Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
 

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  
  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

   

Ferrovias e ferreomodelismo
Truques: modelos e protótipos


 
Marcos Bertossi
Centro-Oeste DC-11-12 (6 Abr. 1991)

Quando escutamos uma conversa de ferreomodelistas que praticam o hobby há muito tempo, frequentemente ouvimos termos que a grande maioria dos iniciantes — e até alguns experimentados modelistas — desconhecem.

Outro dia, p. ex., presenciei uma conversa sobre os vários tipos de truques existentes, como Bettendorf, Self-Aligning, Double-Truss, Arch-Bar, Roller-Bearing, Barber-Stabilized etc., e muitos dos presentes desconheciam grande parte dos termos utilizados.

A introdução do truque na ferrovia teve início em 1831, por Ross Winans, num carro de passageiros da Baltimore & Ohio, e, devido ao sucesso obtido, passou a ser empregado também nos vagões.

Antes de continuar com o histórico dos truques, vamos descrever as partes que o compõem:

Partes que compõem um truque ferroviário
1 - Roda
2 - Eixo
3 - Mancal de fricção
4 - Calço do mancal
5 - Tampa da caixa
6 - Lateral (longerões)
7 - Travessa
     (travessão superior ou berço)
8 - Amparo balanço
9 - Mola do truque
10 - Triângulo
11 - Sapata do freio
12 - Alavanca do freio
13 - Suspensão do freio tipo loop
14 - Suspensão da placa do freio
15 - Chaveta da sapata
16 - Barra de compressão
17 - Pino de articulação
       (alavanca e setor de graduação)
18 - Pino de articulação
       (alavanca e barra de compressão)
19 - Suporte de segurança do freio
20 - Suporte de conexão da
       barra de compressão
21 - Suporte clip de segurança
22 - Suporte de segurança das molas
       (não mostrado na figura)
23 - Placa das molas
24 - Setor de graduação
25 - Guarda-pó
26 - Almofada de feltro
27 - Rebaixo da chaveta da sapata
28 - Tirante de graduação do freio
29 - Bandeija (prato) das molas

Ferrovias

Com o desenvolvimento tecnológico dos vagões, os truques também se desenvolveram rapidamente, passando a ser construídos em ferro fundido, ao invés de madeira.

Por volta de 1870, surge o truque Arch-Bar — literalmente, arco-barra — ou de barras, ou aranha, ou diamante, que teve um longo período de utilização quase universal, para todos os tipos de vagões.

O truque Arch-Bar é constituído por barras parafusadas, com caixa de graxa, e equipou vagões norte-americanos por muito tempo, até 1938, quando seu uso foi proibido pela A.A.A. Ainda hoje, no Brasil, vemos vagões equipados com este truque, principalmente vagões de serviço das ferrovias.

   Alguns truques ferroviários da "família" Arch Bar
Truque ferroviário Bettendorf, desenvolvido em 1903
Fig. 3

Em 1903, The Bettendorf Company inova com o lançamento do famoso truque Bettendorf (Fig. 3 - acima), que tem sua lateral fundida em aço, numa única peça. Com o passar do tempo, o desenho básico do truque Bettendorf foi sendo modificado, para obter melhor performance, surgindo novos modelos:

Bettendorf T - Modelo com reforço externo em forma de T, para reduzir a fadiga na lateral do truque.

Self-Aligning - Modificação introduzida no desenho do encaixe da lateral com a travessa (forma cilíndrica, Fig. 4), permitindo pequenos movimentos da lateral em relação à travessa, ao realizar curvas, melhorando a inscrição do truque, reduzindo o desgaste dos flanges, os esforços de tração e a compressão nas laterais.

Double-Truss - Introdução de um reforço duplo na lateral do truque (Fig. 5), reduzindo a fadiga estática e dinâmica das laterais, aumentando a vida útil e sua capacidade de transportar peso.

   Truques ferroviários Self-Aligning e Double-Truss
 

Spring-Plankless - Eliminação da placa das molas (Fig. 6), visando reduzir o peso total do truque e o contato direto da bandeja das molas (prato) com a lateral do truque.

Barber-Stabilized - Tipo S-2, sistema que atua por meio de cunhas de fricção na região de contato da travessa com a lateral (Fig. 7), para se ter uma pressão proporcional nas molas, em função da carga do vagão. Este sistema protege a carga transportada, pelo amortecimento dos movimentos oscilatórios. Este truque tem dois elementos fundamentais: as molas helicoidais de longo curso e os dispositivos para controle da ação dessas molas (cunhas de fricção, chapas de desgaste e mola de pequeno curso), de modo que a absorção dos choques transmitidos pela via à superestrutura dos vagões se faça eficiente e suavemente.

 

Ride-Control - Tem como base a mesma concepção que o Barber-Stabilized, diferenciando-se o sistema de cunhas para oferecer uma carga constante nas molas, independente da carga transportada.

Integral - Nada mais é do que a denominação dos truques de aço fundido, constituídos de três peças: duas armações laterais, com espaços para o encaixe da caixa de graxa e os extremos do travessão central, e a travessa central do truque, também metálica. Portanto, aplica-se aos modelos que derivaram do Bettendorf.

Semi-Integral - Difere do integral apenas na lateral, que é constituída de forma a poder receber tanto a caixa de graxa como os mancais de rolamento.

Roller-Bearing - São os truques que, ao invés da caixa de graxa, possuem mancais de rolamento.

Vistas laterais de vários tipos de truques ferroviários

Existem também outros truques que são pouco conhecidos no Brasil, por terem uso específico em determinados vagões, ou que não tiveram grande repercussão no mercado ferroviário, como o Barber Lateral Motion, Andrews, Gould 50 ton (precursor do Semi-Integral), All Coil Springs, Symington Gould 100 ton (com duplo amortecimento para altas velocidades), Buckeye, Symington Gould de 6 e 8 rodas, Simplex High Speed (para vagões refrigerados), Coil Elliptic (empregado em cabooses, usando feixe de molas em lugar da mola helicoidal, na suspensão), Fox, variações do Arch-Bar Light e Simplex para tênder, Diamont, Short, SP Thielsen, Brill, Diaphragm para vagões de mercadorias, Logging para vagões madeireiros (transporte de toras), Caboose / Leaf Spring com feixe de molas etc., sem falar nos truques para carros de passageiros, carros motrizes, locomotivas e tenders.

  

Podemos ter truques que congregam, ao mesmo tempo, várias melhorias, tais como Self-Aligning, Double-Truss e Spring-Plankless, ou Barber-Stabilized e Roller-Bearing, ou... etc.

[ T-Section (à esq.) sujeito a confirmação ]

Laterais de vários tipos de truques ferroviários

 

Brasil

Na Fepasa, os truques mais usados são:

  • Self-Aligning para 42 toneladas
  • Cobrasma Double-Truss p/ 42 ton.
  • Ride-Control para 42 toneladas
  • Ride-Control para 55 toneladas
  • Barber-Stabilized S-2 FNV p/ 55 ton.
  

Tabela I - Uso de truques por tipo de vagões na RFFSA

  Fechado Gôndola Gaiola Prancha Tanque Total
Arch-Bar 11% 12% - - - 11%
Double-Truss 35% 40% - 50% 5% 37%
Self-Aligning 27% 38% 100% 17% 5% 26%
Ride-Control 17% 4% - 30% 50% 18%
Barber-Stabilized 11% 6% - 3% 40% 8%
 

Os três primeiros, externamente, são iguais — o mesmo modelo Bettendorf. Os outros dois, para 55 toneladas, também são iguais, diferindo às vezes na caixa de rolamento, conforme o fabricante e o tipo de rolamento. Normalmente, encontramos o Barber com caixa de rolamento tipo cartucho, de tampa na caixa, ou tampa aparafusada na ponta dos eixos.

Na Tabela I, encontra-se a distribuição dos vagões da RFFSA e as percentagens dos diversos truques utilizados, bem como a percentagem total na frota.

Ferreomodelismo

No mercado americano, encontramos grande variedade de truques, seja em plástico ou metálicos. O truque com maior variedade de modelos nos EUA é o Arch-Bar, que existe nos seguintes tipos: Leaf Spring (feixe de molas) para caboose, Brill 50E, Logging, SP Thielsen, Diaphragm, Diamont, Short, West Side, Light, Simplex. Outros truques disponíveis são Andrews, Bettendorf T, Vulcan, Express Reefer, Fox e os Roller Bearing, com pelo menos 4 tipos.

Noventa por cento, ou mais, dos truques produzidos nos EUA não têm engate agregado, e 100% têm rodas RP-25.

No Brasil, apenas a Frateschi e a Phoenix produzem truques.

A Frateschi produz dois modelos para vagões de carga — o Arch-Bar e o Ride-Control com rolamento de cartucho — numa única peça plástica com o engate agregado. Nos EUA, o truque com engate agregado é conhecido como truque Talgo.

A Phoenix produz 5 modelos, na escala HO correta — Arch-Bar, Bettendorf, Bettendorf T, Ride-Control e Barber-Stabilized. São confeccionados em metal, em peças independentes (2 laterais e 1 travessa), que são encaixadas como no modelo real, recebendo um par de molas de cada lado (sistema de equalização, igual aos protótipos), que lhe conferem articulação, facilitando a inscrição nas curvas. Além de serem truques que dispensam o lastro (peso) no vagão, por serem metálicos, também já vêm equipados com rodas RP-25, bem mais próximas da aparência real.

 

Com estas alternativas, o modelista brasileiro que gosta de modelar vagões de nossas ferrovias — atuais ou passadas — praticamente já não precisa adquirir truques importados. Os 5 modelos produzidos abrangem boa parte dos protótipos e épocas (Tabela II).

Note que tanto o Ride-Control como o Barber podem ter o rolamento de 3 tipos: cartucho (Frateschi), com tampa (Phoenix / Cobrasma) e com tampa presa ao eixo (Phoenix / Barber FNV). Externamente, os 3 truques são praticamente idênticos.

  

Tabela II - Truques mais usados no Brasil

Protótipo Modelo HO Fabricantes
Arch-Bar Arch-Bar Frateschi / Phoenix
Self-Aligning 42 t Bettendorf Phoenix
Double-Truss 42 t Bettendorf Phoenix
Ride-Control 42 t Bettendorf Phoenix
Ride-Control 55 t Ride-Control Frateschi / Phoenix
Barber-Stabilized 55 t Barber-Stabilized Phoenix
Truques ferroviários
Truques: modelos e protótipos | Fixação de truques em modelos | Instalando engates e truques Phoenix
Rodeiros RP-25 NMRA | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Gabarito adicional em curvas
Truques Phoenix para vagões de carga
Os primeiros truques | Instalando engates e truques Phoenix | Molas voadoras | Remontando truques Phoenix
Engates ferroviários
Ferrovia | Engate europeu | Ferreomodelismo | Horn-Hook, X2f, NMRA
Kadee & ímãs de desengates | Ajuste de engates Kadee | Raios de curva | Engate Kadee na haste do truque
Por que Kadee n° 4 | Instalando engates e truques Phoenix | Bancada de manutenção | Oficina de locomotivas

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade