Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

  

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  
  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

  
Agenda do Samba e Choro
   

Ferreomodelismo
O efeito-escala sobre as cores


 
André Heli — "O Montador", Ano 1, nº 3
Republicado no Centro-Oeste nº 87 (1º-Fev-1994)

No clube, na oficina, em qualquer círculo de modelistas, sempre aparecem aquelas questões fatídicas: — "De que cor é este tanque?" — "E aquele avião?"

Felizmente, graças ao trabalho de muitos estudiosos, tais perguntas já se acham — em muitos casos — respondidas a um nível extremamente satisfatório, no que diga respeito aos tons básicos.

Já são numerosas as publicações que se dedicam a orientar o modelista quanto a estas cores, quase sempre relacionando-as por referências codificadas junto a um sistema ou coleção de cores padrão.

O mais comum e de mais ampla utilização é o Federal Standard (FS) 595b, publicação oficial norte-americana disponível a quem se interessar, que por sua disponibilidade é adotado por muitos autores dentro e fora dos meios modelísticos para o relato de especificações de cores de artefatos variados (em geral industrializados).

Dentre estes autores, menção especial deve ser dada a David H. Klaus, que em seu magnífico IPMS Color Cross Reference Guide cita milhares de cores de uma imensidade de artefatos de épocas, tipos e países diferentes, sempre fornecendo o seu equivalente FS.

Porém cabe notar que ele não é o único, existindo outros sistemas mais especializados, tais como o Methuen e o Munsell, entre vários outros.

Vamos supor então que, após um investimento considerável, você se prepara para pintar com absoluta fidelidade um determinado modelo, devidamente provido de cópias do guia de cores do modelo; do sistema de cores recomendado; e referências fotográficas completas a respeito.

Você olha para o "chip" de cor indicado, olha para as fotos ou "profiles" coloridos e... tem uma surpresa desagradável: — Nada bate com nada.

É claro que se deve, por princípio, desconfiar das fotos a cores, especialmente as muito antigas, devido à possibilidade de alterações químicas, condições de iluminação etc., ou devido ao fato de se ter fotografado um artefato cuja cor mudou devido ao envelhecimento.

Mas nem tudo se deve a isso. Você também está presenciando o resultado do efeito-escala sobre as cores.

O efeito-escala, ou efeito de redução cromática com a distância, se dá devido ao fato da atmosfera da Terra não ser totalmente transparente. Isso faz com que, quando nos distanciamos de um objeto, a tonalidade de sua cor pareça mudar e esmaecer, tendendo a se acinzentar. É como se estivéssemos vendo através de um filtro.

Em ótica, este fenômeno é descrito como uma redução do croma da cor. O croma é o parâmetro que descreve quantitativamente a intensidade de uma cor, sendo medido em escalas cromáticas (que aqui não vêm ao caso). Desta forma, quanto mais alto o croma de uma cor, mais viva ela é. Quanto mais baixo, mais esmaecida e acinzentada.

Para se ter uma idéia da magnitude deste efeito, pode-se fazer o seguinte experimento: — Tome uma folha de papel cartão escura (ou mesmo preta para realçar o efeito) com 1x1 metro, e recorte dela um pequeno quadrado de 1x1 cm.

Depois pregue a folha numa parede ao ar livre e, mantendo o pequeno quadrado junto aos olhos, afaste-se da parede até que ele e a folha tenham o mesmo tamanho aparente.

Observe então a variação na intensidade da cor. Você está presenciando o efeito na escala 1:100.

De forma análoga, se você estiver contemplando um modelo de avião na escala 1:72 a 1 metro de distância, será como se estivesse olhando para o protótipo a uma distância de 72 metros (!!).

Na prática, isso levaria a uma redução considerável do croma das cores envolvidas, fazendo-as parecer muito mais acinzentadas.

Assim, intuitivamente, é fácil perceber que quanto maior a escala do modelo, menos ele será afetado pelo efeito escala. Se o avião estivesse na escala 1:24, o efeito neste caso seria bem menor.

Agora você já está começando a perceber o por quê das discrepâncias que encontrou. Como é óbvio, as cores pintadas nos "chips" de cor são exatamente as mesmas que são pintadas sobre os artefatos reais, e ao contemplá-las é como se você estivesse literalmente olhando quase que em close para a "pele" de um avião, tanque ou carro recém-pintado!

Como este não é o nosso caso, o modelista deve aprender a recriar o efeito escala na pintura de seu modelo. Como? É simples: — Se o efeito se caracteriza pelo acinzentamento dos tons de cor, basta adicionar tinta cinza (clara) à cor base, na quantidade necessária ao efeito pretendido.

Tudo resolvido? Nem tudo. Acontece justamente que as cores utilizadas em grande parte dos modelos mais executados pelos modelistas (aviões militares, carros de combate etc.) são os tons de camuflagem, a maioria deles já bastante esmaecidos.

Você já imaginou, por exemplo, o que aconteceria se você adicionasse muito cinza a um pálido azul "ovo-de-pato"? E que dizer da adição de mais cinza a outro cinza de baixa visibilidade?

É óbvio que no caso destas cores em particular já há cinza demais, estando as mesmas bem perto do valor mínimo de escala cromática. Neste caso, qualquer nova adição de cinza poderá eventualmente perturbar seu delicado equilíbrio.

Devido a isso, para o caso de cores de camuflagem de baixo croma, é preferível adicionar branco, ao invés de cinza, à cor base. Isso faz clarear o tom cinza já existente nela, produzindo assim o efeito desejado.

Experimentos realizados por modelistas especializados chegaram a adições de cinza ou branco nas proporções de 15% na escala 1:32; de 25% na escala 1:48; e de 36% na escala 1:72, o que dá uma idéia da magnitude do efeito escala na aparência final.

Porém tais valores devem ser encarados com cuidado, pois existem vários outros fatores a considerar no processo.

Quando se está pintando uma cor muito próxima dos extremos, preto ou branco, deve-se tomar cuidado. Um P-61 cinza ou um F-14 branco sujo, por exemplo, não pareceriam realistas.

Também é necessário lembrar que a pintura de todos os artefatos sofre envelhecimento ("weathering") com o tempo, o que tende a esmaecer ainda mais os tons de cor, ou mesmo a modificá-los.

É necessário lembrar que praticamente toda tinta, quando seca, tende a escurecer. Portanto, a cor final da pintura sobre o modelo será mais escura que a cor da tinta no vidro, o que deverá ser compensado na hora da mistura do tom a ser aplicado.

Estes são alguns dos pontos-chave para uma reprodução fiel do esquema de cores de determinado modelo, considerando-se todos os fatores.

Embora à primeira vista pareça ser um jogo de adivinhação — ou até um "vale-tudo" —, deve-se ressaltar que em realidade trata-se de uma ciência exata.

  • O Montador é o boletim editado pelo Grupo de Plastimodelismo e Pesquisa Santos Dumont, Caixa Postal 12.080, Cep 02098-970 São Paulo, SP.
   

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

Ferramentas & técnicas de pintura
Cabine para pintura | Fazendo tintas | Agitador de tintas | Preparação para pintura
Cores & distância | O ABC dos decais | Envelhecimento com giz pastel | Envelhecimento com aerógrafo
Bomba de Flit | A velha bomba de Flit | Fole de joalheiro | Compressor caseiro
Escalas & medidas no ferreomodelismo
Paquímetro (digital) | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Escalímetro HO / N para imprimir | Escalímetro de peso para vagões | Tabela de pesos em escala
Rodas RP-25 | Códigos dos trilhos | Gabarito Mark III | O efeito escala sobre as cores
Bitolas no ferreomodelismo | Bitolas e escalas | As escalas e suas bitolas (I)

Busca no site
 

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

    
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade