Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Já com os trilhos das três linhas da mini ferrovia fixados sobre a cortiça e lastreados, começa a ser montada a estrutura para o cenário da mina que abastecerá os vagões dos trens de minério
Já com os trilhos das três linhas da mini ferrovia fixados sobre a cortiça e lastreados, começa a ser montada a estrutura para o cenário da mina que abastecerá os vagões dos trens de minério.
A presença do Ramiro e do Chico dá uma noção mais clara das dimensões dessa extremidade da maquete
[Foto 43 - 14 Dez. 2009]
Já com vegetação e decoração entre os trilhos da mini ferrovia, avança a montagem da estrutura de madeira do buraco da mineração de ferro da maquete
Já com vegetação e decoração entre os trilhos da mini ferrovia, avança a montagem da estrutura de madeira do buraco da mineração de ferro da maquete
[Foto 46 - 17 Dez. 2009]

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreosfera

   

Maquete do Carlão | Ferreomodelismo
Estrutura do cenário da mineração


 
Fotos e informações: Carlos A. R. Alvarenga
Texto: Flavio R. Cavalcanti

A estrutura básica do "buraco da mina" — no melhor estilo aperfeiçoado pelo Ramiro, e que já se tornou tradição nas maquetes de ferreomodelismo de Minas Gerais — é a representação do caminho em espiral utilizado pelos caminhões fora de estrada que buscam o minério de ferro a ser levado até as instalações que o carregam nos vagões da ferrovia.

A espiral é apenas aparente. Na verdade, é interrompida à direita (Foto 46, acima), de modo que os caminhões de minério vão e voltam enquanto sobem ou descem.

Esse caminho em pseudo espiral começa pelo recorte mais ou menos circular de uma folha de madeira compensada ou MDF, suficientemente fina para ser maleável, porém não tão fina que se torne frágil demais.

O Carlão optou pelo MDF, principalmente para evitar os cupins, praga que havia destruído todos os armários embutidos de sua residência anterior. O MDF é um aglomerado de finos de madeira, porém de qualidade muito superior à do aglomerado antigo. Relata que adotou o MDF em sua nova casa, desde antes de 2000, e nunca mais voltou a ter cupins.

Para estes "caminhos" da mineração foi utilizado MDF de 3 milímetros. Em outras partes da maquete ferroviária foi utilizado MDF de 10 mm e de 15 mm.

A solidez do conjunto, porém, vai depender principalmente da estrutura de sustentação, mostrada em detalhes das fotos 47 e 47a (abaixo).

Observe que:

  1. A cada "patamar" do caminho em pseudo espiral corresponde um "degrau" na estrutura de sustentação — suportes dispostos como raios em torno do centro, e em direção a ele;

  2. Esses suportes têm espaçamento pequeno entre si, cada um um pouco mais abaixo do anterior, para que o caminho em espiral desça suavemente, e também para dar a máxima solidez ao conjunto. E como a espiral retrocede a cada volta, os suportes não podem ter alturas padronizadas, o que seria simples demais;

  3. Cada suporte é formado por uma sucessão de ripas verticais e horizontais, fixados entre si para formar os "degraus". A técnica de fixá-las merece atenção especial.

Existem duas alternativas básicas de fixação — aparafusar e colar.

No primeiro caso, as ripas verticais e horizontais são firmadas por um grampo ou "sargento", fazem-se dois furos de diâmetro pouco menor que a bitola dos parafusos, e de preferência passa-se parafina nos parafusos, de modo a facilitar a operação e protegê-los da umidade que há em toda madeira. Isso vai facilitar a eventual desmontagem, no futuro. Quanto maior a quantidade de madeira e/ou o tamanho das peças, mais vale a pena considerar essa possibilidade. No caso de dois parafusos, recomenda-se situá-los em cantos opostos da junção (diagonal à área retangular da junção). Evite situá-los muito próximo à beirada de qualquer das peças de madeira.

No segundo caso, passa-se uma fina camada de cola nas duas peças de madeira, raspando para deixá-la homogênea, bem distribuída e tão fina quanto possível. Em seguida as duas peças são fixadas e apertadas por um grampo. A firmeza da fixação vai depender de a madeira não se desintegrar nem soltar camadas, com o tempo. Isto era um risco com os antigos aglomerados, porém o Carlão — apoiado na experiência do Chico Tampieri e do José Ramiro — garante que o MDF está aprovado. Foi utilizada cola branca PVA à base d'água (Cascorez azul) na maior parte das junções. Em alguns casos, utilizaram cola de madeira da Alba, mais resistente e de secagem um pouco mais rápida

Se quiser exagerar, faça furos, espalhe cola, firme com grampo — e aparafuse. No dia seguinte já pode até pular em cima. Infelizmente, não poderá desmontar para eventual reaproveitamento da madeira, no futuro. Foi a opção adotada na maioria das junções.

Logo atrás do "buraco da mina", o Ramiro projetou uma montanha, com o prolongamento do caminho subindo ainda mais, em zigue zague. Visualmente, duplica a profundidade da mina. Evita que a maquete pareça plana demais, com os trens dando uma voltinha em torno de um "simples" buraco. Os caminhões de minério sobem (ou descem), enquanto o trem desaparece num túnel, para reaparecer lá adiante, já em outro cenário. Enfim, o relevo segue a recomendação básica de se elevar da parte da frente para a parte de trás da maquete, criando um efeito visual de maior impacto.

Do ponto de vista da mineração, o primeiro elemento desse morro é outra tábua — dessa vez, recortada em zigue zague — para formar o caminho em rampa até o alto. Sua sustentação é bem mais simples. Observe, ainda, o quadro de ripas ao fundo, junto à parede, para a sustentação geral do relevo do morro (Foto 44).

   

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

Acompanhe no FB

Detalhes da estrutura de carpintaria para sustentação do buraco da mineração no centro do retorno dos trilhos da mini ferrovia
Detalhes da estrutura de carpintaria para sustentação do buraco da mineração no centro do retorno dos trilhos da mini ferrovia
[Foto 47a - 18 Dez. 2009]
Detalhes da estrutura de carpintaria: observe o uso de grampos ou "sargentos" para fixar as tábuas a serem aparafusadas e/ou coladas
Detalhes da estrutura de carpintaria: observe o uso de grampos ou "sargentos" para fixar as tábuas a serem aparafusadas e/ou coladas
[Foto 47 - 18 Dez. 2009]
Logo atrás do espaço reservado ao buraco da mineração, tem início a montagem de outro caminho, onde haverá um morro, a ser atravessado pelos trens em dois túneis
Logo atrás do espaço reservado ao buraco da mineração da maquete, tem início a montagem de outro caminho, em zigue zague, onde haverá um morro, a ser atravessado pelos trens em dois túneis
[Foto 44 - 14 Dez. 2009]
José Ramiro instalado sobre a estrutura de madeira para poder trabalhar nos detalhes da maquete
Sim, é sólido! José Ramiro instalado sobre a estrutura de madeira para poder trabalhar nos detalhes da maquete. Seria impossível fazer tudo, apenas se debruçando desde as laterais.
Aliás, de onde o Carlão tirou a foto 46?
[Foto 49 - 24 Dez. 2009]
Mineração de ferro Buracão
Localização | Carpintaria | Buraco da mina | Montanha | Túnel | Vegetação
Mineração na maquete do CMMF | Mineração na maquete da AMF | Uma entrevista com José Ramiro
Mineração de bauxita
Dicas do Carlão
Portal de túnel em resina | Gabarito de lastro | Envelhecimento com aerógrafo
Mineração de ferro Buracão | Vídeo: percorrendo a Maquete do Carlão
Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade