Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Contextos

Esta matéria, publicada em 1993 na seção de notícias do mercado e cartas sobre produtos de ferreomodelismo, explica o contexto em que foi escrito o artigo Como era o vagão Frima, além de abrir uma janela para o contexto vivido pelos artesãos e microprodutores da área do ferreomodelismo, no Brasil, naquela época.

Isotérmicos Frateschi

Madeira

• 2003 - Anglo
• 2007 - RFFSA EFSJ
• 2010 - Bordon
• 2003a - Frigorífico Wilson
• 2003b - Armour

Metálicos

• 2004 - Frima
• 2015 - ICC RFFSA
• 2016 - ID RFFSA Central
• 2042 - ICC RFFSA
              “faixa amarela”

• 2043 - ICD Fepasa
• 2044 - ICC RFFSA Bordon

ICC no IF-29

Outros

MRZ
Pinto Family
Decais VF-1
Pioneer

Isotérmicos dos Ferreomodelistas

ICP-32 Armour
ICP-331 Armour
VH-217 T. Maia / NoB
VH-221 T. Maia / NoB
ICD Wilson Fepasa
IB Bordon RFFSA
ICC RFFSA Bordon
PG-20 Wilson Comabra
EFSJ

Isotérmicos nas ferrovias

Frigorífico Continental
Frigorífico Anhanguera
Metálicos Cobrasma
Frigorífico Mouran
Frigorífico Matarazzo PR
Frigorífico Matogrossense
Cocecal Tupanciretã

Frigoríficos no Brasil

1911-1930
1931-1960
Década 1960
Década 1970

Plantas de Isotérmicos

IB/IC RFFSA NoB
IC RFFSA NoB
IC Serrana Tupanciretã
IC-1400-1401 RFFSA / EFSJ
IC-1410 RFFSA / EFSJ
ICC RFFSA SR6 Porto Alegre
ICD Fepasa
ICR-359600-359622 e ICR-359764-359770 Fepasa
ICR-359700-359749 Fepasa
ICR-359750-359763 Fepasa
ID-RFFSA / EFSJ Metrop. Cammell
ID RFFSA Central Middletown
ID-1551 RFFSA Central
ID-1591-1637 RFFSA Central

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

   

Para uma história do ferreomodelismo no Brasil
Em busca do vagão Frima ref. 2004


 
Flavio R. Cavalcanti
Centro-Oeste nº 80 — 1º Jul. 1993

Desejo obter todas as informações possíveis, passo a passo, de como transformar um vagão ref. 2008 da Frateschi no modelo ref. 2004, Frigorífico Mato Grosso. Li a reportagem sobre o Frima no DC-20, mas ela não esclarecia alguns pontos. Como é o único vagão Frateschi que me falta, tornou-se uma questão de vida ou morte, tê-lo também em minha coleção (João Antônio Winckler, São Leopoldo, RS).

Vagão Frima ref. 2004
Como era o vagão Frima | Em busca do vagão Frima

De fato, a matéria no DC-20 (91/Out) foi mais descritiva do modelo — e especialmente do logotipo com o mapa do Brasil —, do que propriamente um roteiro passo a passo.

Naquele momento, produzir o logotipo era a grande dificuldade que se apresentava a quem pretendesse fazer um modelo semelhante ao que a Frateschi mantém fora de linha. Daí, as descrição detalhada do logotipo, diâmetro do círculo, tamanho e posição das letras etc.

Daí, também, o motivo por que a foto de capa e a ilustração interna no DC-20 focalizaram, especificamente, a extremidade do modelo onde aparece o logotipo.

A situação mudou radicalmente, apenas 2 meses mais tarde, quando a Decais LAF lançou sua folha VF-1 (vagões frigoríficos).

Verifique no CO-63, de 92/Fev, a notícia à pág. 6: — Lá estão alguns dos logotipos e inscrições fornecidos pela folha VF-1 — inclusive do Frima —; e mais embaixo, a tabela dos protótipos, série, n°, peso, tara, lotação; e o modelo comercial a ser utilizado.

Abrindo a embalagem da folha VF-1, encontramos na página de instruções esta mesma tabela — além da ilustração de cada um dos 11 vagões frigoríficos que a folha de decais permite produzir. É tão prático, que dispensa palavras.

No caso que nos interessa, tudo que você precisa fazer é adquirir um modelo ref. 2008 Frateschi — montado ou em kit para montar — e eliminar as inscrições de fábrica.

Velhos exemplares tinham inscrições em decais, que podem ser retirados com álcool. Exemplares menos antigos, têm inscrições pintadas; um banho em fluido de freio permitirá retirá-los, com ajuda de uma escova de dentes.

A cor básica do modelo (cinza) é injetada no próprio plástico, não sendo afetada nos dois casos.

A seguir lave o modelo (sem os truques) em água e sabão. Evite pegá-lo com as mãos, para evitar manchas de gordura. Aplique os decais. Finalmente, proteja-os com verniz fosco — que pode ser adquirido em spray — da Acrilex, Letraset etc.

Perspectivas

Infelizmente, a Decais LAF teve que suspender o lançamento de novas folhas, bem como a reedição das folhas já lançadas, devido ao alto custo inicial (à vista) e o lento retorno.

Meros 250 exemplares levam meses para ser adquiridos pelas lojas e, a seguir, pelos ferreomodelistas (ver CO-77/26).

Atualmente, os LAF estão buscando alternativas. Uma delas, seria 1/2 dúzia de lojas encomendarem um lote mínimo total de 180 folhas LAF — 30 folhas ou US$ 30 por loja —, viabilizando assim pelo menos a reedição dos decais já lançados.

Ninguém falou ainda — é uma ideia óbvia — na possibilidade destas lojas reunirem pelo menos 90 encomendas pagas antecipadamente.

Acredito que os tradicionais revendedores LAF — Lupatelli, Rio Grande, Train Shop, MR Custom Service, Strambi & Frenhi, Arte & Modelismo, e o próprio Luiz Carlos Bellotto —, têm suficiente credibilidade junto a grande número de ferreomodelistas, para viabilizar os relançamentos deste modo.

Um obstáculo pode ser o DDD: — Seis telefonemas podem engolir o lucro simbólico dos LAF: US$ 70. O mercado precisa de relações que não exijam US$ 10 de DDD para vender e receber US$ 30.

Parece-me que a Hobby Mania e o Frederico também pretendiam revender Decais LAF. Não estou certo de que ainda tenham chegado a encontrar o produto para comprar.

O impasse parece tão fácil de ser rompido — salvo algum complicador que eu ignore —, que minha recomendação é de não se precipitar.

Entre em contato com estas lojas. Talvez alguma tenha uma folha no estoque. Ou, talvez, já possam dar alguma posição concreta de solução em andamento (FRC).

Vagão Frima ref. 2004
Como era o vagão Frima | Em busca do vagão Frima
   

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Vagões isotérmicos
Ferreomodelismo
ICP-32 Armour | ICP-331 Armour | NoB VH-217 T. Maia | ICD Wilson Fepasa | IB Bordon / Noroeste RFFSA | ICC RFFSA Bordon | PG-20 Wilson Comabra | EFSJ
ICC no Informativo Frateschi | Decais VF-1 em 1992 | Os isotérmicos Frateschi | Frima
Protótipos
Frigorífico Continental | Frigorífico Anhanguera | Metálicos Cobrasma | Frigorífico Mouran | Frigorífico Matarazzo PR | Frigorífico Matogrossense | Cocecal Tupanciretã
Plantas
IB/IC RFFSA NoB | IC RFFSA NoB| IC Serrana Tupanciretã | IC-1400-1401 RFFSA / EFSJ | IC-1410 RFFSA / EFSJ | ICC RFFSA SR6 Porto Alegre
ICD Fepasa | ICR-359600-359622 e ICR-359764-359770 Fepasa | ICR-359700-359749 Fepasa | ICR-359750-359763 Fepasa
ID-RFFSA / EFSJ Metrop. Cammell | ID RFFSA Central Middletown | ID-1551 RFFSA Central | ID-1591-1637 RFFSA Central
Frateschi Trens Elétricos - Histórico
1958: Brinquedos Frateschi | 1964: Postes telegráficos | 1967: Ponte metálica 165 mm | 1967: Plataforma de estação
1968: Portal de túnel e Depósito de locomotivas | 1969: Ponte metálica 330 mm, Vagão prancha e Vagão gaiola
1970: Vagão Frima | 1974: Estação moderna | 1977: A bula das locomotivas G12 | 1979: "Desvio" | Informativo Frateschi
1981: Carros Budd | 1992: Volantes de inércia | 1994: Ten-Wheeler nos EUA | Nos trilhos do mercado externo
1995: Motor Mabuchi | 2004: A locomotiva V8 / Escandalosa
Fábrica começou em fundo de quintal | A evolução é o caminho natural
Geometria dos "trilhos" Frateschi | Itens & Cronologia

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade