Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

  
  
   

EFMM - Estrada de Ferro Madeira Mamoré
Visita à EF Madeira-Mamoré


 
José Francisco Pavelec
Centro-Oeste n° 73 – 1° Dez. 1992

Após acomodação no hotel, em Porto Velho (RO), tomei o ônibus circular, indo até as instalações da EF Madeira-Mamoré, na parte central da cidade, junto ao Ministério da Marinha — próximo ao porto da cidade, de onde saem os barcos para Manaus (AM) e outras cidades.

A Estação Ferroviária de Porto Velho, em estado original, encontra-se numa praça ou esplanada, à margem do rio Madeira.

Observando as locomotivas, guindastes, guincho etc., fui recepcionado pelo vigilante do local, que me informou estar atento, pois em dias anteriores haviam roubado os tubos de bronze que faziam parte da loco a vapor n° 50 — a única em funcionamento —, uma Baldwin 4-6-2 muito bonita, impecável, vinda de Tubarão (SC).

Muita limpeza externa, estavam capinando o local. O general Souza informou que 40 adidos militares de diversos países fariam visita às instalações em Ago/18, e o 5° Batalhão de Engenharia e Construção do Exército (5° BEC) estava colaborando nos trabalhos.

Durante a visita, a locomotiva a vapor seria movimentada até o portão, ida e volta, a cerca de 300 metros.

Passando o portão, observei que houve invasão de moradores, com os barracos chegando até a 2 metros da via permanente, com absoluta falta de segurança. Soube que, por duas vezes, prefeitos anteriores conseguiram desalojar os invasores, dando-lhes outro local para residir, e em pouco tempo estavam de volta.

Esplanada

No dia seguinte, sábado, Ago/8, passei quase todo o tempo no pátio da EFMM e visita ao Museu do Trem.

Dirigi-me à Rotunda, onde encontrei um funcionário da empresa Brasília, do norte do Paraná. Estava cavando cerca de 40 centímetros, no interior daquele depósito de locomotivas, a fim de novamente deixar visíveis os trilhos, que haviam sido sepultados.

Passei sobre o asfalto que sepultou o Girador de locomotivas — local atualmente chamado de "Sambódromo" — e dirigi-me aos outros 2 depósitos, usados também como mecânica e oficina, com tornos, elevadores, roldanas etc.

Cerca de 100 metros adiante, a antiga Casa de Força também encontra-se em estado lastimável, arrombado, sujo, vidros quebrados etc.

Junto aos depósitos, locomotiva a vapor 2-8-0, sem tênder, verdadeira sucata, com a inscrição "Mal. Rondon".

Cerca de 100 metros adiante, em direção ao portão de saída para Guajará Mirim (RO), outras 2 locomotivas a vapor, em estado de sucata: — Uma 2-6-0 com tênder, inscrições "EFMM" e "9 de Julho"; e uma outra sem tênder, n° 16, tomada pelo mato.

Mais próximo ao portão, um vagão gôndola com os truques intactos, mas também sem cuidados.

À direita da linha, praticamente jogados, no pátio, 6 vagões — somente a casca, sem condições de aproveitamento — , e também um vagão tanque.

Voltando para a Estação Ferroviária de Porto Velho, junto à Rua dos Barcos, alguns rodeiros de locomotivas em exposição no jardim, com boa aparência, com placas explicativas.

A Estação abriga a administração do Museu do Trem, e numa das salas é feita a venda de peças de artesanato em geral, porém sem nada — chaveiros, ou outra coisa — que lembre a EFMM.

Logo após a Estação, o início da linha, com diversos carros de passageiros. O primeiro, sem número, com varanda. O segundo, escrito "EFMM".

Em seguida, uma automotriz com o emblema circular "IRFA — Estados Unidos do Brasil". Adiante, outra automotriz, 2 carros e uma gôndola.

Na linha principal, diante da Estação, a belíssima loco 4-6-2 Baldwin, n° 50. Em outra linha, que passa junto aos galpões — num deles, a parte operacional da EFMM; no outro, o Museu do Trem —, a locomotiva a vapor n° 15, Mikado 2-8-2, em bom estado; e a locomotiva n° 18, também 2-8-2, separada do tênder por motivo de restauração na cabine e parte da caldeira.

No primeiro galpão, uma litorina muito antiga, a primeira a circular na EF Madeira-Mamoré.

Na parte externa, um imponente guincho ferroviário a vapor, "G-2 EFMM", aguardando melhores cuidados. Encontra-se junto a diversas peças em estado de sucata.

Cerca de 50 metros adiante, 3 vagões prancha pequenos, com peças ferroviárias em estado de sucata.

Continuando na direção oposta a Guajará Mirim, após quase 350 metros, estacionam 1 carro de passageiros, 1 tênder, 1 vagão de carga e 1 gaiola, em completo abandono, quase escondidos.

Museu

No Museu do Trem, a recepcionista Venina Plácido atendeu-me muito bem, e a todos os que por lá estiveram.

Disse-me que o governador Osvaldo Piana Filho deseja recuperar e adaptar a EFMM, após receber verba do governo federal.

Três painéis apresentam o projeto do atual governo para recuperação da ferrovia. Além disso, pude ver:

  • Antiga caixa de correio;
  • Relógios grandes de parede da EFMM;
  • Armário com livros antigos, com leis, decretos, relatórios do Banco do Brasil de 1808 a 1949, livro sobre a história da borracha etc.;
  • Muitas fotos antigas sobre a história da EFMM;
  • Editais diversos;
  • Matérias de jornais da região, com diversas denúncias e outros proncunciamentos em prol da EFMM;
  • Fotos emolduradas de antigos ferroviários da EFMM, pioneiros e heróis da construção da ferrovia;
  • Bússolas antigas, telefones, balanças de precisão para pesagem de ouro, manômetros, placas etc.;
  • Móveis e utensílios usados pelos diretores da EFMM, tais como camas antigas, molas, apitos, eixos, ferramentas, cofres, sinos etc.;

Finalmente, o ponto alto do Museu do Trem: — A primeira locomotiva a vapor da EFMM, uma American 4-4-0 muito bem restaurada, realmente fantástica.

Guajará Mirim

No domingo, Ago/9, embarquei no ônibus para Guajará Mirim (RO).

Conversando com o motorista, ele parou diversas vezes, para que pudesse fotografar as pontes da EF Madeira-Mamoré — atualmente usadas pela rodovia —, todas impecáveis, sem desgaste ou ferrugem.

Em Guajará Mirim, a Estação Ferroviária constitui o Museu da cidade, tendo quase nada sobre a ferrovia. O destaque é a placa com a quilometragem final da EFMM: — "366 km".

Junto à Estação, a locomotiva 4-6-0 Baldwin, n° 20, fabricada em 1909, n° de série 34.004, com farol Sunbean.

Está engatada a um carro de passageiros e um vagão prancha antigo, carregado com peças ferroviárias em estado de sucata. Ali perto, uma caixa d'água em estilo europeu, do tempo da construção da ferrovia.

Na praça ao fundo da Estação, sobre um pedestal de cerca de 1,5 metro, está exposta uma belíssima locomotiva a vapor Mikado 2-8-2, n° 17, com a inscrição "Eng° Hildegardo Numes — EFMM" na cabine.

A placa indica Berliner Maschinenbau Actien-Gesellschaft, 1936, n° 10.609, Vormla L. Schwarzkopff, Berlin. Também nesta loco está acoplado um vagão prancha.

Está mal cuidada, com o vidro do farol quebrado. O engate havia sido arrancado, jogado no chão.

Solicitei ao pessoal do Museu o recolhimento do engate, para que alguém não o pegasse e o vendesse como ferro-velho.

O guardião e eu transportamos a peça até o vagão prancha em frente à Estação de Guajará-Mirim.

Osvaldo Carvalho, funcionário aposentado da EFMM, mora em frente à Estação.

Aproveitei para dar um rápido passeio em Guayara Miri, do lado boliviano do rio Mamoré, que atravessei no barco a motor chamado "Voadeira".

Porto Velho

De volta a Porto Velho, em Ago/10, visitei o bairro de Santo Antônio, marco inicial da ferrovia, junto às corredeiras de Santo Antônio, onde está a igreja com o mesmo nome, tombada pelo Patrimônio Histórico.

Com muita dificuldade pude localizar os trilhos da EFMM, pois a mata já havia tomado o terreno, apenas 2 anos após a desativação dos passeios.

Também observei uma pequena ponte sobre a ferrovia, totalmente danificada e derrubada em cima da via permanente.

Localizei — não tenho certeza — o cemitério da Candelária. De fato, encontrei milhares de sepulturas, algumas tomadas pela mata, e informaram-me tratar-se do cemitério que recebeu os heróis anônimos da "Ferrovia do Diabo". Não existe mais o hospital.

O último trem circulou na EFMM em 72/Jul/10, "descendo" de Guajará Mirim a Porto Velho.

Em 1980, com o governador Jorge Teixeira, chegaram a ser reativados 25 km em Porto Velho, para passeios turísticos até Santo Antônio.

A última vez que o trem percorreu estes 25 km, foi em 90/Nov.

A EFMM foi administrada por João Dantas Cyrino, de 1979 a 1985; e novamente em 1991. De 1985 a 1991, foi administrada por Dionísio Shockness.

Conclusão

Nos 5 dias que permaneci em Porto Velho, conversei com inúmeras pessoas. Todas querem a total reativação da EFMM.

Os mais idosos reclamam muito da situação em que se encontra o pátio da Estação, junto ao porto fluvial: — "Aquilo é uma vergonha, à noite. Já é conhecido como Motel ao Ar Livre".

Fui muito bem atendido por todos. Falei com diversos funcionários da oficina de restauração da EFMM, e percebi que trabalham com amor e boa vontade. Espero que, com a recuperação das instalações — inclusive ressuscitando o Girador de locomotivas — , colocarão portões de acesso exclusivo para visitantes, e vigilância.

Turistas de todo o mundo chegam regularmente para conhecer o local, e decepcionam-se por não poderem fazer o passeio de trem.

Destaco, entre aqueles com quem conversei: — Jovens do Canadá, Estados Unidos, e um fotógrafo profissional da França, que encontrei por 2 dias seguidos no pátio da EFMM.

Em Ago/11, embarquei no barco Cortez VII, rumo a Manaus (AM), pelo rio Madeira, em viagem de 4 dias.

   

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  

Acompanhe no FB

Memória das lutas pela EFMM
1985 - Exposição sobre a EF Madeira-Mamoré | 1987 - Conheça a EF Madeira-Mamoré
1987 - Best-seller ajuda a reconstituir a época | 1991 a 1995 - Quadro de Avisos | 1992Apontado "golpe da reativação"
1992 - Comissão Geral EF Madeira-Mamoré | 1992 - Visita à EF Madeira-Mamoré | 1992 - A luta pela EF Madeira-Mamoré
1993 - MIS lança álbum da EF Madeira-Mamoré | 1993 - Madeira-Mamoré reabre este mês
1995 - Governador visita a EF Madeira-Mamoré | 1995 - Linhas de ação para reativar a estrada
1995 - Ferrovia volta a ter esperanças | 2001 - Seminário Internacional EFMM
Estrada de Ferro Madeira-Mamoré - EFMM
Cronologia | Tratado de Petrópolis | Fotos da construção | Panorâmica de Porto Velho
A Ferrovia do Diabo | Álbum do MIS | Documentação X destruição | Fotos de 1983
Mapas: 1970 | 1969 | 1965 | 1954 | Estações em 1960 | Abertura dos trilhos | 1910 | 1907
Acervo do Museu | Ferrovias da Amazônia

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade