Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

   

Bitolas & Escalas no Ferreomodelismo
As origens da Lionel


 
Sidnei Diana - Brinquedos Raros — Centro-Oeste n° 93 (1°-Fev-1995)

A Lionel foi fundada na cidade de Nova Iorque por volta de 1907, passando a produzir miniaturas de trens elétricos na conhecida bitola "standard". Por volta de 1930, a Lionel passou a produzir trens menores, nas bitolas O e O27.

A bitola O formava um círculo de trilhos com (raio de?) 30 polegadas (76 cm) e a bitola O27 formava um círculo com 27 polegadas (68 cm). Além dessa diferença, havia uma incompatibilidade na altura total do trilho.

Repare que não me refiro à escala, e sim à bitola. Não existia "escala O27".

Essa discussão de escala sempre existiu em ferreomodelismo, como já sabemos, e não era diferente em 1930. Assim, nessa época, a Lionel adotou a bitola O com 1-1/4 polegada entre trilhos, com 3 variações:

  • A bitola O para trens normais, comercialmente falando.

  • A bitola O27 para trens mais simples, um brinquedo mais barato concebido para ser o ponto de partida para um futuro ferreomodelista da época.

  • E a bitola O72.

Esta, sim, finalmente possuía uma escala. Para dar um basta à discussão sobre escala, a Lionel decidiu fabricar, por volta de 1935, uma linha de trens na escala 1:48, que na época eram os mais perfeitos produzidos no mundo.

Até hoje, um trem Lionel O72 desperta admiração.

A história da fábrica Lionel é muito rica e dá para escrever um livro sobre o assunto, como realmente foram escritos vários pelo mundo afora. A história do nosso hobby é fascinante, e me atrai muito.

E não foi só a Lionel que escreveu essa história. Há também a American Flyer, a Marx, e outras na América. Na Europa, a maior fábrica de todas, a Märklin, que produz trens desde 1850, e cujos primeiros modelos são muito disputados nos leilões europeus.

No Brasil, temos a Estrela, a Mirim, a Atma, a Pioneer, a Hobbylândia e outras que fabricaram locos e vagões, além, é claro, da Frateschi, que já teve em sua linha locos e vagões hoje fora de produção, despertando a atenção de um mercado emergente de colecionadores.

Trabalho com brinquedos antigos desde 1982, e não só com compra e venda, mas principalmente com restauração. Como não se pode falar de brinquedos antigos sem falar de trem elétrico, sou também ferreomodelista, mas de um tipo diferente - não me atrai tanto a escala, mas a idade do modelo. Quanto mais antigo e original, mais me atrai.

Possuo uma coleção de trens Märklin que vale a pena ser vista.

Uma loja voltada
para o colecionador

Sidnei Diana - CO-93 (1°-Fev-1995)

A Brinquedos Raros é uma loja especializada em compra, venda e troca de brinquedos antigos e de coleção.

Por brinquedos antigos, entende-se os que deixaram de ser fabricados, tanto no Brasil como no exterior.

Por brinquedos de coleção, entende-se os que são fabricados atualmente, visando um sofisticado mercado composto por colecionadores.

Embora restrito no Brasil, o mercado de brinquedos antigos é muito ativo na Europa e nos Estados Unidos, onde existem leilões especializados.

A Brinquedos Raros tem em seu estoque mais de 1.000 brinquedos antigos *[6.000, em 2006], fabricados desde o início do século até a década de 70. Verdadeiras preciosidades como:

  • Miniaturas de carros, motos, caminhões, ônibus, tratores etc., de todas as épocas e escalas, de metal, de lata e até mesmo de plástico, estáticos ou movidos a pilha, corda ou fricção.
  • Miniaturas de trens nas bitolas N, OO, HO, O, I etc., em CA, CC, a pilha, a vapor ou a corda, desde os fabricados em 1910, ainda em 220 Volts, até os atuais.
  • Material para maquetes de trem elétrico, tanto de lata, fabricados no início do século, ou de plástico, como os atuais, bem como todo tipo de acessórios para se construir uma ferrovia em miniatura.
  • Brinquedos de lata a pilha ou corda, naves espaciais, robôs, carros de bombeiros, automóveis, tanques de guerra, autômatos, barcos, aviões, helicópteros, tratores, guindastes etc.
  • Miniaturas de soldados dos exércitos de todos os países e de todas as épocas, de chumbo, metal ou de plástico, bem como canhões e miniaturas militares.
  • Brinquedos das afamadas marcas Dink Toys, Mecano, Schuco, Corgi Toys, Matchbox, Marklin, Marx, Trix, Fleischmann, Lionel, Bub, Arnold, Bing, Teknofix, Metalma, Atma, Estrela etc.

A Brinquedos Raros só vende brinquedos usados, é óbvio, porém em perfeito estado de conservação e com garantia de bom funcionamento. Para tanto, conta com uma oficina apta a efetuar desde simples consertos, até complexas restaurações, e a manutenção de trens elétricos e brinquedos mecânicos em geral.

Utilizando técnicas de restauro de nível internacional, a Brinquedos Raros tem logrado recuperar brinquedos de ferro fundido do início do século, bem como resolver problemas de fadiga de materiais como o zamac da década de 30 e o plástico do início dos anos 50.

Brinquedos restaurados pela Brinquedos Raros fazem parte de coleções, no Brasil e no exterior, que são motivo de orgulho para seus proprietários.

A Brinquedos Raros espera sua visita, e coloca à sua disposição o telefone (11) 884-1202*[atualmente: (11) 3884-1202] para maiores detalhes.

*[Dados atualizados em 3 Jul. 2006]

Bitolas e escalas no ferreomodelismo
As escalas da Frateschi | História das bitolas no ferreomodelismo | As bitolas e o nosso ferreomodelismo
As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (I) | As escalas e suas bitolas no ferreomodelismo (II)
A escala OO britânica | Sobre a escala G | As escalas da Lionel | Levando o hobby muito a sério
Escalas & medidas no ferreomodelismo
Paquímetro (digital) | Escalímetro | Conversão de medidas | Pés, polegadas & cia.
Escalímetro HO / N para imprimir | Escalímetro de peso para vagões | Tabela de pesos em escala
Rodas RP-25 | Códigos dos trilhos | Gabarito Mark III | O efeito escala sobre as cores
Bitolas no ferreomodelismo | Bitolas e escalas | As escalas e suas bitolas (I)
   
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015


Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade