Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferreomodelismo

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

  

Ferrovias

• A “mancha ferroviária” em Santa Maria (RS), 1966 - 12 Nov. 2014

• Traçados antigos e atuais da ferrovia em Santa Maria (RS) - 3 Nov. 2014

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

• Locomotivas GMSA GT18MC e GT26MC Spoornet Tração - 7 Mar. 2014

• Antigos carros de madeira EFVM: AD - Administração | AI - Inquérito | AP - Pagador | AR - Restaurante Administração | ESF - Correio Bagagem Condutor | B - Primeira Classe | BR - Primeira Classe Buffet | BC - Primeira e Segunda Classe | C - Segunda Classe | R - Restaurante - 14 Fev. 2014

  
  

Ferreofotos

• Canhão ferroviário e vagão-peça - 26 Out. 2013

• Locomotiva RS3 da EFCB / RFFSA - 25 Out. 2013

• U22C | MX620 | G8 BB | GL8 | U5B - 22 Out. 2013

• As locomotivas MX620 - 22 Out. 2013

• O desfile da locomotiva Baronesa na Av. Rio Branco, em 1934 - 16 Out. 2013

• As locomotivas suecas da EF Rio do Ouro - 13 Out. 2013

• Locomotivas U20C “Namibianas” em operação na FCA - 23 Set. 2013

• Apresentação da última pintura Fepasa em 1995 - 18 Set. 2013

• Apresentação da locomotiva “Tentugal” em 1995 - 14 Set. 2013

• A viagem da “Baratinha” n° 502 em 1995 - 13 Set. 2013

   
       
   

Ferreomodelismo
Paquímetro (ou "calibre")


 
Paquímetro | Paquímetro digital | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Flavio R. Cavalcanti

O paquímetro é uma ferramenta para medidas de precisão — em especial, de peças e objetos cujo formato torna difícil ou impossível a aplicação de um escalímetro entre dois pontos. Pense numa bola.

  • Para as medidas externas de um objeto (ou parte dele), duas de suas superfícies são enquadradas entre a garra móvel e a garra fixa. O deslizamento da garra móvel se faz com o movimento do medidor — e suas marcas de leitura — ao longo da régua fixa.

  • O mesmo ocorre com o deslizamento do ponteiro móvel, na tomada de medidas entre duas superfícies "internas" do objeto.

Uma trava de mola (normalmente fechada) fixa a posição do medidor até o final da leitura. Para deslizar o conjunto móvel, deve-se manter a trava pressionada, liberando o movimento.

  • Paquímetros mais baratos, de plástico, em geral não têm trava. A durabilidade é menor, e deformações, afrouxamento, etc., podem comprometer a precisão das medidas. É necessário maior cuidado com solventes e outros produtos químicos.

  • Paquímetros de maior precisão substituem o deslizamento manual por um mecanismo indireto de "avanço do medidor", evitando pressão indevida em objetos cujo formato possa sofrer alteração. Também podem ter um parafuso de ajuste, ausente nos modelos comuns (mesmo que de boa marca e qualidade).

Entre chaveiros, o paquímetro é conhecido como "calibre", e na maior parte do tempo é utilizado apenas para comparar medidas (chave original / cópia), sem perder tempo com a leitura.

   

Bibliografia

• Santa Maria: relatos e impressões de viagem - 10 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

  

Ferreosfera

       
 
         
 

Nônio

O painel de leitura do medidor chama-se "nônio" — uma seqüência de marcas em escala super-ampliada.

Sua função é de "lente de aumento analógica", facilitando a leitura. Elas "ampliam" a visualização da fração de milímetro, sempre que o "zero móvel" estaciona entre duas marcas da régua fixa.

Na foto abaixo, o aumento oferecido pelo "nônio" é de 40 vezes — para oferecer confiabilidade de leitura até 1/20 de mm (0,05 mm).

O mecanismo é de "computador analógico" — a velha régua de cálculo, da qual só falta o visor convexo (lente de plástico transparente).

  • A relação virtual é de 41 marcas (zero incluído), cobrindo 39 mm. O avanço real seria de 0,975 mm de uma para outra, e indicaria frações de 1/40 mm = 0,025 mm.
  • A relação efetiva, de 21 marcas (zero incluído), cobrindo os mesmos 39 mm, impõe um limite à precisão reconhecida como válida, em frações de 1/20 mm = 0,05 mm.
  • O resultado é uma "lente de aumento analógica", de 40x, com precisão reconhecida somente até 1/20 mm.

A foto abaixo mostra que a leitura de 3,95 mm já dá motivo a dúvidas, uma vez que o posicionamento da câmera fotográfica deformou a perspectiva das marcas mais à direita. A impressão é de que o 10 (móvel) estaria alinhado com a marca da régua fixa. Não está, pois neste caso o zero (móvel) também estaria.

Houvesse 41 marcas móveis, e provavelmente a leitura ficaria mais próxima de 3,975 mm.

No lado superior do nônio, o número de marcas cai a menos da metade, cobrindo apenas 1/4 do espaço disponível. A precisão considerada válida é quatro vezes menor (1/128'' = 0,20 mm), quando pela lógica deveria ser oito vezes menor.

A leitura em frações de polegada, na foto, dá exatamente 3,97 mm. Na prática, acabou sendo mais exata.

 

Byteria

Acompanhe no FB

         
 
Detalhe do quadro de leitura, chamado Nônio
Detalhe do quadro de leitura (nônio). As marcas inferiores oferecem precisão de 0,05 mm. Na parte superior, as 8 marcas
oferecem precisão de apenas 1/128'' (0,20 mm), e a leitura é de 5/32'' = 3,97 mm.
  • Atualmente (2011), o paquímetro digital tornou-se uma opção interessante, por dispensar aprendizado, esforço da vista, e ser mais econômico.
Escalas & medidas no ferreomodelismo
Paquímetro (digital) | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Escalímetro HO / N para imprimir | Escalímetro de peso para vagões | Tabela de pesos em escala
Rodas RP-25 | Códigos dos trilhos | Gabarito Mark III | O efeito escala sobre as cores
Bitolas no ferreomodelismo | Bitolas e escalas | As escalas e suas bitolas (I)
Ferramentas e técnicas de construção de ferreomodelos
Materiais & ferramentas para o trabalho com modelos | Material & ferramentas para modelos em plástico
Fixação de truques em modelos de fabricação própria | Fresando cilindros de balsa e estireno | Fresa de isqueiro

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade