Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Estação ferroviária da antiga Estrada de Ferro Bananal
Estação ferroviária de Bananal, importada da Bélgica: 2 mil placas metálicas galvanizadas

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Legislação

• Estrutura da Valec - Decreto 8.134, de 28 Out. 2013

• “Open access” e atuação da Valec - Decreto 8.129, de 23 Out. 2013

• Sistema Nacional de Viação - Lei 12.379, de 6 Jan. 2011

• Aviso RFFSA - Trens turísticos - 7 Out. 1992

Moedas | Medidas
   

Estrada de Ferro Bananal
A estação ferroviária de Bananal


 
Fotos: Cláudio Larangeira
Texto: Cláudio Larangeira e FRC
Centro-Oeste DC-9-10 — 31-jan-1991

O desenvolvimento da cafeicultura no estado de São Paulo, a par com a construção de ferrovias, povoamento e surgimento de dezenas de cidades, frequentemente nos faz esquecer que a primeira "idade de ouro" do café ocorreu algumas décadas mais cedo, partindo do estado do Rio de Janeiro. Subindo a serra, encontrou terreno aparentemente propício no vale do Paraíba do Sul, de clima mais ameno que a baixada, e rapidamente foi alastrando-se em direção a São Paulo.

Foi o período mais "feudal" da cafeicultura, utilizando mão-de-obra escravizada e, em grande parte, o transporte animal. Foi a época dos "barões do café", no final da monarquia, que deixou muitas histórias de dissipação de riquezas, abusos, arrogância etc. Não que as fases posteriores não tenham tido sua dose disso tudo, mas esta primeira fase áurea parece ter deixado um folclore mais denso.

E foi um período relativamente fugaz. Filas de cafeeiros logo subiram pelas encostas dos morros do vale do Paraíba — desmatadas sem hesitação — e o sol e as chuvas se encarregaram de devastar a fertilidade do solo. O café entrou em decadência na região, à medida em que migrava para outras áreas, em Minas Gerais e São Paulo. O livro "Cidades Mortas", de Monteiro Lobato, descreve a decadência no vale do Paraíba. Os livros "Café e Ferrovias" e "As Ferrovias de São Paulo" mostram bem o que foi este movimento do café, a par com o desenvolvimento ferroviário dessas regiões.

Estrada de Ferro Bananal

A região entre Bananal (SP) e Barra Mansa (RJ) era uma das mais ricas, por volta de 1850, na primeira fase áurea do café. Para enviar café e outros produtos para a Corte (a cidade do Rio de Janeiro), o único caminho partia de Barra Mansa e as mercadorias deviam descer em lombo de burro.

Em 1870, os fazendeiros da região decidiram construir uma ferrovia entre Bananal e Barra Mansa, "puxada por animais ou locomotivas", segundo o requerimento mandado a São Paulo. O primeiro nome dado à ferrovia era Estrada de Ferro Ramal Bananalense, ainda na fase de projeto.

A primeira composição rodou em 1883, com a locomotiva Boa Vista puxando 2 carros lotados de pessoas de Barra Mansa a Três Barras, onde terminava o primeiro trecho construído até então. Nesta mesma época, foi comprada na Bélgica uma estação pré-fabricada, para ser montada em Bananal.

A estação era toda metálica — inclusive o telhado —, feita de chapas galvanizadas almofadadas, e seu assoalho era de autêntico pinho de Riga. Era composta de aproximadamente 2 mil placas ajustadas por parafusos e media cerca de 400 m2

Em 1918, a União encampou o ramal, passando-o para a Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM). Em 1931, o ramal foi repassado à Estrada de Ferro Central do Brasil (EFCB), onde permaneceu incorporado até a desativação do trecho, em 1964.

A estação permaneceu abandonada durante bastante tempo. Foi tombada pelo Condephaat em 1969 mas, até 1974, nada foi feito. Então, começou a mobilização dos moradores e fazendeiros de Bananal, para preservá-la. Uns queriam transformá-la em escola, outros em estação rodoviária, e outros em biblioteca.

Em 1983, a estação de Bananal foi declarada de utilidade pública pelo prefeito, que pediu uma vistoria do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT, SP), com vistas à restauração. Os técnicos concluíram que o metal usado pelos belgas era de ótima qualidade pois — apesar do abandono — quase 100 anos após a construção, poucas chapas teriam de ser substituídas.

As cores ocre e vinho, bem como o estilo da construção, tornam a estação de Bananal uma raridade no gênero, em todo o mundo.

Moedas da Estrada de Ferro Bananal

Cronologia e dados

Segundo Nascimento Brito, em "Meio século de estradas de Ferro", a primeira concessão foi dada a dois engenheiros em 1871 e perdeu valor por nada ter sido feito. Em 1880, José Leite de Figueiredo obteve outra concessão e organizou a Cia. Ramal Bananalense, autorizada a funcionar em 1882. Partindo da estação de Saudade, na Estrada de Ferro D. Pedro II (Estrada de Ferro Central do Brasil), a empresa inaugurou os primeiros 12 km em 1883, até Rialto. Ao todo, atingiu 28,5 km, na bitola de 1,0 m, raio mínimo de 100 m e declive até 2,5%.

O levantamento de 1906, do Centro Industrial do Brasil, indica que a obra começou em 1882 e a linha foi aberta ao tráfego em 1889, com 28 km, raio mínimo de 96 m e declive máximo de 3%. No ano do levantamento já era uma ferrovia decadente, com receita de 27:683$300 réis (27,7 contos de réis) e despesa de custeio de 54,7 contos (milhões) de réis. Encerrou 1906, portanto, com déficit de cerca de 27 contos de réis. Os produtos de exportação da região atravessada, em 1906, eram o café, milho, queijos, aves e aguardente.

Um quadro triste, para uma região cuja ferrovia — e até os fazendeiros — chegaram a cunhar suas próprias moedas, para complementar o meio circulante e facilitar os negócios.

Verso das moedas da Estrada de Ferro Bananal

Sobre o autor

Cláudio Larangeira trabalhou mais de 20 anos em Quatro Rodas, depois de ter iniciado na revista Autoesporte. Tem a aventura nas veias e é um dos jornalistas mais "rodados" do Brasil. Sua especialidade, além de carros, são as viagens, de preferência com muita lama ou poeira.

   

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Bibliografia
braziliana

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Memórias do desenvolvimento - 19 Out. 2014

Preexistências de Brasília - 13 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

Francesco Tosi Colombina - 3 Out. 2014

Estrada Colonial no Planalto Central - 27 Set. 2014

A ilha do dia anterior - 18 Set. 2014

Chegou o governador - 12 Set. 2014

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

  

Ferreosfera

  

Byteria

Acompanhe no FB

Cúpula da estação ferroviária de Bananal
Estrada de Ferro Bananal
Estações | Trilhos | Carcterísticas
Mapa do Ramal de São Paulo - EFCB - 1927
Rio de Janeiro - Barra do Piraí | Barra do Piraí - Guaratinguetá
Barra Mansa - Taubaté | Queluz - Mogi das Cruzes | Taubaté - São Paulo
EFCB e ferrovias convergentes | Linhas e estações da EFCB
Pátios e estações ferroviárias
Bauru | Porto Novo | Brasília | Ribeirão Preto | Uvaranas | Angra dos Reis | Calçada
Bananal | Ituanas | Contestado | Porto Velho | Alagoinhas | Queimadas | Aramari
Pau Lavrado | Fortaleza | Sobral | Sarzedo | Pires do Rio | São Carlos | Santa Maria
Lucélia | Inúbia Paulista | Adamantina | Osvaldo Cruz | São José dos Campos
Cachoeiro de Itapemirim | Triângulo | Itabaiana | Teresina | Rio Grande

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade