Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Acompanhe no FB

   

Bitolas & Escalas no Ferreomodelismo
As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (I)


 
Jorge Hereth, Centro-Oeste nº 86 — 1º-Jan-1994

Perante a polêmica que toma conta da galera quando se trata do "fora-de-escala" de algum material rodante Frateschi, o ferreomodelista brasileiro costuma revelar-se extremamente preconceituoso contra qualquer espécie de fabricação nacional — e desinformado sobre as normas quanto a escalas e bitolas.

Quando se escuta certos colegas falando sobre o assunto, parece que em HO e N só dá para modelar a bitola padrão internacional de 1,435 m; bitola estreita é HOn3; escala Z já se viu na loja do Lupatelli; escala O não dá para fazer maquete; e LGB... o quê?!

A realidade é outra.

O encanto dos modelos em Nm — escala N, bitola de 6,5 mm representando a bitola métrica — da Viafier Retica (RhB), lançados pelo fabricante suíço Railino, já fala por si.

Alguém já ouviu falar na escala OJ do fabricante japonês FEF?

Quem sabia que na Nova Zelândia e na África do Sul a bitola Sn3½ goza de enorme popularidade?

Na Austrália, Powerline, DJH, Footplate Models e a italiana Lima comercializam material da bitola larga australiana — idêntica à brasileira de 1,60 m — em HO (1:87) com bitola de 16,5 mm, e os modelistas australianos nem inventam de chiar! Por que será?

As normas NEM explicam.

Existem 3 esquemas básicos de normas que determinam toda a fabricação industrial do material rodante e dos acessórios para o ferreomodelismo:

  • NEM — Normas Européias de Modelismo Ferroviário — Elaboradas pela Model Railway Organization of Europe (Morop), estas normas valem em todos os países europeus. Também servem parcialmente de diretrizes para as indústrias de ferreomodelismo na África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Oriente Médio, África do Norte, Argentina e Brasil (Frateschi).

  • NMRA — National Model Railroad Association — Valem basicamente nos Estados Unidos, Canadá e México. Porém, também pequenos fabricantes na Argentina e no Brasil (Phoenix, MR Custom Service) baseiam-se nestas normas.

  • BRMSB — British Railway Modelling Standards Bureau — Estas normas servem de diretrizes na Inglaterra, Escócia, País de Gales, Irlanda, Irlanda do Norte etc. Parcialmente, valem também nos países da Comunidade Britânica (Commonwealth). Apesar de algo arcaicas e rejeitadas por todas as indústrias fora do mundo britânico, têm um ponto interessante para os adeptos das antigas São Paulo Railway / EF Santos a Jundiaí: — O BRMSB também considera a bitola larga irlandesa de 1,60 m, que é idêntica às bitolas largas australiana e brasileira. Para o ferreomodelismo nacional, pode haver novas perspectivas por aí.

Vejamos o que as normas dizem sobre escalas e bitolas.

As normas NEM

Olhando o quadro das normas da Morop sobre escalas e bitolas, quem não conhece as ferrovias da Europa deve perguntar-se: — "E as n3?"

Quadro I - As normas da Morop (NEM)
Bitola Protótipo Represen-
tatividade
Bitolas e Designações nas várias Escalas
1:220 1:160 1:120 1:87 1:64 1:45 1:32 1:22,5
1.435 mm de 1.250 a 1.700 mm 6,5 mm
Z
9,0 mm
N
12,0 mm
TT
16,5 mm
HO
22,5 mm
S
32,0 mm
O
45,0 mm
I
64,0 mm
II
1.000 mm de 850 a 1.250 mm - 6,5 mm
Nm
9,0 mm
TTm
12,0 mm
HOm
16,5 mm
Sm
22,5 mm
Om
32,0 mm
Im
45,0 mm
IIm
750 mm de 650 mm a 850 mm - - 6,5 mm
TTe
9,0 mm
HOe
12,0 mm
Se
16,5 mm
Oe
22,5 mm
23,5 mm
Ie
32,0 mm
IIe
597 mm de 400 mm a 650 mm - - - 6,5 mm
HOf
9,0 mm
Sf
12,0 mm
Of
16,5 mm
Ii
18,8 mm
If
22,5 mm
IIi
26,6 mm
IIf

A resposta é que a bitola de 914 mm (3 pés) — representada com exatidão pelas HOn3, On3 etc. — não existe em quase nenhum País onde a Morop tenha alguma influência.

As normas NEM utilizam um sistema de representatividade de bitolas no ferreomodelismo. Assim, bitolas como 762 mm (Áustria) ou 800 mm (Suíça) devem ser modeladas em HOe. Bitolas de 891 mm (Suécia), 900 mm (Alemanha), 950 mm (Itália) e 1.050 mm (Jordânia, Iraque, Arábia Saudita) em HOm. Bitolas de 1.524 mm (Finlândia e ex-URSS), 1.600 mm (Austrália, Brasil) e 1.676 mm (Espanha, Portugal, Chile, Argentina) em HO.

"Fine Scales" não são consideradas pelas NEM, apesar dos esforços do fabricante inglês Model Loco, que adotou as NEM para lançar kits de aperfeiçoamento de modelos industriais europeus. Na Europa isso depende da iniciativa do próprio modelista e/ou de fabricantes dispostos a atuar nesta área.

Certa confusão surge com a escala Ie, com 2 bitolas. Observe também as relações Ii/If e IIi/IIf. A folha NEM-010 definiu em 1987 a bitola de Ie como 22,5 mm; e também definiu Ii e IIi.

Consultando a revista alemã Miniaturbahnen (Miba) de 91/Mar, pág. 16, encontra-se uma relação atualizada a respeito, onde Ie é definida com a bitola de 23,5 mm; e Ii e IIi encontram-se substituídas por If e IIf. As escalas HOi, Si e Oi viraram simplesmente HOf, Sf e Of, sem que houvesse qualquer alteração nos dados.

Infelizmente, a Miba não explica os motivos dessas alterações, nem o que houve com os 22,5 mm da Ie, com a Ii e com a IIi. Por isso, incluí todos os dados no Quadro I.

Do ponto de vista das normas NEM, o material rodante de bitola de 1.600 mm modelado em 16,5 mm pela Frateschi está absolutamente correto.

Outros fabricantes, em outros países, fazem o mesmo: — O material ex-soviético Druchba e Piko; o australiano de DJH, Footplate Models, Powerline e Lima; e o espanhol de Electrotren, Iberten, Roco e Lima.

Adiante, chegaremos ao material de bitola métrica da Frateschi.

Para encerrar com as NEM, o Quadro II mostra os significados das letras minúsculas que seguem as denominações (maiúsculas) das escalas.

Quadro II - Significado das minúsculas NEM
Letra Alemão Francês Português
m Meterspurbahn metrique métrica
e Engspurbahn étroite estreita
i Industriebahn industrielle industrial
f Feldbahn     

As NEM podem ser adquiridas, em português, no seguinte endereço:

  • APAC – Associação Portuguesa de Amigos dos Caminhos de Ferro
    Calçada do Duque, 20
    P-1294 Lisboa
    Portugal

As normas da NMRA

Comparadas às NEM, fica evidente que as normas da NMRA não conhecem nenhuma tolerância de representatividade de bitola no ferreomodelismo — consideram apenas as bitolas-protótipo de 1.435 mm, 914 mm (3 pés), 762 mm (2½'') e 610 mm (2'').

Quadro III - As normas da NMRA
Bitola Protótipo Bitolas e Designações nas várias Escalas
1:220,0 1:160,0 1:120,0 1:87,1 1:76,2 1:64,0 1:48,0 1:45,2 1:32,0 1:22,5
1.435 mm 6,52 mm
Z
8,97 mm
N
12,00 mm
TT
16,50 mm
HO
19,00 mm
OO
22,20 mm
S
31,80 mm
O
31,80 mm
O17
44,90 mm
I
 
914 mm - 6,50 mm
Nn3
- 10,50 mm
HOn3
  14,30 mm
Sn3
19,10 mm
On3
  - 45,00 mm
LGB
762 mm - - - 9,00 mm
HOn2½
  12,00 mm
Sn2½
16,50 mm
On2½
     
610 mm - - - 6,50 mm
HOn2
7,00 mm
HOn2
  9,60 mm
Sn2
12,70 mm
On2
     

Tal como no caso da Ie (NEM), encontramos na literatura americana 2 bitolas para a designação HOn2.

As medidas da NMRA costumam basear-se tanto no sistema métrico quanto no sistema de medidas anglo-saxônico — onde a menor medida de comprimento é a polegada (inch); e 12 polegadas dão 1 pé (foot):

  • 1 polegada (1'') = 25,4 mm

  • 12'' = 1 pé (1') = 304,8 mm

Desta forma, a diferença entre 6,5 mm e 7,0 mm quase não se manifesta.

Indo puramente pelo sistema métrico, aparece outro raciocínio: — Para modelar a bitola de 610 mm em HOn2, ficando com a bitola de 6,5 mm, pode-se utilizar os próprios trilhos Z da Märklin. Agora, para ampliar os trilhos e rodeiros à representação mais exata possível, em HOn2, precisa-se aumentar a bitola de 6,5 mm para 7,0 mm.

Note que nas designações americanas o "n" minúsculo significa "narrow" (estreito). Assim, "n3" significa "bitola estreita de 3 pés" (3'' = 914 mm).

Observe que a LGB coincide com a IIm das NEM. Isto se deve ao fato de que o fabricante americano Bachmann começou a produzir modelos de material rodante da bitola de 914 mm, conforme protótipos americanos. O fabricante alemão LGB já tinha alcançado considerável popularidade nos EUA e, por isso, a Bachmann optou por fabricar seu material rodante de uma forma compatível com o material LGB.

Porém a intolerância da NMRA quanto à representatividade de bitolas-protótipo tornou inviável a designação IIn2. Igualmente inviável era a designação IIm, pois tratava-se de material dos EUA, onde a bitola métrica é desconhecida. Para solucionar o problema a NMRA tornou a marca LGB designação para uma relação escala / bitola.

Desta forma, na NMRA acabou surgindo uma situação camuflada de tolerância na representatividade de bitola protótipo.

Apareceu, ainda, outra solução para o mesmo problema: — Recorre-se à designação Gn3. Sem dúvida, uma solução algo forçada.

Um aspecto interessante é que, apesar de ter seu próprio padrão O como 1:48, a NMRA considera também o padrão europeu O de 1:45 — mas não o padrão O britânico de 1:43,5.

As normas da NMRA podem ser adquiridas no seguinte endereço, em língua inglesa:

  • NMRA — National Model Railroad Association
    4121 Cromwell Road
    Chattanooga, TN 37421
    Estados Unidos
   
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

Bitolas e escalas no ferreomodelismo
As escalas da Frateschi | História das bitolas no ferreomodelismo | As bitolas e o nosso ferreomodelismo
As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (I) | As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (II)
A escala OO britânica | Sobre a escala G | As escalas da Lionel | Levando o hobby muito a sério
Escalas & medidas no ferreomodelismo
Paquímetro (digital) | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Escalímetro HO / N para imprimir | Escalímetro de peso para vagões | Tabela de pesos em escala
Rodas RP-25 | Códigos dos trilhos | Gabarito Mark III | O efeito escala sobre as cores
Bitolas no ferreomodelismo | Bitolas e escalas | As escalas e suas bitolas (I)

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade