Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

• Locomotivas GMSA GT18MC e GT26MC Spoornet Tração - 7 Mar. 2014

• Antigos carros de madeira EFVM: AD - Administração | AI - Inquérito | AP - Pagador | AR - Restaurante Administração | ESF - Correio Bagagem Condutor | B - Primeira Classe | BR - Primeira Classe Buffet | BC - Primeira e Segunda Classe | C - Segunda Classe | R - Restaurante - 14 Fev. 2014

 • Estações ferroviárias da Linha do Centro - SR3 RFFSA em 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferreomodelismo

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

  

Ferreofotos

• Canhão ferroviário e vagão-peça - 26 Out. 2013

• Locomotiva RS3 da EFCB / RFFSA - 25 Out. 2013

• U22C | MX620 | G8 BB | GL8 | U5B - 22 Out. 2013

• As locomotivas MX620 - 22 Out. 2013

• O desfile da locomotiva Baronesa na Av. Rio Branco, em 1934 - 16 Out. 2013

• As locomotivas suecas da EF Rio do Ouro - 13 Out. 2013

• Locomotivas U20C “Namibianas” em operação na FCA - 23 Set. 2013

• Apresentação da última pintura Fepasa em 1995 - 18 Set. 2013

• Apresentação da locomotiva “Tentugal” em 1995 - 14 Set. 2013

• A viagem da “Baratinha” n° 502 em 1995 - 13 Set. 2013

  
  

Ferrovias

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

• Locomotivas GMSA GT18MC e GT26MC Spoornet Tração - 7 Mar. 2014

• Antigos carros de madeira EFVM: AD - Administração | AI - Inquérito | AP - Pagador | AR - Restaurante Administração | ESF - Correio Bagagem Condutor | B - Primeira Classe | BR - Primeira Classe Buffet | BC - Primeira e Segunda Classe | C - Segunda Classe | R - Restaurante - 14 Fev. 2014

 • Estações ferroviárias da Linha do Centro - SR3 RFFSA em 1982 - 12 Fev. 2014

  

Bibliografia

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Corcovado: a conquista da montanha de Deus - 16 Mar 2013

• Reconstrução da Estrada de Ferro do Corcovado - EFC - 6 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

  

Ferrovias

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

• Locomotivas GMSA GT18MC e GT26MC Spoornet Tração - 7 Mar. 2014

• Antigos carros de madeira EFVM: AD - Administração | AI - Inquérito | AP - Pagador | AR - Restaurante Administração | ESF - Correio Bagagem Condutor | B - Primeira Classe | BR - Primeira Classe Buffet | BC - Primeira e Segunda Classe | C - Segunda Classe | R - Restaurante - 14 Fev. 2014

 • Estações ferroviárias da Linha do Centro - SR3 RFFSA em 1982 - 12 Fev. 2014

   

Bitolas & Escalas no Ferreomodelismo
Bitolas e escalas no ferreomodelismo


 
Flávio R. Cavalcanti — Centro-Oeste nº 74 (1º-Jan-1993)

Bitola — É a distância entre as faces internas dos trilhos, tanto na ferrovia-protótipo, como no ferreomodelismo.

Escala — É a proporção em que os modelos são reduzidos, comparados ao tamanho de seus protótipos.

É muito comum ouvirmos falar de "bitola HO", "bitola O" — e assim por diante.

Então, "HO" é uma "escala" — ou é uma "bitola"?

  • "HO" é, antes de tudo, uma escala de redução (1:87,1).

  • "Bitola HO" é a bitola-padrão internacional (1,435 m) reduzida na escala HO (16,5 mm).

Assim, podemos manter a comunicação tão exata quanto possível, sem complicá-la demais.

Medida da bitola em relação aos trilhos da ferrovia

Sempre que usamos o nome de uma "escala", para nos referirmos a uma "bitola", fica entendido que se trata da bitola-padrão (1,435 m) reduzida naquela escala.

Na prática, porém, quase sempre a teoria foi outra. A "bitola" foi definida em primeiro lugar, com "nome" e tudo mais — e só mais tarde conseguiu-se estabelecer alguma ordem, definindo a respectiva "escala" de redução.

Diferentes "bitolas" na mesma "escala"
Protótipo Escala HO — 1:87
Bitola Denominação Bitola Teórica Denominação
0,609 m 2 pés 7 mm HOn2
0,761 m 2 1/2 pés 8,75 mm (9 mm) HOn2 1/2
0,914 m 3 pés 10,5 mm HOn3
1,000 m Métrica 11,5 mm HOm
1,067 m 3 1/2 pés 12,25 mm (12 mm) HOn3 1/2
1,435 m Padrão 16,5 HO

Então, por quê dizer que "HO é, antes de tudo, uma escala"?

1° — Porque nas ferrovias-protótipo existem bitolas fora do padrão internacional — e podemos reproduzir essas bitolas diferentes, dentro da mesma "escala HO".

As mais populares são as bitolas estreitas — narrow, em inglês. Assim, a denominação da "bitola" inclui a sigla "HO" + "n" minúsculo (de narrow) + a denominação da bitola-protótipo, geralmente em pés.

Para a bitola métrica — que não tem equivalente em pés —, usa-se um "m" minúsculo.

2° — Porque, às vezes, a "bitola" não corresponde à "escala". Por exemplo, os ingleses usam a "escala OO" — de 1:76,2 — com a "bitola HO" de 16,5 mm.

Pés & polegadas

Quase todos os países adotaram o sistema métrico decimal, há muitas décadas: 1 m = 10 dm = 100 cm = 1.000 mm; e 1 km = 1.000 m; etc.

Mas nos EUA, só recentemente o sistema métrico — e/ou frações decimais de polegada (0,1''; 0,01'' etc.) — começaram a penetrar.

Para nós, uma escala 1:100 seria o paraíso — é fácil dividir por 100, no nosso sistema. Basta mover a vírgula.

Nossas ferrovias também usam bitolas "redondas" — 1,000 m, 1,600 m.

No sistema anglo-americano de medidas, 1 milha tem 1.760 jardas; a jarda tem 3 pés; 1 pé (1' = 30,48 cm) divide-se em 12 polegadas; e a polegada (1'' = 2,54 cm) divide-se pela metade (1/2'); pela metade da metade (1/4'); e assim por diante — 1/8'; 1/16'; 1/32'...

Dividir um pé por 100, não resultava em nenhum número "simples" para a cabeça de um americano tradicional. Parece 1/8'' — mas não é.

Além disso, a bitola-padrão internacional — que para nós é 1435 mm —, para ele, é de "4 pés e 8 polegadas e meia" (4' 8'' 1/2)

Dividimos 1435 / 100 de cabeça — basta mover a vírgula. Mas, tente dividir 4' 8'' 1/2 por 100 — de cabeça.

Frações

Por essa lógica, escalas anglo-americanas práticas seriam:

a) Frações usadas na régua de polegadas tradicional: — 1/16, 1/32, 1/64; e

b) Frações com divisor múltiplo de 12: — 1/24, 1/36, 1/48, 1/60, 1/72, 1/84, 1/96, 1/108, 1/120, 1/144, 1/180 etc.

Quase todas essas frações foram tentadas — com maior ou menor sucesso —, segundo o IF-27 (1983):

  • A escala "III" foi usada como 1:20; como 1:22,66; como 1:21,77; e também como 1:24. Neste último caso, 2 pés no protótipo darão 1 polegada no modelo (1' = 1/2''). Simples.

  • A escala "Standard", expressiva nos EUA até 1938, foi usada principalmente como 1:32.

  • A escala "I", na Inglaterra, valia 1:30,48; mas nos EUA, virou 1/32.

  • A escala "O" teve valores como 1:43,54 ou 1:45,17, e até 1:50. Mas nos EUA, tornou-se corrente como 1:48, ou... 4' no protótipo = 1'' no modelo (1' = 1/4''). Simples!

  • A escala "S", na Europa, era 1:65. Mas nos EUA, American Flyer, da Gilbert, popularizou-a como 1:64.

  • Existiram nos EUA 2 escalas raras — "E" e "QO" — de 1:96. É a metade de 1/48 (1' = 1/8'').

  • A escala "TTX" foi uma tentativa de 1:108 (ou 9' = 1'').

  • Na escala "TT", de 1:120, cada 10 pés no protótipo dão 1'' no modelo.

  • A escala sueca "HOO", de 1:144, significa que 12' = 1''.

  • A escala "N" de 1:160 equivale a 1/10 do popular 1/16 da régua de polegadas. Ou, 10'' =1/16''.

  • Na escala "K" (1:180), usada somente na Europa, 15' = 1''.

Escalas e Bitolas — Informativo Frateschi n° 11 (1980)
Escala Bitola
Padrão
Bitolas
Estreitas
Observações Começou
em...
Nome Proporção
III 1:20      75 mm
Fora de produção
 
IIa 1:22      64 mm
45 mm
Fora de produção
 
II 1:28      51 mm
Fora de produção
 
I 1:32      45 mm
Usada praticamente como brinquedo (*)
 
O 1:45      32 mm
16,5 mm
Esteve em baixa e voltou recentemente
1900
S 1:64      22 mm
"S" de "Scale" (Escala) — Fora de produção
OO 1:75      19 mm
Precursor do HO — Em extinção (**)
1923
HO 1:87,1   16,5 mm
12 mm
10 mm
9 mm
"Half-O" (Metade-de-O)
1927
TT 1:120    12 mm
 
"Table Top"
(Sobre a Mesa)
1949
N 1:160    9 mm
 
N" de "Nove Milímetros
1961-1964
Z 1:220    6,5 mm
 
Z" de "Final do Alfabeto
1972
N. R.: Este quadro é simples e muito claro, mas não o leve rigorosamente ao pé da letra, pois bitolas e escalas em ferreomodelismo são tudo, exceto "simples e claras" (FRC).
(*) — A bitola de 45 mm voltou a ser bastante popular nos EUA, ultimamente, sob o nome de "Escala G". Na realidade, é uma denominação ampla e imprecisa, abrangendo 8 escalas diferentes. Ver CO-66/13 (FRC).
(**) — A escala "OO" não está em extinção, sendo ainda hoje a "escala nacional britânica", com produtores importantes, como Hornby, Peco e Airfix, além da italiana Lima e a americana Bachmann. A redução é de 1:76,2 e a bitola usada é a mesma HO de 16,5 mm — evidentemente fora de escala (FRC).

Divisão X Proporção

Observe que — enquanto nossa tendência é fazer a divisão —, para o anglo-americano era mais simples definir uma proporção: — "X pés no protótipo darão Y polegadas no modelo".

Assim foi recalculada a escala HO, nos EUA, para adaptar-se à bitola, que a Märklin alemã havia aumentado de 16 para 16,5 mm (ver CO-72/4).

Porém, não havia uma fração simples de polegada, para corresponder a 1 pé do protótipo. Podia-se chegar a algo como 35/256 de polegada, ou pior.

A solução encontrada foi atribuir uma proporção de 3,5 milímetros no modelo, para cada pé no protótipo:

3,5 mm / 1' (304,8 mm) = 1:87,1

Essa mistura de dois sistemas — anglo-americano e métrico decimal — acabou tornando-se a escala dominante no mundo inteiro, exceto Inglaterra (OO) e Japão (N).

Na Inglaterra, a escala "OO" terminou sendo definida na proporção de 4 milímetros no modelo para cada pé no protótipo:

4 mm / 1 pé (304,8 mm) = 1:76,2

Como se vê, as escalas no ferreomodelismo — "HO" em especial — derivam muito mais de fatos consumados (frequentemente por vias tortas), do que de algum plano racional.

O resultado foi essa proporção incrível, de "1:87", que para nós é chata de calcular, até mesmo no papel. Felizmente, hoje qualquer um pode ter uma calculadora no bolso.

Sobrevivência

Podia-se esperar que a escala "TT" fizesse mais sucesso — é prático transformar 10 pés em 1 polegada. E, como notava Jô (CO-72/4), é muito mais adequada para mesa, do que o "HO".

Suponho que a escala "TT" chegou tarde, como diz o artigo do Jô — embora não tanto como na tabela do IF-11, provavelmente baseada em fontes européias, onde "TT" chegou depois.

Existe uma relação custo / benefício, na hora de milhares de modelistas decidirem se trocam ou não de escala.

É necessário que haja uma diferença razoável, entre a antiga e a nova opção, para compensar o custo.

Além disso, tamanhos parecidos concorrem pelo mesmo público. A tendência tem sido a de sobreviverem apenas algumas escalas, bem distanciadas umas das outras.

É uma necessidade para a indústria — maior mercado nas escalas sobreviventes —; e para o modelista — maior variedade nas escalas sobreviventes.

A pesquisa de mercado da Model Railroader entre 1936 e 1947 é muito sugestiva, quanto a essa concentração.

Pesquisa das bitolas usadas pelos ferreomodelistas nos Estados Unidos

Em 1936, das escalas grandes restava apenas a "O", dominando 58% das preferências. Das médias, brigavam entre si apenas "HO" e "OO".

Até 1939, a queda do "O" é o espelho do crescimento de "OO"

Daí por diante, é o espelho do crescimento de "HO".

A escala "O" cai para 50% em 1937 e perde a maioria em 1938 (48,6%).

A escala "HO" ganha maioria em 1942 (53,5%). Desde então, é a escala dominante, já há 1/2 século.

Surgem na pesquisa 2 novas escalas — em 1941, a "S" (maior que OO) — e em 1947, a "TT" (menor que HO).

Isso embolou o meio de campo. De 1:64 até 1:120 — o dobro e a metade, uma da outra —, havia nada menos do que 4 escalas disputando mercado.

Na ficha de pesquisa de 1947, um leitor incluiu a observação:

- "Bitolas demais. Ou "HO", ou "OO", devia ser eliminada".

Outro leitor, também em 1947:

- "O motor de 3 polos devia ser banido do hobby".

Bitolas e escalas no ferreomodelismo
As escalas da Frateschi | História das bitolas no ferreomodelismo | As bitolas e o nosso ferreomodelismo
As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (I) | As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (II)
A escala OO britânica | Sobre a escala G | As escalas da Lionel | Levando o hobby muito a sério
Escalas & medidas no ferreomodelismo
Paquímetro (digital) | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Escalímetro HO / N para imprimir | Escalímetro de peso para vagões | Tabela de pesos em escala
Rodas RP-25 | Códigos dos trilhos | Gabarito Mark III | O efeito escala sobre as cores
Bitolas no ferreomodelismo | Bitolas e escalas | As escalas e suas bitolas (I)
Informativo Frateschi
IF-03: Planta do antigo pátio ferroviário de Ribeirão Preto | IF-04: Cabine ferroviária moderna | IF-05: Projetos de maquete
IF-06: Vagão tremonha HAF | IF-11: Ponte de madeira em cavaletes | Bitolas e escalas no ferreomodelismo
IF-14: Vagão limpa trilhos | IF-15: Bueiro com peças do portal de túnel | IF-17: Areieiro para locomotivas | Bancada de manutenção
IF-18: Estação estilo europeu | IF-20-21: Codificação dos vagões | IF-29: Maquete para iniciantes | Vagões ICC
   
  

Bibliografia

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Corcovado: a conquista da montanha de Deus - 16 Mar 2013

• Reconstrução da Estrada de Ferro do Corcovado - EFC - 6 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

  

Ferrovias

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

• Locomotivas GMSA GT18MC e GT26MC Spoornet Tração - 7 Mar. 2014

• Antigos carros de madeira EFVM: AD - Administração | AI - Inquérito | AP - Pagador | AR - Restaurante Administração | ESF - Correio Bagagem Condutor | B - Primeira Classe | BR - Primeira Classe Buffet | BC - Primeira e Segunda Classe | C - Segunda Classe | R - Restaurante - 14 Fev. 2014

 • Estações ferroviárias da Linha do Centro - SR3 RFFSA em 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferreomodelismo

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

  

Ferreofotos

• Canhão ferroviário e vagão-peça - 26 Out. 2013

• Locomotiva RS3 da EFCB / RFFSA - 25 Out. 2013

• U22C | MX620 | G8 BB | GL8 | U5B - 22 Out. 2013

• As locomotivas MX620 - 22 Out. 2013

• O desfile da locomotiva Baronesa na Av. Rio Branco, em 1934 - 16 Out. 2013

• As locomotivas suecas da EF Rio do Ouro - 13 Out. 2013

• Locomotivas U20C “Namibianas” em operação na FCA - 23 Set. 2013

• Apresentação da última pintura Fepasa em 1995 - 18 Set. 2013

• Apresentação da locomotiva “Tentugal” em 1995 - 14 Set. 2013

• A viagem da “Baratinha” n° 502 em 1995 - 13 Set. 2013

 
  

Bibliografia

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Corcovado: a conquista da montanha de Deus - 16 Mar 2013

• Reconstrução da Estrada de Ferro do Corcovado - EFC - 6 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

Acompanhe no FB


Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade