Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

   

Maquetes de ferreomodelismo
Que tal uma ferrovia?

Dicas de projeto e desenho da maquete
Como traçar o centro dos trilhos na maquete | Compasso de cintel | Quebrando a cabeça no projeto
Ponha uma ferrovia em sua maquete | Dicas de geometria em maquetes | Projeto total de maquete: 7 dicas importantes
A antiga geometria Frateschi

 
Eduardo Coelho – Centro-Oeste n° 76 – 1°-Mar-1993

Muitos de nós, ferreomodelistas, passam de simples admiradores de trenzinhos de brinquedo, a colecionadores sérios de material em escala, geralmente sonhando com a construção de uma maquete onde possam exibir toda sua coleção.

Alguns mais afortunados, eventualmente constroem suas maquetes, muitas vezes baseadas no melhor arranjo possível de tudo aquilo que já têm ou gostariam de ter — especialmente quanto a cenário e estruturas.

A linha... deve ficar espremida da melhor forma possível, entre miríades de estações, pontes, cabines, depósitos etc., muitas vezes sem um sentido comum — exceto serem modelos de uma ferrovia (?) em escala.

Por mais bem feita que tenha sido, esse tipo de maquete está longe de ter o jeito de uma ferrovia. O resultado é irreal e, com o tempo, tende a não agradar sequer ao seu criador. Isto é normal, especialmente quando o ferreomodelista aprofunda seus conhecimentos, adquirindo um contato mais profundo com o universo ferroviário.

Vale lembrar que esta não é a regra, e existem muitos colegas muito satisfeitos com as maquetes que construíram — na medida em que servem perfeitamente à curtição do hobby de cada um. Não é o caso de criticar os colegas que por ventura tenham uma visão do ferreomodelismo diferente da minha, ou da sua.

Uma idéia

Ponha uma ferrovia na sua maquete.

Se esta idéia lhe parece interessante, vamos examinar alguns tópicos que podem ajudá-lo a alcançar este objetivo.

A) Observe como é uma ferrovia

Esta idéia — óbvia — muitas vezes passa quase desapercebida, na medida em que, inicialmente, achamos mais importante saber o que uma ferrovia tem, do que observar como está disposto o que ela tem, e como aqueles itens se relacionam entre si.

Observando um trecho ferroviário próximo de nós — ou em livros e revistas —, não será difícil ter uma concepção mais realista, de que nem sempre é conveniente ter de tudo em nossa maquete.

A estação de uma vila pode ter apenas sua linha principal, um desvio para cruzamento, e caixas d'água em ambas extremidades. Imagine como esta vila pode estar ligada a uma cena vizinha, sem perder sua característica rural, nem interferir com as características da próxima cena.

Um morro e um túnel pode ser uma boa solução — apenas para citar um exemplo típico.

B) Espaço não é problema

Após a observação detalhada do universo ferroviário, provavelmente teremos a impressão de que é impossível condensar tanto, em tão pouco espaço.

Não se iluda — pois é isso mesmo!

Se o nosso espaço é limitado, então vale a pena desafiar nossa imaginação, para escolher qual seria o ambiente (motivo) mais adequado aos nossos interesses.

Por exemplo: — Se o forte da minha coleção são locomotivas a vapor, elas ficariam melhor numa maquete de 2,2 x 1,6 metros com um circuito oval e tudo que tem direito... — ou num diorama com a mesma área, tendo apenas uma rotunda (oficina), um girador (incrível, dá para colocar todas as locomotivas!) e uma carvoeira mecânica?

Dioramas são uma grande solução para a falta de espaço. Sua primeira característica é ter apenas 1 cena (ou motivo) que atraia a atenção do espectador, em determinada posição.

Com imaginação, até mesmo um circuito oval pode ser incluído num diorama. Imagine uma linha — dupla ou singela — sobre uma tábua de 2,2 x 1,6 metros. Para manter o objetivo de uma só cena em cada ponto de vista, vamos colocar uma parede (outra tábua) dividindo a parte da frente da parte de trás, de modo que as linhas desaparecem em túneis, nas 2 extremidades (Fig. 1).

Como separar os trilhos da maquete em dois ambientes

Sobre esta parede, podemos reproduzir uma vila do interior, com pequenas casas — cuidado para não ficar parecendo um mini-Rio de Janeiro —, com acesso à estação por meio de ladeiras ou escadarias. Como a vila está num plano superior, não podemos ver os trilhos do outro lado da parede, qualquer que seja nossa posição, reforçando o realismo da cena (Fig. 2).

Ter apenas uma cena como motivo básico em cada posição, também é muito importante em maquetes grandes. Não adianta ter muito espaço, e acabar misturando dezenas de metros de linha, como um prato de spaghetti — além de reforçar a congestão visual com dezenas de estruturas sem um propósito efetivo.

Maquetes menores abrem, mesmo, a possibilidade de serem operadas como ferrovias de verdade.

Uma montanha para separar os trilhso da maquete em dois ambientes

Uma dica fundamental, em qualquer tamanho de maquete, é que a linha singela (única) parece sempre maior do que uma linha dupla ou tripla.

Outro detalhe importante é o gabarito de pontes e — especialmente — túneis. Quando estamos começando, nossa tendência é fazer dos túneis verdadeiras cavernas, capazes de abrigar até o dragão da inflação.

O portal de túnel não é feito para pôr a mãozinha — para emergências, faça um acesso removível (pedaço móvel da montanha).

Túneis devem ter apenas o tamanho suficiente para as locos e vagões mais altos e mais largos.

Repare como portais de túnel de tamanho realista melhoram sensivelmente o aspecto visual da maquete. Pessoalmente, prefiro fazer 2 túneis (portais) lado a lado, para vias duplas, pois acho mais convincente do que um portal maior.

C) O mito do real

Ao contrário do que muitas vezes pensamos, o realismo de uma mini-ferrovia não tem que passar, necessariamente, pela reprodução fiel da ferrovia-protótipo, ou da região-protótipo.

O fundamental é parecer real — ou seja, dar ao observador a idéia de que todas as cenas (motivos) e equipamentos podem ser reais, por existir uma coerência estética e funcional entre eles.

A fidelidade a protótipos existentes pode ser fascinante, para ferreomodelistas experientes — mas não deve servir de bloqueio à atividade criativa da maioria de nós.

É claro que, se já temos algum conhecimento de como é uma ferrovia-protótipo, não será difícil combinar modelos existentes, em cenas que pareçam reais.

Um desafio

Crie sua própria ferrovia.

Já que podemos recriar uma realidade para nossa ferrovia em escala (parecer real), por quê não soltar a imaginação e criar uma identidade inexistente, para ela?

Com um pouco de imaginação, veremos que não é difícil ambientar uma ferrovia em qualquer lugar — daqui ou do exterior —, tendo por base aquilo que mais nos interessa dentro do hobby.

A grande vantagem dessa idéia é que, uma vez criada a identidade da nossa mini-ferrovia, podemos tentar combinar quase tudo, dentro da coerência estética e funcional.

Podemos dizer que é uma mini-ferrovia de criação livre.

Dentro desse conceito, podemos — por exemplo — criar ramais inexistentes, de nossas ferrovias-protótipo preferidas, inclusive conexões de diferentes ferrovias-protótipo. Inclusive, misturando um pouco de equipamentos fiéis à realidade, para dar o clima. Ou ainda, criar toda uma realidade inexistente.

De um modo geral, as características mais importantes para criarmos nossa própria ferrovia imaginária, são:

1) Época + Motivos + Traçado = Identidade

Procure ter uma idéia global de toda sua ferrovia imaginária — mesmo sabendo que, obviamente, só uma minúscula parte dela poderá ser representada em sua maquete.

Defina quais os principais produtos da região — ou, inversamente, escolha uma região compatível com os produtos transportados por seus vagões preferidos. Por exemplo: — Minério, carvão, adubo, fertilizantes, cereais, carga geral, gado, carne, madeira...

Verifique, também, se o cenário escolhido é compatível com a localização geográfica — ou vice-versa. Lembre que ficará estranho, se sua Union Pacific passar dentro de uma... floresta equatorial.

Procure um traçado simples, dentro de suas limitações de espaço, inserindo-o num contexto compatível com as situações locais imaginadas.

A época de sua mini-ferrovia é fundamental para compor sua identidade. É ela que situa todo o contexto dentro do tempo, sendo elemento fundamental para a escolha dos equipamentos — ou, inversamente, sua escolha dos equipamentos amarra determinada época.

Sabendo escolher determinados motivos e/ou equipamentos, é possível uma flexibilidade temporal de, pelo menos, uns 30 anos — especialmente no Brasil...

Mais uma vez, porém, imagine seu próprio espanto ao ver um exagero flagrante, como um TGV passando por dentro de uma vila do velho-oeste!

2) Equipamentos

O material rodante (locos, vagões) e as estruturas são, muitas vezes, o elemento principal, desde a fase de concepção de nossa ferrovia em escala. Uma certa paixão por determinados equipamentos, geralmente, serve de base para todo um conceito e identidade — devendo, apenas, haver a preocupação de verificar a compatibilidade temporal e situacional entre eles. Ficará estranho se sua Consolidation der uma mãozinha a uma super-diesel C-40-8 para tracionar um trem de containers tipo double-stack.

No entanto, se sua maquete tem ambientação moderna, lembre-se de que poderá fazer trens especiais de turismo, com locomotivas a vapor preservadas, sem ferir o contexto da identidade.

Alguns equipamentos (protótipos) tendem a ter vida útil mais longa do que outros. Um exemplo são os guindastes de socorro a vapor — especialmente no Brasil.

Tenha especial cuidado com a compatibilidade situacional entre os equipamentos e a via permanente. Procure conhecer um pouco das ferrovias-protótipo em geral, pois há situações que — nelas — são incompatíveis. Por exemplo, um pesado trem de carvão ou minério, com tração múltipla a diesel, passando sobre uma ponte de madeira treliçada, tipo velho-oeste.

Esse tipo de ponte é funcionalmente adequada para o tráfego de trens leves. Para o tráfego de trens pesados — nas ferrovias-protótipo — , usam-se pontes e viadutos metálicos ou de concreto armado. Estes últimos são fáceis de retratar em madeira balsa, lixada e pintada com tinta PVA de parede (à base d'água) na cor de concreto.

Estruturas como estação, depósito, armazéns etc. são parte fundamental da identidade de uma ferrovia. Mesmo que sejam de estilos diferentes, é importante que sejam relativamente compatíveis.

Uma boa dica é escolher um padrão único de pintura para as estações — talvez outro diferente para prédios auxiliares, cabines etc. —, de modo a ancorar a identidade visual da ferrovia imaginada.

O envelhecimento na pintura dos modelos certamente vai ajudar bastante a realçar o clima de sua mini-ferrovia.

Dicas de projeto e desenho da maquete
Como traçar o centro dos trilhos na maquete | Compasso de cintel | Quebrando a cabeça no projeto
Ponha uma ferrovia em sua maquete | Dicas de geometria em maquetes | Projeto total de maquete: 7 dicas importantes
A antiga geometria Frateschi
Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia
Dicas de ferreomodelismo e maquete
Dicas e truques | Peças planas em Araldite | Criando material decorativo numa cidade do interior
Copiando rochas da natureza | O que é e como usar borracha de silicone | Moldes de latex
Fazendo e plantando capim | Fazendo árvores de arame ou fio elétrico
Engenhocas e utensílios para a decoração da maquete | Lojas úteis para ferreomodelistas | Mais lojas úteis
   

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade