Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Conexão da Ferrovia Nova Transnordestina com a Ferrovia Norte - Sul
Ligação da "Nova Transnordestina" à Ferrovia Norte-Sul
[Fonte: apresentação da ministra Dilma Roussef sobre o andamento das obras do PAC
na III Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Soja, Brasília, 10 Mar. 2009]

   

PAC - Programa de Aceleração do Crescimento
Ligação Norte-Sul + Nova Trans


 
Flavio R. Cavalcanti

A "Nova Trans" tem se assemelhado mais a um interminável campeonato de quedas-de-braço, do que a uma "obra" — e a Cia. Ferroviária do Nordeste (CFN), agora com novo nome ("Transnordestina Logística"), tem se assemelhado mais a um incansável praticante desse esporte, do que a uma "operadora ferroviária", na acepção comum das palavras.

Por isso, essa conexão permanecia um projeto abstrato, sem muito fundo prático — até 23 Set. 2009, quando o Congresso aprovou a participação da Valec como sócia-minoritária no empreendimento.

A Valec - Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. tem sido o braço estatal para colocar em movimento novas construções ferroviárias — inclusive recebendo a concessão de linhas concorrentes às linhas que a iniciativa privada não se entusiasma a construir.

É interessante observar que, se a CFN não levar seus trilhos ao Piauí, a soja desse estado — sobre a qual repousa a viabilidade do porto de Pecém (Fortaleza, CE) — poderá acabar fugindo pela Ferrovia Norte-Sul e pela EF Carajás em direção ao porto de Itaqui (São Luís, MA).

Mas, se tudo ocorrer como planejado, a região próxima às jazidas minerais de Carajás e à mega-usina hidrelétrica de Tucuruí acabará por dispor de uma invejável infraestrutura ferroviária em bitola larga, além da hidrovia Tocantins-Araguaia — integrando-se dessa forma aos polos industriais e portuários de Belém, São Luís, Fortaleza e Recife.

É interessante observar no mapa a persistência das ligações que deveriam compor o projeto original (ou "tradicional"?) da velha Transnordestina — os trechos Petrolina-Salgueiro e Crateús - Piquet Carneiro.

   

Referências

O Programa de Aceleração do Crescimento - PAC não é um plano viário, e sim um mecanismo de coordenação de obras e investimentos públicos e privados, supervisionado pelo Gabinete Civil da Presidência da República para solucionar eventuais obstáculos, atrasos, falta de coordenação entre agentes públicos e privados etc.

As ilustrações são slides da apresentação elaborada pelo Ministério dos Transportes, e utilizada pela ministra do Gabinete Civil da Presidência da República, Dilma Roussef, sobre o andamento das obras do PAC, na III Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Soja, em Brasília, a 10 de Março de 2009.

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

  
Valec Engenharia
Ferrovia Norte-Sul | Ferrovias concedidas | Legislação da Valec
CPI | Exposição de Motivos | Lei nº 11.772
Legislação ferroviária e do PNV
   
PAC - Plano de Aceleração do Crescimento (10 Mar. 2009)
Rede em bitola larga | Bitola métrica | Trecho sul da Norte-Sul | Extensão da Norte-Sul | Ferrovia Oeste-Leste | Integração Centro-Oeste | Corredor Bi-Oceânico Sul | Extensão da Nova Trans | Hidrovias | TAV Rio - São Paulo
Planos ferroviários
1835: Plano Vasconcelos | 1838: Plano Rebelo | 1859: Plano Ottoni | 1869: Plano Morais | 1871: Carta itinerária | 1973: Plano Ewbank | 1874: Plano Ramos de Queiroz | 1874: Plano Rebouças | 1881: Plano Bicalho | 1882: Plano Bulhões | 1882: Plano Ramos de Queiroz (II) | 1886: Plano Rodrigo Silva | 1890: Plano da Commissão | 1912: Plano da Borracha | 1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin | 1932: Plano Souza Brandão | 1934: Plano Geral de Viação Nacional | 1947: Plano Jaguaribe | 1951: Plano Nacional de Viação | 1955: Comissão Pessoa | 1956: Plano Ferroviário Nacional | 1964: Plano Nacional de Viação | 1973: Plano Nacional de Viação
As ferrovias construídas (Dez. 2004) | PAC (Mar. 2009)
Legislação | Brasília nos planos ferroviários

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade