Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  
   

Guindastes ferroviários no Brasil: protótipos & modelos
II - Componentes básicos


 
“Guindastes ferroviários no Brasil”
Eduardo J. J. Coelho
SPMT / Centro-Oeste, 1994

De forma bastante simplificada, um guindaste ferroviário pode ser dividido nos principais subconjuntos:

Um estrado é colocado sobre truques, tal como um vagão, sendo montada sobre ele uma plataforma giratória.

Esta plataforma contém uma cabine com o mecanismo de força do guindaste, seus controles, e a lança basculante, em cuja extremidade ficam as roldanas dos guinchos.

Na maioria dos guindastes manuais do século XIX, a cabine não existia, ficando todo mecanismo e os operadores sujeitos às intempéries do clima.

Nos guindastes mais antigos, entre a plataforma giratória e o estrado era montada uma enorme roda dentada de ferro fundido, de maneira a permitir a rotação da plataforma.

Guindastes mais modernos utilizam um sistema de trilhos e roletes muito mais eficiente e de fácil manutenção.

A quebra de dentes da roda de ferro fundido tem sido uma das principais causas de baixa dos guindastes a vapor, tendo em vista a quase impossibilidade de se fundir uma sobressalente nos dias de hoje, ou a pouca confiabilidade da solda desses dentes.

Os estrados dos guindastes de socorro quase sempre possuem patolas, denominação usual das vigas de estabilidade que permitem ao guindaste exercer sua força máxima independente da posição da plataforma.

As patolas são vigas de aço escamoteáveis que se apoiam externamente numa pilha de madeira ou dormentes montados pelo pessoal do socorro.

Na Europa é comum o uso de patolas pivotadas nas extremidades do estrado, sendo equipadas com macacos hidráulicos ou pneumáticos.

Também é comum em guindastes europeus o uso de truques de alívio e contrapesos removíveis, visando diminuir o peso do guindaste para transporte. Os truques de alívio são truques extras engatados em ambas as extremidades do estrado, através de um mecanismo que permite a distribuição do peso entre ambos (guindaste / truques).

Os contrapesos removíveis servem como lastro para contrabalançar os esforços sobre a plataforma, mantendo-a equilibrada sobre o estrado, só sendo instalados quando e na quantidade necessária.

Outra característica marcante para vários tipos de guindaste é o uso de lanças integrais ou treliçadas. As lanças treliçadas são muito comuns na Europa, permitindo comprimentos maiores sem aumento significativo de peso.

   

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

Acompanhe no FB


Capítulos / Chapters
       
Tabelas / Tables
Publicações da história do ferreomodelismo brasileiro
Manual Atma CA | Manual Atma CC | Sport Modelismo | EFOM | Informativo Frateschi | Apontamentos
Ferrovias para você construir | Estatutos da SBF | Catálogos Frateschi | Esporte Modelismo | Centro-Oeste
Catálogo Miniaturas Artesanais | Catálogo Model / Hobbylândia | Catálogo History | Ferrovia | Revista Ferroviária
Revista Brasileira de Ferreomodelismo | Informativo AFRJ | Escala Dupla | Escala UMM | Composição
Dormente de Ferro | Taipin | Dormente de Ferro | Trem de Ferro | SD40-2 | Jornal do Ferreomodelista
Guindastes ferroviários no Brasil | ABC do Ferreomodelismo | Como divulgar o hobby?
Publicações marcam períodos de expansão | Centro-Oeste inaugura sua tipografia eletrônica | Publicações listadas até 1991
RFFSA - Rede Ferroviária Federal
Ferrovias formadoras | Ferrovias, Divisões, Regionais
As "fases" em mapas
1965 | 1974 | 1984 | 1991 | Tração 1956-1959
Pinturas seguiram as mudanças | As "fases" das EE | A última pintura
Numeração Sigo das locomotivas | Codificação dos vagões RFFSA
Locomotivas: desenhos, especificações, numeração
ALL (2002) | SR-6 | SR-5 | SR-2 | SR-3 | RFFSA | Fepasa | Elétricas CPEF
GE-Brasil | GM | Alco | Codificação brasileira | As novas...

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade