Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  
   

Guindastes ferroviários no Brasil: protótipos & modelos
I - Introdução


 
“Guindastes ferroviários no Brasil”
Eduardo J. J. Coelho
SPMT / Centro-Oeste, 1994

O guindaste é indiscutivelmente a ferramenta mais representativa da Revolução Industrial desde o final do século XVIII. Formas primitivas deste equipamento remontam a épocas muito anteriores, geralmente dispondo de mecanismos manuais para multiplicar o esforço passível de ser feito pelo homem.

As primeiras ferrovias, no início do século XIX — especialmente na Inglaterra —, logo perceberam a grande utilidade dos guindastes para as mais variadas tarefas de carga e descarga de mercadorias.

O uso do guindaste para socorro, tal como existe hoje, curiosamente não foi logo uma necessidade, devido às poucas consequências envolvidas nos acidentes daquela época, quando se corria a 30 km/h, em veículos que nada mais eram do que carruagens montadas sobre rodas de ferro.

O rápido desenvolvimento das ferrovias trouxe também novos tipos de acidentes, com consequências muito mais graves. Na medida em que se buscavam velocidades cada vez maiores, um mero descarrilhamento podia projetar uma locomotiva muitos metros além da linha, geralmente em barrancos, rios, precipícios — ou seja, em lugares de onde seria necessário puxá-la de alguma forma, até o leito da linha por onde seria levada para reparos.

Algumas ferrovias já destacavam guindastes para estes serviços desde 1850, porém ainda de forma desorganizada. O trem de socorro propriamente dito apareceu logo depois, quando algumas ferrovias passaram a integrar todo material necessário à desobstrução da linha e remoção de destroços num único trem especial, sempre pronto para partir em qualquer emergência.

Com o guindaste ferroviário sendo a principal ferramenta do trem de socorro, sua evolução tecnológica foi rápida até o início do século XX. Sua principal característica era obviamente a capacidade de massa (peso) que podia ser levantada, tendo que necessariamente acompanhar a evolução do material rodante existente.

O mecanismo de força dos guindastes foi inicialmente manual, e posteriormente a vapor, elétrico, e diesel. Guindastes manuais parecem hoje um anacronismo, mas foram quase até o início do século XX, uma opção mais barata para muitas ferrovias. A famosa São Paulo Railway (SPR), por exemplo, adquiriu em 1901 um guindaste manual de socorro para 20 toneladas.

Guindastes a vapor foram fabricados regularmente até o final dos anos 40, quando passaram a predominar os modelos com motor diesel. Guindastes elétricos são pouco comuns pela óbvia incompatibilidade de movimento sob a rede aérea, havendo alguns exemplares para ferrovias que utilizam um terceiro trilho para coleta de energia.

   

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

Acompanhe no FB


Capítulos / Chapters
       
Tabelas / Tables
Publicações da história do ferreomodelismo brasileiro
Manual Atma CA | Manual Atma CC | Sport Modelismo | EFOM | Informativo Frateschi | Apontamentos
Ferrovias para você construir | Estatutos da SBF | Catálogos Frateschi | Esporte Modelismo | Centro-Oeste
Catálogo Miniaturas Artesanais | Catálogo Model / Hobbylândia | Catálogo History | Ferrovia | Revista Ferroviária
Revista Brasileira de Ferreomodelismo | Informativo AFRJ | Escala Dupla | Escala UMM | Composição
Dormente de Ferro | Taipin | Dormente de Ferro | Trem de Ferro | SD40-2 | Jornal do Ferreomodelista
Guindastes ferroviários no Brasil | ABC do Ferreomodelismo | Como divulgar o hobby?
Publicações marcam períodos de expansão | Centro-Oeste inaugura sua tipografia eletrônica | Publicações listadas até 1991
RFFSA - Rede Ferroviária Federal
Ferrovias formadoras | Ferrovias, Divisões, Regionais
As "fases" em mapas
1965 | 1974 | 1984 | 1991 | Tração 1956-1959
Pinturas seguiram as mudanças | As "fases" das EE | A última pintura
Numeração Sigo das locomotivas | Codificação dos vagões RFFSA
Locomotivas: desenhos, especificações, numeração
ALL (2002) | SR-6 | SR-5 | SR-2 | SR-3 | RFFSA | Fepasa | Elétricas CPEF
GE-Brasil | GM | Alco | Codificação brasileira | As novas...

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade