Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Vista inferior da maquete suspensa no teto, com as ligações elétricas dos trilhos e desvios
Vista inferior da maquete suspensa no teto, com as ligações elétricas dos trilhos e desvios

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

   

Maquetes de ferreomodelismo
Maquete suspensa no teto


 
Eliezer Magliano
Revista Brasileira de Ferreomodelismo n° 4
(Ago. 1989)
Maquete suspensa no teto
Planejando o cenário | Fazendo o relevo | Decoração do relevo
Lastro de pedra | Lastro de areia | Passagem de nível | Dormentes à beira da linha
Compasso de cintel | Painel de controle e conexões | O projeto da Frateschi

Conforme prometi há algum tempo, e esperando que seja de algum interesse para os ferreomodelistas, descrevo minha experiência com ferreomodelismo em uma maquete suspensa.

Iniciando com um pequeno histórico, desde tempos que se perdem em minha lembrança, já era, mesmo sem saber, um membro deste grupo que, por motivos desconhecidos, é maníaco por trens, ferrovias e afins.

Uma infância com dinheiro curto, no interior sul do Espírito Santo, limitou minha paixão por trens a eventuais viagens na Leopoldina e a trens grosseiros feitos em casa, uma vez que não podia comprar trens importados e talvez nem nacionais (se os houvesse). De trens verdadeiros,só podia observar a via permanente, algumas obras de arte e uma pequena estação, próximos de casa, pois o tráfego, em um mau sinal do que viria, havia sido erradicado por volta de 1952, dois anos antes de meu nascimento, quando a decadência econômica e do café inviabilizaram a Estrada de Ferro Itabapoana (ramal da Leopoldina de Itabapoana a Bom Jesus do Norte, margeando o rio do mesmo nome).

No início da década, casado, formado e esquecido dos trens, talvez um modelo da Frateschi em uma vitrine acordou em mim o vírus e eu descobri que existia ferreomodelismo no Brasil, e que provavelmente não era o único com esse interesse. Desde então, tento me tornar um ferreomodelista.

Lidos todos os números do Informativo Frateschi e o livro Ferrovias para você construir, cheguei à conclusão de que seria viável ter uma maquete em casa. Deixei a ideia amadurecer durante algum tempo, enquanto isso meu filho cresceria mais um pouco, deixando-me mais tempo para a construção e garantindo a não destruição dos trens.

Finalmente, concluí que morando em um apartamento pequeno e tendo pouca experiência, a primeira maquete deveria ser pequena porém interessante. No Informativo Frateschi n° 29 encontrei o “ovo de Colombo” que procurava, um traçado compacto porém com um bom potencial, principalmente depois de algumas mudanças que descreverei adiante.

Decidido e estudado o traçado, resolvi aumentá-lo para 1,60 metro de comprimento, pois ganharia mais 22 centímetros de retas sem mudar a essência, o curso, o peso etc. Resolvi ainda que a maquete teria que ser suspensa, pois não dispunha de área livre nem para encostá-la a uma parede, e achei um espaço de teto ideal.

Começaram as lições, iniciei a compra do material e a construção do tablado, seguindo todas as recomendações da Frateschi.

Pensando na estética, resolvi usar fio de nylon (linha de pesca) de 1,0 mm. Usei apenas quatro roldanas de plástico e no tablado quatro ganchos roscados nas laterais, nos quais prendia as argolas às extremidades das linhas.

De início achei o tablado um pouco pesado para ser do tipo suspenso e acabei fazendo algumas mudanças. As linhas de nylon definitivamente não aprovaram. Apesar dos aproximadamente 10 quilos do tablado, o fio machucava as mãos, não permitia pegar (escorregava) e por fim, era elástico,esticava muito e não corria bem nas roldanas, também plásticas.

Além disso, um erro na furação do teto para as buchas fazia os fios roçarem no tablado e, para coroar, uma das roldanas se rompeu, felizmente sem grandes danos.

Preocupado, resolvi recomeçar tudo. Felizmente, não havia assentado os trilhos.

  • Substituí o compensado de 6,0 mm por outro de 4,0 mm, sem inconveniente visíveis, pelo que o recomendo para maquetes suspensas, pois é 30% mais leve (embora mais tarde tivesse concluído que não valeu a pena).
  • Furei todas as travessas, em espaçamento regular, com broca de 7/8’’, como pode ser visto nas fotos.
  • Substituí as roldanas plásticas por outras iguais porém metálicas (foto abaixo).
  • Substituí o sistema de suspensão direta por outro com cadernal, adicionando quatro roldanas para fixar nos ganchos do tablado; e, finalmente,
  • Usei cabos de nylon seda trançados, médios (3,0 mm), do tipo usado em persianas e secadores. Eles são mais visíveis, encardem um pouco, porém são resistentes, não esticam, não prendem, e dão boa pega.
Roldana Biehl para suspender a maquete de ferreomodelismo
Roldana Biehl para suspender a maquete de ferreomodelismo

Fixei as roldanas na laje com buchas de 6,0 mm marca Fischer. Não confundir com outras buchas, de cor cinza claro e plástico ordinário, que considero perigosas, pois o plástico envelhece, resseca, racha e as buchas se “desmancham”.

Após todas estas alterações, o tablado e a suspensão estavam aprovados, e era hora de colocar os trilhos, para ver rodar os trens que já havia comprado.

Preparei um compasso de cintel com um tubo de alumínio, dois blocos de madeira e pontas de compasso. Funcionou bem. Preparei gabarito de papel cartão para cortar os setores de cortiça para o leito, com o cuidado de não coincidir as emendas dos trilhos com as da cortiça. Antes, porém, tracei a linha, em escala, com a largura máxima do leito. Recortei e espalhei os gabaritos sobre um desenho da folha de cortiça, na mesma escala, de modo a estudar melhor o aproveitamento da folha. Traçado o contorno dos segmentos com caneta, foi só cortar e biselar com fala Olfa e colar no tablado com pintos de cola de madeira espaçados, seguindo a linha de centro.

Todos os trilhos e dormentes foram pre-pintados de marrom e os dormentes de cinza sujo, em um trabalho que exige bastante paciência.

Soldados os cabinhos às talas, os trilhos foram fixados e emendados conforme recomendação do Informativo Frateschi, usando pregos que chegassem ao compensado.

No que considero uma grande melhoria, dividi o traçado em cinco blocos com energização independente (ver foto do painel), ao invés dos dois recomendados no Informativo n° 30. Com isso, acho que fiquei com muito mais facilidade de manobras, podendo parar e engatar locomotivas e trens em vários locais e ter dois trens funcionando alternadamente.

Construí também o painel da foto, com colagens e plastificação e instalei a fiação da maneira mais racional possível, presa com suportes de acrílico aparafusados. O sistema elétrico, soldado sempre que possível, funciona perfeitamente. Como não pretendo manter o controlador fixo à maquete (subindo e descendo) e nem seria possível ficar ligando e desligando os cabinhos, instalei um plugue DIN no Controlador CT-5200 e outro do lado do painel (foto), ligando ambos por um cabo de uma malha e três pernas com um plugue em cada ponta, sobrando ainda um pino sem uso nos plugues. Tal sistema também não falha, e me pareceu uma boa solução, permitindo inclusive levar o controlador para qualquer ponto da maquete, para testes etc.

Finalmente, coloquei dois flanges de PVC (Tigre 3/4’’) sob o tablado para colocar dois pés de tubo e apoiar o lado oposto no encosto de uma bicama, tendo o sistema funcionado conforme a foto.

Daqui para a frente tentarei cuidar da decoração e envelhecimento do material.

Baseado na experiência adquirida, aconselharia ao amigo leitor:

  • Encomendar madeiras de boa qualidade, secas e sem empenos
  • Diminuir os reforços, sem perda da rigidez, talvez com maior quantidade
  • Usar apenas trilhos de nickel-silver (não havia quando comecei)
  • Aumentar ainda mais um pouco o comprimento da maquete
  • Esconder sob o tablado as chaves dos AMVs (bobinas dos “desvios”)
  • Evitar grades pequenas e usar trilhos flexíveis, principalmente tendo experiência no seu assentamento
  • Eventualmente retirar os comandos do controlador e incluí-los no painel da maquete

Espero que esta descrição apresente algum interesse para vocês e acredito que talvez seja de utilidade para outros ferreomodelistas que aindanão passaram por todos estes problemas.

   
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

Acompanhe no FB

Maquete abaixada, apoiada sobre um sofá e duas pernas móveis
Maquete abaixada, apoiada sobre um sofá e duas pernas móveis
Maquete suspensa no teto
Planejando o cenário | Fazendo o relevo | Decoração do relevo
Lastro de pedra | Lastro de areia | Passagem de nível | Dormentes à beira da linha
Compasso de cintel | Painel de controle e conexões | O projeto da Frateschi
Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia
Pelas lentes do Eliezer
Um passeio na Mata Atlântica | A SR2 RFFSA em Angra dos Reis | A chegada das “Namibianas”
Uma viagem no Trem das Montanhas Capixabas | O álbum do dr. Ivancko | Maquete suspensa no teto

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade