Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Bibliografia
braziliana

Grande sertão: veredas - 29 Out. 2014

Itinerário de Riobaldo Tatarana - 27 Out. 2014

Notícia geral da capitania de Goiás em 1783 - 26 Out. 2014

Viagem pela Estrada Real dos Goyazes - 9 Out. 2014

Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid - 3 Out. 2013

  

Bibliografia
braziliense

Conterrâneos Velhos de Guerra - roteiro e crítica - 7 Nov. 2014

Como se faz um presidente: a campanha de JK - 21 Ago. 2014

Brasília: o mito na trajetória da Nação - 9 Ago. 2014

Luiz Cruls: o homem que marcou o lugar - 30 Jul. 2014

Quanto custou Brasília - 25 Set. 2013

   

Bibliografia: ferrovia e história
O “Estado mínimo” imperial


 
Flavio R. Cavalcanti -

Machado de Assis e a administração pública federal
Paulo Guedes e Elizabeth Hazin
Senado Federal, Brasília, 2006

Segundo Paulo Guedes, no Brasil colônia o modelo português de administração centralizado e concentrador de poder não tinha alcance efetivo nos espaços povoados distantes de Salvador ou do Rio de Janeiro.

Também no Império, a presença do governo central nas localidades se fazia unicamente através dos párocos, que se restringiam ao registro de nascimentos, casamentos e óbitos[p. 31].

Aliás, os párocos eram “agentes remunerados do governo” *[Embora a religião oficial fosse a “Católica Apostólica Romana”, sua subordinação ao Império implicava em que uma encíclica ou bula papal necessitava de aprovação imperial, antes de vigorar no Brasil, o que fica ilustrado na chamada “questão religiosa”, já no final do Império (FRC)].

   
Capa do livro "Machado de Assis e a Administração Pública Federal"
Machado de Assis e a Administração Pública Federal

Se no período colonial “as funções sociais eram desenvolvidas essencialmente por instituições religiosas e privadas”, pouco mudou nas primeiras décadas do Império:

Existiam reduzidas interseções do Estado com a economia e, de igual modo, com a educação e a saúde[p. 34].

Após a Independência, o Estado assumiu “as funções mínimas preconizadas pelo liberalismo: justiça, segurança interna e externa, arrecadação e diplomacia”. As pastas (ministérios) limitavam-se a cinco: Império e Estrangeiros; Justiça; Fazenda; Guerra; e Marinha.

Com a dissolução da Assembleia Constituinte (12 Nov. 1823), o terceiro gabinete (10 Nov.) separou as pastas do Império e dos Estrangeiros por decreto (13 Nov. 1823) [p. 34].

As pastas eram denominadas “Secretarias de Estado”, e seus titulares, “ministros”. “Contudo, o termo ministério é amplamente usado por muitos autores, além de constar em documentos legais e administrativos da época[p. 35].

No início do Império, mais de 90% do orçamento do governo central consumia-se na própria máquina administrativa, com investimento pífio em atividades-fim.

Após 1850, a despesa da administração cai para 50% do orçamento, com crescimento dos investimentos econômicos e sociais [p. 34].

Machado de Assis na Administração Pública
O “Estado mínimo” imperial | Agricultura, o “novo” Ministério
O ciclo revolucionário do Ministério da Viação | Fim do MVOP | CCPCL
Ministérios - estrutura do Executivo
Brasil Colônia | Reino Unido | Regência D. Pedro | Início do Império | Final do 2º reinado
Início da República | Nilo Peçanha | Governo Provisório de Vargas | Estado Novo | 2º governo Vargas
Parlamentarismo - João Goulart | Constituição de 1967 | Reforma do governo Geisel
   

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade