kadee.

Há mais algumas opções nos EUA, inclusive o Mate-a-Matic, que se acopla aos engates X2f e Kadee, dispensando a necessidade do modelista padronizar toda sua frota.

Mas parece que nenhum afeta o reinado do Kadee.

O engate Kadee é o que mais se assemelha ao engate 1:1 adotado nos EUA — bem como no Brasil das 3 últimas décadas (Fig. 5 e 6).

  
Abertura do engate Kadee de ferreomodelismo  

Fig 5 (Esq) – O engate Kadee assemelha-se à mão em punho, como o protótipo usado nos EUA e no Brasil. A "tromba" desce em meio-arco, imitando a conexão de ar comprimido dos freios. Ao ser empurrada pelo ímã para o lado, a "tromba" abre a manopla do engate.

 

Caso opte por substituir os engates Frateschi, recomendo adotar o Kadee, instalando-o no estrado dos vagões — ou nos truques, deixando um toco da haste do engate original Frateschi.

Esta última alternativa foi apresentada por José Agenor no CO-67.

  
Engate e desengate Kadee em ferreomodelismo  

Fig. 6 – No desengate tradicional, o ímã deve ter força suficiente apenas para afastar as "trombas" dos engates Kadee. Se a loco torna a empurrar o vagão, as manoplas tornam a fechar, acomodando-se naturalmente uma à outra. Aliás, o acoplamento ocorre mesmo sem a presença de um ímã.

Instalar Kadee nos truques é altamente recomendável quando se trata de vagões ou carros longos (como os modelos Budd produzidos pela Frateschi), para evitar descarrilamento em curvas.

Ímãs para desengate

Há muito tempo deixei de usar a grade ref. 4110D — aliás por sugestão de Celso Frateschi (naturalmente, não aplicável, em massa, aos iniciantes).

Para engates Märklin-Frateschi, na EF Pireneus-Paranã (1984), instalei ímãs retirados de fechos para armário de cozinha (Fig. 1).

  
Ímãs que podem ser usados em maquetes de ferreomodelismo

 

Fig. 1 – Três tamanhos de ímã que encontrei desmanchando fechos magnéticos para armário de cozinha:

  • 20 x 10 x 6 mm
  • 25 x 10 x 6 mm
  • 28 x 13 x 6 mm
 

Note que a polaridade (Norte-Sul) do ímã deve ser orientada para a vertical. Não importa, se o "Norte" aponta para cima ou para baixo.

Os ímãs obtidos desta forma têm 6 mm de espessura, e não cabiam na cortiça de 5 mm.

Cavei mais 2 ou 3 mm na base de madeira (compensado), e assim os ímãs ficaram totalmente escondidos (Fig. 2).

Inicialmente pretendia marcar a localização dos ímãs com algum marco de linha, figuras HO, postes, algum rodeiro velho "jogado" à beira da linha, uma touceira de grama etc.

Na prática, os ímãs levantavam os engates Frateschi com tal força, que dava para escutar a 2 m de distância, e acabei dispensando a marcação dos pontos de desengate.

  
Instalação do ímã embaixo dos trilhos da maquete para desengate de ferreomodelos com engate Frateschi   

Fig. 2 – Para desengate Frateschi, o ímã é usado com a polarização (Norte-Sul) na vertical. Se a espessura do ímã for maior que a da cortiça, cave alguns milímetros na madeira. Mesmo ficando 3 mm abaixo dos dormentes, estes ímãs têm força considerável. Quanto mais curto, menos causa desengates acidentais. O centro deve ficar a 55 mm da junção com o AMV — e a via não precisa ser reta.

 

Para o desengate normal dos Kadee, o mesmo ímã de fecho de armário deverá ser deitado sobre sua lateral, de modo que a polaridade Norte-Sul fique transversal ao eixo da via férrea (Fig. 3).

O desengate retardado ("delayed action" — Fig. 7) faz parte da propaganda institucional da Kadee, e realiza-se com uma grade com ímã, semelhante à grade Frateschi ref. 4110D.

Esta grade "delayed action" custa US$ 4,45. Kadee também oferece sua versão eletro-magnética por US$ 8,50 (preço de tabela).

A semelhança com a grade ref. 4110D termina na aparência (aliás nada realista).

Para o desengate retardado dos Kadee, basta empregar 5 ímãs de fecho de armário, formando uma cruz (Fig 4).

  
Disposição do ímã embaixo dos trilhos da maquete para desengate de ferreomodelos com engates Kadee   

Fig. 3 – Para o desengate Kadee normal, o ímã é usado com a polarização (Norte-Sul) transversal ao eixo da via férrea. Cave alguns milímetros na madeira.

 

Não fiz muitos testes com esta última alternativa, que pretendo adotar daqui por diante. É possível que bastem 2 ou 3 ímãs, para obter a "delayed action".

Pode parecer exagero, mas deve-se lembrar que basta um desses conjuntos, na entrada de um feixe de linhas, para poder manobrar com todas elas.

Truques & rodas

  
Utilização de vários ímãs para desengate de ação retardada em maquetes com ferreomodelos usando Kadee   

Fig. 4 – Já consegui experimentalmente o desengate retardado ("delayed-action"), apenas reforçando o ímã e alongando-o, pelo simples expediente de reunir 5 ímãs em cruz. No entanto, é provável que também funcione com 4 ímãs em grupo retangular, ou 3, ou 2 lado a lado.

 

Os truques adotados nos vagões HO americanos — e não só da Athearn — têm aparência mais real do que os truques tradicionais dos vagões de carga da Frateschi.

Além do tamanho das rodas, há a distância entre os eixos; e a distância do centro do truque até a extremidade do vagão.

Isso pode ser notado no vagão importado pela Frateschi (foto no CO-87/26). Devido à haste de seu engate, o truque Frateschi também não foi projetado para essa curta distância da extremidade do vagão.

Lembrar que nos EUA a maioria dos modelos têm o engate fixado no estrado (e só em alguns casos, no truque).

Infelizmente, a política de preços baixos leva a maioria dos fabricantes americanos à adoção de rodeiros de plástico, que dão aos modelos menor estabilidade e menor facilidade de rolamento. Os rodeiros metálicos Frateschi oferecem rolamento bem superior.

Truques menores e com rodas RP-25 foram produzidos no Brasil durante 5 anos, pela Phoenix, do final de 1987 até o final de 1992.

O micro-produtor oferecia 5 opções de truque: — Arch-bar, Ride Control, Barber stabilized, Bettendorf, e Bettendorf T-Section.

Os truques Phoenix usavam rodas metálicas (como os da Frateschi) e tinham molas verdadeiras.

De fato, eram um produto de categoria acima do feijão-com-arroz, para o modelista mais exigente e habilidoso.

Considerando o custo de produção e distribuição, eram muito baratos.

Infelizmente, também neste caso, poucas lojas interessaram-se em dispor do produto para oferecer aos clientes ferreomodelistas.

A solução já começa a bater à nossa porta. A Frateschi acaba de desenvolver novo truque Ride Control, menor, para os vagões tanque encomendados pela Atlas. O novo Ride Control será adotado em toda linha de vagões Frateschi — exceto aqueles que exigem o truque Arch Bar (FRC).

Sugestões de leitura

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

Engates ferroviários
Ferrovia | Engate europeu | Ferreomodelismo | Horn-Hook, X2f, NMRA
Kadee & ímãs de desengates | Ajuste de engates Kadee | Raios de curva | Engate Kadee na haste do truque
Por que Kadee n° 4 | Instalando engates e truques Phoenix | Bancada de manutenção | Oficina de locomotivas
Geometria dos trilhos
Raios de curva e material rodante | AMVs e material rodante | Afastamento adicional em curvas
Rodas RP-25 | Trilhos Code 100 | Gabarito Mark III | Gabaritos EBCB e VFRGS
Truques ferroviários
Truques: modelos e protótipos | Fixação de truques em modelos | Instalando engates e truques Phoenix
Rodeiros RP-25 NMRA | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Gabarito adicional em curvas
Aparelho de Mudança de Via - AMV - "desvio"
Evite problemas no AMV | Alimentação de trilhos no AMV | As ligações do AMV
Vagão limpa-trilhos | AMVs e material rodante | Protetor de "desvios" da AMF (1986)
Esconda as bobinas dos AMVs | Os primeiros "desvios" Frateschi
AMV em Triângulo (PB) | AMVs em Brasília | AMV-UIC do Metrô-DF
Cobrasma | Jaraguá | Premesa
Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia
Dicas de ferreomodelismo e maquete
Dicas e truques | Peças planas em Araldite | Criando material decorativo numa cidade do interior
Copiando rochas da natureza | O que é e como usar borracha de silicone | Moldes de latex
Fazendo e plantando capim | Fazendo árvores de arame ou fio elétrico
Engenhocas e utensílios para a decoração da maquete | Lojas úteis para ferreomodelistas | Mais lojas úteis

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade