Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Bibliografia
braziliana

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  

Ferreosfera

   

Bibliografia: ferrovia e história
O “novo” Ministério: Agricultura, Comércio e Obras Públicas


 
Flavio R. Cavalcanti -

Machado de Assis e a administração pública federal
Paulo Guedes e Elizabeth Hazin
Senado Federal, Brasília, 2006

A “excessiva heterogeneidade” das funções a cargo da Secretaria de Estado do Império (ou Ministério do Império) foi “a principal razão” para a criação da “sétima e última” pasta da monarquia, oficialmente denominada “Secretaria de Estado da Agricultura, Comércio e Obras Públicas[p. 35].

Mas não foi uma divisão equitativa de tarefas, nem racionalizou a distribuição das tarefas mais variadas e sem ligação umas com as outras: “a maior carga de serviços que pesava sobre a pasta do Império foi transferida, quase em bloco, para a Secretaria da Agricultura. Pelo próprio título da Secretaria, pode-se observar a pouca homogeneidade das suas funções básicas[p. 35].

Tampouco foram dadas ao novo ministério condições de trabalho maiores ou melhores que as de que dispunha, antes, o Ministério do Império. Pelo contrário, “a nova secretaria foi instalada no mesmo prédio da Secretaria de Estado do Império” [p. 35]. O autor é gentil, ao dizer “prédio” — tratava-se, na verdade, de um velho “casarão”, como se pode ler num dos relatórios do novo ministério, logo a seguir *[fora do livro - a localizar (FRC)].

   
Capa do livro "Machado de Assis e a Administração Pública Federal"
Machado de Assis e a Administração Pública Federal

Seria uma troca de seis por meia dúzia — um “novo nome”, nada mais — se àquele conjunto caótico de atribuições não se somassem mais algumas, transferidas do Ministério da Justiça.

Competências transferidas do Ministério do Império para o “novo” ministério [p. 35-36]:

  • Comércio
  • Indústria e seu ensino profissional
  • Melhoramento das raças animais e escolas veterinárias
  • Exposição de produtos industriais e agrícolas
  • Aquisição de plantas e sementes
  • Jardins botânicos e passeios públicos
  • Institutos agrícolas
  • Concessão de patentes
  • Registro de terras, legitimação ou revalidação das posses, sesmarias ou outras concessões
  • Concessão, medição, demarcação, descrição, distribuição e venda das terras pertencentes ao Estado *[Lembrando que o Estado não tinha o menor registro de suas próprias terras, ou “terras devolutas”. Por definição, seriam as terras de que ninguém alegasse ser “dono” ou deter a “posse”. O registro de tais alegações se fazia nas paróquias — daí o “registro paroquial” — por padres dependentes dos “senhores” locais, embora remunerados pelo Estado e teoricamente subordinados ao governo geral do Império (FRC)]
  • Colonização
  • Catequese e civilização de índios
  • Obras públicas gerais no município da Côrte [Rio de Janeiro] e nas províncias
  • Estradas de ferro e de rodagem
  • Navegação fluvial e paquetes *[navios de linha]
  • Correios terrestres e marítimos

Competências transferidas do Ministério da Justiça para o “novo” ministério [p. 36]:

  • Iluminação pública da Côrte *[cidade do Rio de Janeiro]
  • Telégrafos
  • Bombeiros
  • Assuntos eclesiásticos e os relacionados com outros cultos não católicos
  • Montepio dos servidores do Estado

Pessoal? — Menos de 40 pessoas, ao todo. — Remuneração? — Menor do que antes.

Os Liberais* opunham-se à “criação” de “mais um” ministério, argumentando com o aumento das despesas públicas [p. 36].

* É preciso não tomar “Liberais” como um conjunto coeso e homogêneo, e muito menos como um núcleo fixo e contínuo, ao longo das décadas do Império. Naquele momento estavam na oposição; e não ficam identificados quais “Liberais” se manifestaram, nem exatamente de que modo. Sob o termo “vistas largas”, que identifica textos da corrente mais progressista e não tão contrária à atuação do Estado, seguidas vezes tentarão ampliar e tornar mais efetiva essa presença — começando pelo levantamento geológico, mapeamento territorial, e planejamento hidro-ferroviário visando integração de todo território, loteamento de terras e colonização em massa (como nos EUA). Tenho sérias dúvidas de que os Conservadores, apenas por não serem oposição naquele momento, tivessem a menor intenção de aumentar as “despesas públicas”. Despesa, enfim, ridícula — tratando-se de 40 funcionários, por sinal já existentes, para tão amplo leque de funções (FRC)].

O “novo” ministério foi, portanto, instalado no mesmo “prédio” do Ministério do Império, onde antes os mesmos funcionários desempenhavam as mesmas funções — pois decidiu-se que todo seu pessoal seria remanejado dos demais ministérios (Secretarias de Estado), da Repartição Geral das Terras Públicas, e da Diretoria Geral dos Correios. Além disso, foi decidido que teriam remuneração inferior à dos demais ministérios — “funcionários (…) como porteiros e amanuenses” receberiam menos do que seus colegas dos demais ministérios, no desempenho de funções equivalentes [p. 36].

No ano seguinte (1862) foram transferidas para o “novo” Ministério da Agricultura várias “repartições” — denominação das autarquias na época [p. 36-37]:

  • Diretoria Geral dos Correios
  • Administração do Correio Geral da Corte e Província do Rio de Janeiro
  • Inspetoria Geral de Obras Públicas
  • Administração dos Telégrafos Aéreos da Côrte [“aéreo”, de sinalização visual?]
  • Telégrafo Elétrico
  • Companhia Brasileira dos Paquetes de Vapor
  • Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional
  • Imperial Instituto Fluminense de Agricultura
  • Jardim Botânico
  • Passeio Público
  • Estrada de Ferro D. Pedro II [rebatizada EF Central do Brasil, na República]
  • Corpo de Bombeiros
  • Agência Oficial de Colonização
  • Montepio Geral dos Servidores do Estado

Estrutura inicial do “novo” Ministério (Secretaria de Estado dos Negócios) da Agricultura, Comércio e Obras Públicas — organizada em “quatro diretorias independentes entre si, cada uma com escrituração contábil própria[p. 35]:

  • Diretoria Central e dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas
  • Diretoria de Obras Públicas e Navegação
  • Diretoria de Terras Públicas e Colonização
  • Diretoria de Correios

Estrutura do “novo” Ministério (Secretaria de Estado dos Negócios) da Agricultura, Comércio e Obras Públicas após a reforma administrativa de 1868 [p. 37-38]:

  • Seis seções — em lugar das quatro diretorias
  • Diretor geral titular da primeira seção
  • Quatro seções com a diversidade de competências
  • Sexta seção responsável pelas atividades de orçamento, contabilidade e patrimônio, antes dispersas nas quatro diretorias
  • Trinta servidores, cinco chefes de seção e um diretor geral

Exigências para amanuense e praticante, por concurso ou exame de habilitação [p. 38]:

  • Bom procedimento
  • Idade de 18 anos completos
  • Boa letra
  • Perfeito conhecimento não só de gramática e língua nacional, mas ainda da aritmética até a teoria das proporções (inclusive)

Para promoção de praticante a amanuense [p. 38]:

  • Facilidade de redação de qualquer peça oficial
  • Conhecimento dos princípios gerais de geografia e história do Brasil
  • Falar ou pelo menos traduzir as línguas inglesa e francesa
  • Preferência para o que também traduzir a língua alemã

Estrutura do “novo” Ministério (Secretaria de Estado dos Negócios) da Agricultura, Comércio e Obras Públicas após a reforma administrativa de 1873 [p. 39]:

  • Retorno às diretorias, como na época da criação (1861), divididas em seções
  • Diretoria Central
    • Primeira seção: secretaria administrativa e controle financeiro do ministério
    • Segunda seção: fiscalização e economia do dinheiro público (precursor do controle interno)
  • Diretoria do Comércio
    • Primeira seção: comércio
    • Segunda seção: indústria e seu ensino profissional
  • Diretoria de Obras Públicas
    • estradas de ferro e de rodagem, obras gerais, navegabilidade dos rios, abertura e melhoramentos de portos e baías
  • Diretoria de Agricultura — também em 3 seções
    • 1ª - melhoramento de raças de animais, aquisição e distribuição de plantas e sementes, conservação dos jardins botânicos e passeios públicos
    • 2ª - execução da Lei do Ventre Livre e questões referentes à Lei de Terras
    • 3ª - Colonização, imigração e catequese dos índios — para esta foi nomeado Machado de Assis, no mesmo dia de sua criação

Em 1879 foram eliminadas vagas e extinta a categoria de praticantes. Quadro do ministério ficou composto de 40 funcionários [p. 40]:

  • 4 diretores
  • 10 chefes de seção
  • 8 primeiros oficiais
  • 8 segundos oficiais
  • 10 amanuenses

(crescimento de 3 empregados, desde 1861, cf. Relatório 1885)

Em 1887, última reforma da Secretaria de Estado da Agricultura, Comércio e Obras Públicas “pouco (…) contribuiu para a melhoria da administração do órgão”.

A ausência durante todo o período imperial de um corpo de engenheiros (…) praticamente inviabilizou a consecução das atividades voltadas para obras públicas. As atividades de escrituração contábil e outras relativas a procedimentos financeiros, apesar de constarem entre as medidas adotadas pelas reformas de 1868, 1873 e 1887, não conseguiram alcançar um nível razoável de racionalidade, dificultando sobremaneira a gestão ministerial. Outra deficiência apontada referia-se à falta de dados estatísticos fundamentais concernentes à produção agropecuária, assim como havia enorme deficiência no controle dos registros de escravos e de seus filhos nascidos a partir da Lei do Ventre Livre[p. 40].

Em 1892, Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas foi “transformado” em Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas[p. 42]:

  • Redução de pessoal
  • Redistribuição de serviços e atividades “segundo a nova denominação do ministério”
  • Criação da Diretoria de Contabilidade

Estrutura (1893) — quatro diretorias gerais [p. 42]:

  • Indústria
  • Viação
  • Obras Públicas
  • Contabilidade

A “Viação” foi considerada sobrecarregada e ministro transferiu dela para a “Indústria” a navegação subvencionada.

Relatório de 1893 ainda clamava por um corpo de engenheiros, “já que, na falta dele, tornava-se impraticável superintender as obras públicas no território nacional” [p. 43].

Dez. 1897 - “Secretaria” torna-se oficialmente “Ministério”. Fundidas as diretorias gerais de Viação + Obras Públicas [p. 57-58]:

  • Indústria
  • Viação e Obras Públicas
  • Contabilidade

Em 1906 foi restabelecido o Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria — implantação efetiva somente em 1909 [p. 42]. *[].

Machado de Assis na Administração Pública
O “Estado mínimo” imperial | Agricultura, o “novo” Ministério
O ciclo revolucionário do Ministério da Viação | Fim do MVOP | CCPCL
Ministérios - estrutura do Executivo
Brasil Colônia | Reino Unido | Regência D. Pedro | Início do Império | Final do 2º reinado
Início da República | Nilo Peçanha | Governo Provisório de Vargas | Estado Novo | 2º governo Vargas
Parlamentarismo - João Goulart | Constituição de 1967 | Reforma do governo Geisel
   

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  
  

Mboabas

  

Byteria

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade