Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Trem do Corcovado

Horários
Passagens
Bilheteria
Como chegar

Vídeos

Passeio
Bom de Samba
Descida acelerada
Estrada das Paineiras

Estrada de Ferro
do Corcovado

1972~79: Reconstrução
  • Automotrizes
  • Projeto
  • Decisão
1970: Devolução
1954
1932
1910: Eletrificação
  • Locomotivas
  • Equipamentos
1907
1898
Locomotivas a vapor
Percurso
1883-1889
Debret

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

   

Estrada de Ferro do Corcovado
Devolução pela “Light” em 1970


 
Trem do Corcovado
—|—
Horários | Passagens | Bilheteria | Onde comprar | Como chegar

O estado da Estrada de Ferro do Corcovado — locomotivas, trilhos, cremalheiras — era o pior possível, em 7 Jan. 1970, quando terminava o prazo da concessão à “Light”.

Às vésperas da data prevista para a devolução, “os trens já se encontravam em péssimas condições, após seis décadas de funcionamento, desde 1910. Quase todos estavam parados, por falta de peças ou simplesmente porque estavam velhos demais [Semenovitch p. 62].

Quase todos” — em uma frota de quatro trens — só pode ser “três”. Ao que tudo indica, um trem era mantido em condições de funcionamento, para caracterizar serviço em atividade.

Faltando pouco para a entrega da ferrovia, seu administrador conseguiu da “Light” uma verba para colocar todas as locomotivas em condições — “para que os trens fossem entregues funcionando, mesmo que precariamente, o que foi realizado em pouco mais de 20 dias [Semenovitch p. 62].

Tão breve quanto o trabalho de “recuperação” das locomotivas sexagenárias, deve ter sido seu prazo de validade. Talvez durasse alguns dias, até 7 Jan. 1970. Mas o governo não aceitou receber a ferrovia de forma tão apressada. É possível que tenha determinado um inventário, por exemplo.

Somente em 19 Mar. 1970 foi feito o “Termo de Recebimento e Entrega do Acervo e Pessoal da Estrada de Ferro do Corcovado”, entre a “Light”, o governo e a SEIPN*.

“Nessa ocasião, em virtude de seu precário estado, velhos e gastos, os trens estavam novamente parados” [Semenovitch p. 62-63].

Só após um mês, e com muito esforço, a ferrovia voltaria a funcionar — com um único trem, de hora em hora.

“Comecei a trabalhar na Estrada de Ferro do Corcovado em 19 Abr. 1970 — contou-me um dia o coronel Everardo de Simas Kelly. — Era domingo e, depois de muito trabalho e grande luta, um dos trens estava na estação pronto para funcionar. (…) Às 10h00 subiu o trem, com os convidados, entre eles o dr. José Flavio Pécora, representando o sr. Ministro da Fazenda, dr. Antônio Delfim Netto” [Semenovitch p. 63].

“Era sucata e conseguimos fazê-la funcionar. O trabalho era artesanal, não havia linha de fabricação no Brasil, não se podia importar. Fui uma vez a São Paulo visitar várias indústrias, para ver se conseguia encontrar roldanas, carreteis e fitas para a caixa de resistência das antigas máquinas. O material fora fabricado na Suíça, mais de 60 anos antes, tornava-se necessário confeccionar aqui mesmo e não dispúnhamos das fórmulas de composição das ligas metálicas. Tivemos então de fazer análises qualitativas e quantitativas para encomendar a fabricação” [Semenovitch p. 63-64].

Naquele momento, existiam 3 paradas entre Cosme Velho e o Silvestre, para atender aos moradores de baixo poder aquisitivo, conhecidos do pessoal da ferrovia, e tradicionalmente transportados de graça. A primeira e a segunda receberam nomes de antigos moradores: Dr. Ravache e Dª Lia. A terceira foi batizada com o nome da recém falecida esposa do coronel, Nerita Kelly, pela CEIPN* e funcionários [Semenovitch p. 64-65].

Município, impasse, e antecipação para depois

Em tom bem mais “oficioso”, — quase de “press release” da antiga Light, — o livro da Memória da Eletricidade pouco acrescenta.

No Capítulo III, sob o vistoso título “Light: o fim de uma era”, fala-se de esforços para atrair visitantes e para torná-la rentável, infelizmente baldados por várias dificuldades.

O sucateamento da ferrovia e dos trens sexagenários surge como uma “constatação”, quase como descoberta imprevista, às vésperas da devolução:

“Depois de seis décadas de funcionamento contínuo, no final de 1969 ficou constatado que os trens se encontravam em péssimas condições, com quase todos os carros [sic] parados por falta de peças ou por estarem velhos demais. Apesar da comprovação do mau estado de conservação do material rodante, do material fixo e, principalmente, da rede elétrica, a Light não queria mais arcar com despesas, tendo em vista a proximidade do retorno da ferrovia à administração do governo federal” [Memória da Eletricidade p. 84].

O texto só carrega nas tintas, descrevendo uma sucata lúgubre, em tom geral de desleixo, ainda no mesmo Capítulo III, porém já sob o título “Novos tempos: conduzida pela União”:

“Depois de 86 anos de funcionamento ininterrupto [sic], do vapor à eletricidade, a Estrada de Ferro do Corcovado, em precárias condições, pela primeira vez [sic] permaneceu fechada. As quatro máquinas continuavam paradas, todo o material rodante e fixo se encontrava em avançado estado de deterioração, os funcionários da estrada não possuíam meios financeiros nem materiais para a recuperação e a rede elétrica necessitava de ajustes e consertos. Dizia-se, na época, que as máquinas podiam até subir, mas o problema seria descer, pois os freios provavelmente não funcionariam. O Hotel das Paineiras, sem nenhuma manutenção havia muito tempo, estava também totalmente esquecido” [Memória da Eletricidade p. 85].

Porém, desenha-se com alguma nitidez o impasse havido na hora da devolução da ferrovia, e a responsabilidade pela decisão de paralisá-la na data prevista:

“Terminando o prazo de concessão da estrada de ferro, em 7 de Janeiro de 1970, a Light deixou de operá-la. Não havendo interesse na manutenção do serviço por parte daquela empresa, de qualquer outra ou do governo federal, criou-se um impasse e o tráfego da ferrovia foi interrompido até que a questão pudesse ser solucionada. Dois meses depois, a Estrada de Ferro do Corcovado foi transferida para a União” [Memória da Eletricidade p. 84].

A cláusula de reversão da ferrovia do Corcovado ao município do Rio de Janeiro — comum em textos mais antigos — comparece apenas de passagem, e em outro contexto, um pouco mais adiante, onde se fala da encomenda de novos trens:

“havia neste tempo a intenção de se fazer o repasse da estrada de ferro para a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro S/A (Riotur), o que de fato nunca aconteceu” [Memória da Eletricidade p. 87-88].

Também Semenovitch, só mais adiante, a propósito de um dilema federal entre erradicar ou reconstruir a ferrovia, menciona o governo da Guanabara (ex-Distrito Federal), que naquela época talvez respondesse por antigas atribuições municipais:

“(…) o dilema de desativar e extinguir a EFC — o que foi sugerido pelo governador da Guanabara, Francisco Negrão de Lima, que se recusou a ficar com a estrada, — ou promover imediatamente sua reconstrução e modernização (…)” [Semenovitch p. 66-67].

Além dessas lacunas e imprecisões, o livro da Memória da Eletricidade acrescenta um trecho aparentemente confuso, que talvez seja indício de mais algumas lacunas:

“Apesar das concessões dos serviços de transportes públicos terminarem em 1964, somente em 7 de Janeiro de 1970 a Light fez um acordo com o governo antecipando [sic] o fim de sua concessão de bondes. Tal acordo, entretanto, não incluía a Estrada de Ferro do Corcovado, que continuou sendo operada pela empresa até a data inicialmente acordada” [sic] [Memória da Eletricidade p. 80].

Este embaralhamento de diferentes concessões e impasses — bondes, ferrovia, e a mais crucial àquela altura, a de eletricidade — leva a oceanos sem fim.

Ao Carnaval de 1954, por exemplo, quando foi lançada a marchinha “Vagalume”, de Vítor Simon e Fernando Martins, refletindo sucateamentos de longa data:

“Rio de Janeiro
Cidade que nos seduz
De dia falta água
De noite falta luz”.

E, também, “Acende a vela”, de João de Barro (Braguinha):

“Acenda a vela, Iaiá
Acende a vela
Que a Light cortou a luz
No escuro eu não vejo aquela
Carinha que me seduz.

Ó seu inglês da Light
A coisa não vai all right
Se com uísque não vai não
Bota cachaça no ribeirão”.


(*) SEIPN [Superintendência das Empresas Incorporadas ao Patrimônio Nacional, órgão do Ministério da Fazenda], depois transformada em CEIPN [Coordenadoria]. Administrava empresas estatizadas por alguma eventualidade, sem que houvesse interesse estratégico, econômico ou social, para serem geridas pelo Estado (União).


Trem do Corcovado
—|—
Horários | Passagens | Bilheteria | Onde comprar | Como chegar
Percurso | Estrada das Paineiras | Passeio | Bom de Samba | Descida acelerada
1972~79: Reconstrução | Automotrizes | Projeto | Decisão
1970 | 1954 | 1932 | Eletrificação | 1907 | 1898 | Vapor | 1883-1889
A conquista da Montanha de Deus | 100 anos da eletrificação | Debret
Passeios turísticos e Trens de passageiros
Vitória - Belo Horizonte | São Luís - Parauapebas
Trem do Corcovado | São João del Rei | Ouro Preto - Mariana
Campos do Jordão | Trem das Águas | Trem da Mantiqueira
Trem das Termas | Montanhas Capixabas | Ubajara
   

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  
  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

Acompanhe no FB


Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade