Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Trechos de trilhos onde pode faltar eletricidade para uma locomotiva na maquete de ferreomodelismo

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

   

Maquetes de ferreomodelismo
Evite problemas nos seus AMVs


 
Centro-Oeste DC-19 (5-Out-1991)
Revisado do Centro-Oeste nº 10 (Out-1985)

Uma precaução que evitará muita dor de cabeça ao modelista é testar a continuidade elétrica dos vários trechos de trilho (perfil metálico) dos AMVs, antes de assentar a linha na mini-ferrovia.

Se uma loco percorre o AMV pela curva, ela passará pelos 4 trechos isolados A, B, C e D.

Se passa pela reta, ela percorrerá os trechos isolados E, F, G e H.

Ao sair da fábrica, o AMV deverá ter ligações cruzadas, por dentro (ou debaixo) do plástico, unindo A com B, C e D; bem como, ligando E com F, G e H.

Nos antigos AMVs Frateschi (ref. 4165 / 4965), a alimentação elétrica dos trechos ficava totalmente oculta, por dentro do plástico. Nos atuais AMVs longos, a alimentação pode ser vista debaixo dos dormentes, embora seja difícil, para a maioria dos modelistas, realizar algum reparo em caso de falha.

Problemas ocorrem, principalmente, quando se reutiliza o AMV num segundo lay-out, num terceiro etc. O uso, a variação de temperatura, a tensão causada pela fixação na maquete — muitos fatores podem vir a interromper a alimentação.

Com um teste elétrico, verifique se a corrente passa:

  • de A para B, C e D
  • de B para C e D
  • de C para D
  • de E para F, G e H
  • de F para G e H
  • de G para H

Se a continuidade falhar, em uma ou várias destas conexões, é conveniente alimentar o trecho problemático, soldando um fio à lateral externa do trilho (para não embaraçar o friso das rodas).

Em tempo: — Jamais consegui soldar um fio a um trilho, sem derreter ou deformar os dormentes. [Veja uma alternativa que não exige solda]

Nos AMVs antigos, se a falha era nas agulhas (trechos B e F), era possível abrir as presilhas, passar lixa, WD-40 etc., e tornar a instalar. Calibrando bem, ficava até melhor do que antes. Fiz muito.

Nos AMVs atuais, ainda não localizei falhas. As agulhas (B e F) são fixadas de uma forma que ainda nem tentei "abrir para ver".

No meu nível de habilidade e experiência, o teste não se destina a consertar. É principalmente para não usar AMVs com defeito. Só posso deixá-los de lado.

É bom que se diga que, no material do Gilberto (SMFB), já detectamos falhas também em AMVs estrangeiros. Não é privilégio verde-amarelo.

AMVs em seqüência

O problema também pode aparecer depois do AMV ter sido testado e instalado. Por via das dúvidas, nunca elimine as talas de ligação dos trechos D e H.

Como se vê, qualquer falha em um dos AMVs poderá deixar sem alimentação vários trechos do AMV seguinte.

No diorama que estou construindo, todas as talas de conexão dos AMVs terão fios soldados por baixo, de forma a garantir a alimentação — pelo menos — de todos os trechos A, D, E e H.

Com isso, os problemas possíveis (futuros) ficam restritos aos trechos B, C, F e G. Quanto menos trechos sujeitos a falha no futuro, melhor.

Também desaconselho qualquer esquema elétrico que implique em isolar (retirar as talas de) ambas as pontas do trecho A, ou do trecho E.

Particularmente, prefiro que cada AMV receba 6 fios de alimentação, através de todas as 6 talas de junção a que tem direito.

Isolando blocos

Quando tiver que isolar um bloco de linha próximo a um AMV, não retire a tala entre ambos. Pelo contrário, use-a com um fio soldado, para reforçar a alimentação do AMV.

A melhor opção é serrar uma ponta de 20 mm, do trilho que vem logo após o AMV. Isso transfere o isolamento do bloco para 2 cm à frente, sem diminuir o tamanho útil do bloco.

Para evitar que a ponta serrada do trilho venha a deslizar e encostar nele — eliminando o isolamento —, preencha o corte com cola de silicone, ou Durepóxi, ou um pedaço de plástico colado no local com Super Bonder.

Contra-trilhos

Ao lançar o atual AMV (ref. 4200 / 4900), a Frateschi alardeou que os contra-trilhos de metal (trilhos C e G, dobrados) iriam melhorar o contato elétrico, além de sofrerem menos desgaste do que os contra-trilhos de plástico, do antigo AMV.

 

   

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  
       
 
       
  A idéia me pareceu esquisita, na época. A lógica dizia que, se a roda encostar nesses contra-trilhos metálicos, haveria um curto-circuito... Entre uma coisa e outra, jamais examinei isso, até começarem a ocorrer os problemas da Consolidation.    
       
 

Observei que:

1 — Nos meus exemplares (AMVs), não há falha na alimentação de um trilho para outro. Também constatei que a alimentação das agulhas (B e F) não depende delas estarem encostadas nos trechos A e E.

2 — Se a roda da loco (ou qualquer roda metálica) encostar num contra-trilho do novo AMV, pode ocorrer curto-circuito.

Certamente, é por isso que os contra-trilhos metálicos do atual AMV são tão curtos. Se se prolongassem mais (como no antigo AMV), o curto-circuito seria epidêmico.

A solução da Frateschi foi limitá-los ao pequeno trecho onde a roda não se apoia sobre um trilho metálico (cuja polaridade seria oposta), mas sobre o coração (ou diamante) de plástico.

Como qualquer um pode deduzir, restam questões e mais questões, a perder de vista.

Resta muita coisa a observar, quanto a esse contra-trilho metálico do AMV 4200 / 4900 — especialmente agora, que a Consolidation surge com várias soluções técnicas diferentes das utilizadas nas 8 x 8, apresentando tantas falhas nos exemplares observados e relatados.

Sem as linhas assentadas no diorama, confesso-me impossibilitado de fazer metade das experiências e observações que me ocorrem.

Por exemplo, minha U-20C passa sem encostar a parte de trás das rodas, nos contra-trilhos metálicos.

  

Isolando o curto-circuito

Carlos Pereira — CO-62 — 30-Dez-1991

AMV — Peço que transmita ao companheiro Alexandre Santurian uma sugestão para eliminar o faiscamento da Consolidation n° 557, que ainda não tenho (o momento é de crise, espero que Papai Noel se lembre de mim).

Tive o mesmo problema com minhas 4 x 4, quando instalei os novos AMVs ref 4200 / 4900. As rodas dessas antigas locos eram mais largas que as das modernas 8 x 8 e 12 x 12. Tive que desbastá-las externamente, o que eliminou o problema.

Ponto dos trilhos onde pode ocorrer curto-circuito durante a passagem de um ferreomodelo de locomotiva

Hoje, porém, faria o seguinte: com ajuda do Super-Bonder, isolaria 2 pequenos pontos do AMV. Tudo indica estar ocorrendo curto-circuito nesta passagem e, como a área a ser isolada é pequena, não atrapalhará a alimentação.

Se a sugestão for tentada e der certo, peço que o companheiro informe o Centro-Oeste, para conhecimento dos demais.

       
 

Já com truques e redutores avulsos, as rodas encostam perfeitamente no contra-trilho metálico.

Mais: — Há um momento em que uma roda "cai no vazio", em frente à ponta do diamante. Neste momento, não só pode haver resistência mecânica, como também é certo que haverá curto circuito. — Observação, vejam bem, com truques e rodeiros avulsos.

8 x 8 e Consolidation

No caso das locos 8 x 8 (tração e contato elétrico em 8 ou 12 rodas), uma falha nos trechos B, C, F e G não chega a causar problemas freqüentes. Eles aconteciam quando as locos eram do tipo 4 x 4 — tração em 4 rodas, e contato somente nas outras 4.

Aliás, era um problema do tempo em que ainda não havia sido lançada a U-20C. Daí, esse hábito de falar "4 x 4", "8 x 8" etc., pois só havia a G-12 e a G-22U.

O AMV Frateschi ainda era o antigo 4165 — com reta de 165 mm, curva de raio = 482,6 mm (19 polegadas) e ângulo de 20 graus.

Com o lançamento da motorização 8 x 8, os problemas de falha sobre os AMVs diminuíram bastante. A captação de corrente abrange um trecho de quase 13 cm. Sempre há pelo menos uma roda de cada lado, recebendo corrente.

Lançou-se o novo AMV — reta de 220 mm, raio = 850 mm, 15 graus — e não se falou em falta de contato.

O lançamento da Consolidation, com motorização concentrada no tênder — bem mais curto que uma G-12 —, fez ressurgir o problema de falta de alimentação em trechos dos AMVs, como no tempo das 4 x 4.

As rodas todas do tênder cabem num trecho sujeito a falta de alimentação — B + C, ou F + G.

As 8 x 8 apenas passaram por cima do problema — que não foi corrigido, ao ser lançado o novo AMV (FRC).

 

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

Aparelho de Mudança de Via - AMV - "desvio"
Evite problemas no AMV | Alimentação de trilhos no AMV | As ligações do AMV
Vagão limpa-trilhos | AMVs e material rodante | Protetor de "desvios" da AMF (1986)
Esconda as bobinas dos AMVs | Os primeiros "desvios" Frateschi
AMV em Triângulo (PB) | AMVs em Brasília | AMV-UIC do Metrô-DF
Cobrasma | Jaraguá | Premesa
Geometria dos trilhos
Raios de curva e material rodante | AMVs e material rodante | Afastamento adicional em curvas
Rodas RP-25 | Trilhos Code 100 | Gabarito Mark III | Gabaritos EBCB e VFRGS
Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia
Dicas de ferreomodelismo e maquete
Dicas e truques | Peças planas em Araldite | Criando material decorativo numa cidade do interior
Copiando rochas da natureza | O que é e como usar borracha de silicone | Moldes de latex
Fazendo e plantando capim | Fazendo árvores de arame ou fio elétrico
Engenhocas e utensílios para a decoração da maquete | Lojas úteis para ferreomodelistas | Mais lojas úteis

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade