Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Ferreomodelo de vagão frigorífico ICC RFFSA, ref. 2015 Frateschi
Ferreomodelo de vagão frigorífico ICC RFFSA ref. 2015 Frateschi

Isotérmicos Frateschi

Madeira

• 2003 - Anglo
• 2007 - RFFSA EFSJ
• 2010 - Bordon
• 2003a - Frigorífico Wilson
• 2003b - Armour

Metálicos

• 2004 - Frima
• 2015 - ICC RFFSA
• 2016 - ID RFFSA Central
• 2042 - ICC RFFSA
              “faixa amarela”

• 2043 - ICD Fepasa
• 2044 - ICC RFFSA Bordon

ICC no IF-29

Outros

MRZ
Pinto Family
Decais VF-1
Pioneer

Isotérmicos dos Ferreomodelistas

ICP-32 Armour
ICP-331 Armour
VH-217 T. Maia / NoB
VH-221 T. Maia / NoB
ICD Wilson Fepasa
IB Bordon RFFSA
ICC RFFSA Bordon
PG-20 Wilson Comabra
EFSJ

Isotérmicos nas ferrovias

Frigorífico Continental
Frigorífico Anhanguera
Metálicos Cobrasma
Frigorífico Mouran
Frigorífico Matarazzo PR
Frigorífico Matogrossense
Cocecal Tupanciretã

Frigoríficos no Brasil

1911-1930
1931-1960
Década 1960
Década 1970

Plantas de Isotérmicos

IB/IC RFFSA NoB
IC RFFSA NoB
IC Serrana Tupanciretã
IC-1400-1401 RFFSA / EFSJ
IC-1410 RFFSA / EFSJ
ICC RFFSA SR6 Porto Alegre
ICD Fepasa
ICR-359600-359622 e ICR-359764-359770 Fepasa
ICR-359700-359749 Fepasa
ICR-359750-359763 Fepasa
ID-RFFSA / EFSJ Metrop. Cammell
ID RFFSA Central Middletown
ID-1551 RFFSA Central
ID-1591-1637 RFFSA Central

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

   

Ferreomodelos de vagões isotérmicos Frateschi
Vagão frigorífico ICC RFFSA


 
Flavio R. Cavalcanti - Fev. 2013
Fotos: Juliano Zambrota - 2013

O ferreomodelo de vagão frigorífico ICC RFFSA foi projetado para representar um universo de 95 protótipos então existentes na ferrovia, distribuídos entre a SR4 - Bauru (ex-EF Noroeste do Brasil) e a SR6 - Porto Alegre (ex-VFRGS), de acordo com o levantamento publicado no Informativo Frateschi nº 29.

Ressalvando pequenas diferenças dentro desse universo, — sistema de freios, testeiras, substituição do gelo pelo congelamento dos próprios vagões — o ferreomodelo representaria, mais exatamente, um dos vagões ICC RFFSA da SR6.

As ressalvas são importantes, pois não havia uniformidade naquele pequeno universo de 95 vagões.

Nas testeiras, por exemplo, o ferreomodelo Frateschi seguiu o padrão de 7 reforços em forma de meio torpedo, entremeados por pequenos reforços entre suas extremidades — que aparece na planta dos vagões ICC RFFSA SR6 construídos pela FNV, porém não na planta dos vagões IC RFFSA NoB, ali atribuídos à Cobrasma. Esta última planta, na verdade, é bastante confusa e vaga, uma vez que se refere a duas séries diferentes de vagões, alguns “fornecidos” pela ex-EF Noroeste do Brasil, e outros “fornecidos” pela RFFSA — como se fossem iguais.

Um desses vagões “fornecidos” pela RFFSAICC-627509-5J RFFSA Bordon — fotografado por Kelso Medici no pátio do Frigorífico Bordon em São Paulo, em 1991, apresenta na testeira exatamente o mesmo padrão de 7 reforços em forma de meio torpedo.

Por sinal, é a única foto que encontrei, dos 95 vagões retratados pelo ferreomodelo Frateschi, onde aparecem as tampas (escotilhas) dos compartimentos de gelo — e exatamente na posição adotada pela Frateschi, um pouco afastadas da extremidade dos vagões. Nas fotos dos vagões lotados no Rio Grande do Sul, desde 1972, ainda não encontrei nenhuma com as tampas dos compartimentos de gelo.

Como essas escotilhas são peças adicionadas (não fazem parte do molde, comum aos vagões FRC da Frateschi), podem ser retiradas, ou pode-se utilizar um vagão FRC para fazer ferreomodelos de vagão isotérmico sem elas.

Por outro lado, as escotilhas são quase universais — sempre sem qualquer afastamento das extremidades — nos vagões frigoríficos metálicos fotografados até a primeira metade da década de 1960. No entanto, esses vagões mais antigos apresentam testeiras com 6, com 5, ou mesmo com 4 reforços horizontais de desenho reto (seção trapezoidal). O VH-212 da NoB / Frigorífico Tião Maia apresenta testeira sem reforços horizontais externos.

Vagões frigoríficos metálicos antigos também apresentam recortes diferentes na “saia” inferior das laterais e, em alguns casos, comprimento nitidamente menor, formado por 5 (em vez de 6) chapas metálicas de cada lado das portas.

Essas variações, facilmente perceptíveis, abrem campo para o ferreomodelista fazer diversos vagões, nitidamente diferentes também nas formas, e não só na pintura, logomarcas e inscrições.

Não me espantaria nem um pouco, se descobrisse que algum microprodutor da área de ferreomodelismo já estivesse produzindo em resina, por exemplo, testeiras diferenciadas — que, afinal, também são úteis para personalizar vagões fechados convencionais (não isotérmicos).

“Scala d’Oro”

Vagão isotérmico ICC RFFSA “Scala d’Oro” no Catálogo Frateschi de 1984
Vagão isotérmico ICC RFFSA “Scala d’Oro” no Catálogo Frateschi de 1984

O lançamento do vagão fechado metálico FRC e dos vagões isotérmicos metálicos ICC RFFSA e ID RFFSA Central — produzidos em um novo molde, e diferenciados pelo acréscimo das tampas dos compartimentos de gelo — fez parte de uma sequência de investimentos pesados e lançamentos inovadores (novos moldes, mais detalhados), no início da década de 1980, em paralelo a um Informativo Frateschi (IF) bimestral recheado de artigos técnicos sobre ferrovias e maquetes, da maior importância para o desenvolvimento do ferreomodelismo brasileiro.

  • No IF-16 (Set.-Out. 1981), foi lançado o “motor H” — uma alteração na geometria das bobinas do motor 120x34 então utilizado nas locomotivas Frateschi.
  • No IF-19 (Mar.-Abr. 1982) foi lançada a grade de trílhos flexível para maquetes de ferreomodelismo.
  • No IF-21 (Jul.-Ago. 1982), foi lançado o vagão Restaurante ref. 2052, terceiro carro Budd dos trens Santa Cruz / Vera Cruz.
  • No IF-24 (Jan.-Fev. 1983), foi lançada a locomotiva G12 da EFVM com um funcionamento extremamente suave (embora sem alterações visíveis no motor ou na transmissão).
  • No IF-25 (Mar.-Abr. 1983), foi lançada a dupla de vagões gôndola curtos da EFVM — com um acabamento mais esmerado, e sistema de timoneria / tubulação dos freios injetado à parte — juntamente com um sistema de engates mais discreto (moldes dos truques e peças metálicas), reduzindo em 3 mm a distância entre os vagões acoplados. Era o início da série “Scala d’Oro”, frisando um novo padrão de qualidade dos ferreomodelos. O caixa com o novo trem da EFVM foi amplamente distribuído como brinde pela Vale no Natal seguinte, fazendo supor a possibilidade de uma grande encomenda, que hipoteticamente teria viabilizado um impulso em seus investimentos.
  • No IF-27 (Jul.-Ago. 1983), foi lançada o vagão gôndola da Cosipa.
  • No IF-29 (Nov. 1983~Fev. 1984) — com pequena quebra da regularidade bimestral, — foram lançados os vagões FRC e isotérmicos com a tarja “Scala d’Oro” indicando o novo nível de acabamento, detalhes avulsos do sistema de freios, engates mais curtos e discretos. A pequena demora do IF também foi mais do que compensada pelo aumento de 12 para 16 páginas, abrigando um levantamento minucioso das informações disponíveis sobre os protótipos desses novos ferreomodelos nas ferrovias brasileiras.
  • No IF-30 (Mar.-Abr. 1983), foi lançada a locomotiva G22U RFFSA — a segunda da Frateschi, 9 anos depois da G12.
   

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

Vagão isotérmico ICC-638999-6N da RFFSA - SR6 Porto Alegre, na época das câmeras fotográficas analógicas
Vagão isotérmico ICC-638999-6N da RFFSA - SR6 Porto Alegre, na época das câmeras fotográficas analógicas, com o complexo padrão de reforços na testeira
Vagões isotérmicos no porto de Rio Grande (RS), foto de capa da revista “Refesa”: sem escotilhas no teto, já no início da década de 1970
Vagões isotérmicos no porto de Rio Grande (RS), foto de capa da revista “Refesa”: sem escotilhas no teto, já no início da década de 1970
Vagões isotérmicos
Ferreomodelismo
ICP-32 Armour | ICP-331 Armour | NoB VH-217 T. Maia | ICD Wilson Fepasa | IB Bordon / Noroeste RFFSA | ICC RFFSA Bordon | PG-20 Wilson Comabra | EFSJ
ICC no Informativo Frateschi | Decais VF-1 em 1992 | Os isotérmicos Frateschi | Frima
Protótipos
Frigorífico Continental | Frigorífico Anhanguera | Metálicos Cobrasma | Frigorífico Mouran | Frigorífico Matarazzo PR | Frigorífico Matogrossense | Cocecal Tupanciretã
Plantas
IB/IC RFFSA NoB | IC RFFSA NoB| IC Serrana Tupanciretã | IC-1400-1401 RFFSA / EFSJ | IC-1410 RFFSA / EFSJ | ICC RFFSA SR6 Porto Alegre
ICD Fepasa | ICR-359600-359622 e ICR-359764-359770 Fepasa | ICR-359700-359749 Fepasa | ICR-359750-359763 Fepasa
ID-RFFSA / EFSJ Metrop. Cammell | ID RFFSA Central Middletown | ID-1551 RFFSA Central | ID-1591-1637 RFFSA Central
Frateschi Trens Elétricos - Histórico
1958: Brinquedos Frateschi | 1964: Postes telegráficos | 1967: Ponte metálica 165 mm | 1967: Plataforma de estação
1968: Portal de túnel e Depósito de locomotivas | 1969: Ponte metálica 330 mm, Vagão prancha e Vagão gaiola
1970: Vagão Frima | 1974: Estação moderna | 1977: A bula das locomotivas G12 | 1979: "Desvio" | Informativo Frateschi
1981: Carros Budd | 1992: Volantes de inércia | 1994: Ten-Wheeler nos EUA | Nos trilhos do mercado externo
1995: Motor Mabuchi | 2004: A locomotiva V8 / Escandalosa
Fábrica começou em fundo de quintal | A evolução é o caminho natural
Geometria dos "trilhos" Frateschi | Itens & Cronologia

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade