Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
    

Nomenclatura GE (I)

Nilson Rodrigues
Centro-Oeste DC-20 (30-Out-1991)

A propósito da matéria sobre a nova locomotiva da Vale do Rio Doce, no DC-19/10, note que:

  • A designação "U" refere-se a "Universal", que significa "construção padrão", ou "comum". Por isso é que se nota que, entre uma U-23C e uma U-36C, quase não existem diferenças.
  • A designação "Dash", seguida do número 7 ou 8, refere-se ao estágio da evolução tecnológica, a partir do momento em que se iniciou a implementação de computadores no controle das locomotivas.
  • Entre as nossas locomotivas, a primeira a receber essa designação foi a C30-7 da EF Carajás.
  • A designação "30" ou "40" refere-se à potência de tração, e não à do motor diesel.

Outra coisa que deve ser esclarecida é que a utilização de 4 eixos é uma necessidade em função da distribuição da potência total para os motores de tração. Em função da bitola — e, conseqüentemente, do tamanho do motor de tração — , não é possível transmitir os 4 mil HP só para 6 motores de tração.

Note também que a potência preferida pela EF Vitória a Minas, em função do número de locomotivas X número de vagões, é a de 4 mil HP. A EFVM vem "namorando" locomotivas nessa faixa, há bom tempo, desde a desativação das magníficas Krauss-Maffei.

É uma pena que estas últimas não tenham dado certo, e — pior — nenhuma tenha sido preservada.

N. R.: Agradeço os esclarecimentos e, principalmente, as correções. Na correria para "fechar" o DC-19, esqueci de colocar a letra inicial em destaque, e também de assumir a responsabilidade pelas bobagens que andei falando... (FRC).

 

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

   

Dash 8-40BB da Estrada de Ferro Vitória a Minas
A nova locomotiva da Vale do Rio Doce


 
Flavio R. Cavalcanti
Colaboraram: Carlos Missaglia, Kelso Médici,
Flávio Lage, Alexandre Santurian, Jairo A. O Mello
Centro-Oeste DC-19 — 5 Out. 1991

Uma locomotiva da mais avançada tecnologia está se incorporando às U5, U6, U12, G12, U23, GT26 — e algumas mais modernas, como a SD40-2 — que compõem a velha frota brasileira, tão pouco atrativa para o modelista, face às maravilhas que rodam — e têm modelos HO — lá fora.

Trata-se da locomotiva Dash-8, com 6 unidades começando a rodar na EF Vitória a Minas, e 4 unidades rodando na EF Carajás — ambas, ferrovias da Cia. Vale do Rio Doce (CVRD).

O que significa?

A denominação "correta" das locomotivas é um negócio muito relativo. Para início de conversa, segue convenções estabelecidas por cada fabricante, variando portanto, de um para outro. Em seguida, sofrem aquela adaptação brasileira — e não apenas na bitola...

Por exemplo, U20C, na terminologia usada pela General Electric, significa: bitola métrica (U), 2 mil HP (20), 3 eixos por truque (C-C). De fato, porém, a adequação do projeto abrange desde a bitola de 0,914 metro até 1,676 metro (IF-40/5). E ela não deixa de ser chamada U20C, na versão de 1,60 metro.

No caso das locomotivas "Dash", a confusão tende a ser ainda maior, pois "Dash" parece um apelido. Em inglês, significa "Traço".

Dash-7, por exemplo, significa literalmente "Traço-7". A nomenclatura oficial da fábrica é C30-7, e "Traço-7" é uma abreviação evidente.

Dash-8

A coisa se complica com as Dash-8. Para início de conversa, quem imagina algo como "C30-8", já está enganado. A potência de 4 mil HP faz dela uma "40". Além disso, a sigla é invertida: chama-se 8-40C — e não C40-8, como se poderia imaginar. Não sei explicar. Alguém sabe?

Isso, quanto ao protótipo americano. Também existe por lá uma variedade chamada 8-40CW, cujas características ainda não entendi. Segundo David Bontrager, na Model Railroader de junho pp., é "the wide-nose Dash 8-40CW, the version with de North American cab". Parece fácil, mas não arrisco entender.

No caso da EF Vitória a Minas, de bitola métrica, o peso devia ser mais distribuído, com dois truques de 4 eixos. Seria uma 8-40D — como a própria General Electric chegou a divulgar num de seus releases para a imprensa. Até que alguém caiu em si, e mandou divulgar o release certo: é uma 8-40BB.

Ou seja: Ela não tem 2 truques de 4 eixos (D-D), mas 2 truques duplos, cada um formado por 2 truques de 2 eixos (BB-BB), para melhor se inscrever nas curvas da EFVM, inclusive pátios etc. Ao todo, são 8 eixos motorizados, com um motor elétrico por eixo.

Uma verdadeira loucura, daquelas que se tornaram a marca registrada da EFVM, uma das ferrovias mais eficientes do mundo — embora estatal, brasileira, e de bitola métrica...

Fico imaginando como se poderia adaptar um modelo para reproduzir o protótipo da EFVM. Afinal, protótipos e modelos americanos são 8-40C. Truques duplos BB não seriam difíceis, sem motorização. Mas, e com motorização?...

Para levar as 4 primeiras Dash-8 de Campinas, SP, à EFVM, foram cogitados os mais incríveis trajetos. Falou-se em levá-las pela antiga Mogiana até o Triângulo Mineiro, e daí pela RFFSA, para Belo Horizonte. Claro, a linha de bitola métrica da Rede não suportaria o peso.

Falou-se em levá-las a Santos, pela descida da Fepasa / Sorocabana, e embarcá-las para Vitória. Não foi aprovado. Ou talvez tenha sido apenas rebate falso.

Decidiu-se colocá-las sobre truques de bitola larga, sem motorização, para serem rebocadas pela Linha do Centro / Central do Brasil, de Campinas a Belo Horizonte. O gabarito da linha (túneis) não permitiu.

Voltaram, e foram levadas pela Ferrovia do Aço.

Computadores

Falo sobre detalhes que me intrigaram (como devem ter intrigado outros companheiros), e o pouco que pude apurar, com ajuda de material mandado pelo Carlos Missaglia, Kelso Médici, Flávio Lage, Alexandre Santurian, Jairo A. O. Mello e vários outros companheiros.

"Dash" (Traço) pode ter algum significado que me escapou até agora. Se alguém puder esclarecer mais, corrigir ou confirmar, agradeço imensamente.

Também ignoro outros trajetos que tenham sido cogitados, entre Campinas e a EFVM, bem como detalhes de cada opção rejeitada.

O material promocional da GE concentra-se principalmente nos computadores de bordo, que tornam a Dash-8 uma locomotiva de última geração.

Em resumo, os micro-computadores colocam-se entre a máquina e seu operador (maquinista), servindo como elo de ligação, orientação e, eventualmente, como barreira. Atuam em 3 áreas:

A) O sistema detecta qualquer falha que venha a ocorrer durante a operação. Um monitor de vídeo informa o operador, tão logo ocorra a falha, e ainda fornece dados que lhe permitem determinar rapidamente a sua causa.

B) Controlando desde a patinagem das rodas, até os motores de acionamento do compressor, e outros auxiliares, o computador administra o balanço energético da locomotiva, de forma a reduzir o consumo e manter sempre os níveis ideais de potência.

C) Mesmo quando tudo corre bem, o sistema mantém o maquinista constantemente informado sobre a temperatura, rotação, consumo de combustível e tudo que se refere à performance da locomotiva. Esses dados são armazenados, também, para ajudarem na manutenção.

Invasão

A Dash-8 já não é uma novidade, exceto no Brasil.

A GE tem mais de 15 mil locomotivas, de todos os tipos, operando em todo o mundo. Somente Dash-8, já são mais de 1,4 mil operando em ferrovias norte-americanas, canadenses e australianas. Portanto, já representa quase 10% da frota mundial da GE.

A Union Pacific — um dos maiores usuários da Dash-8 — recebeu mais de 250 máquinas, somente entre 87 e 89. Desde então, recebeu mais uma centena, do tipo 8-40-CW, e já tem outras encomendadas. Juntamente com as SD60 e SD60M da General Motors, as Dash-8 estão substituindo a frota das SD40-2 da Union Pacific (MR-9106/70).

Pouco destacado pelo release da GE no Brasil, é que as Dash-8 são as locomotivas mais potentes, atualmente em uso. Três Dash-8 fazem o trabalho de cinco locomotivas SD40-2 (idem).

A EF Carajás, da Cia. Vale do Rio Doce, com bitola de 1,60 metro, importou 4 locomotivas Dash-8 da GE norte-americana. Estão em operação desde 1989/Nov, com uma disponibilidade mensal acima de 95%. Acredito que sejam de rodagem C-C (Dash 8-40C), mas não obtive confirmação.

O material promocional da GE do B informa que as 4 primeiras 8-40BB fabricadas no Brasil foram entregues à EF Vitória a Minas (CVRD) em 1991/Jun/19. Não fica claro, mas creio que foi uma entrega "teórica". Só várias semanas mais tarde, as máquinas conseguiram chegar à EFVM.

A encomenda inicial da EFVM totaliza 6 máquinas. As outras 2 estavam previstas para entrega "em julho próximo", passado (FRC).

O novo protótipo da Vale... | Ficha técnica | Afinal, o que é Dash? | Locomotivas GE do B, no Brasil
Locomotivas da Estrada de Ferro Vitória a Minas
As "fases" das G-12 | Vista do teto | Em La Grange | A "Cabeçuda" | Conjunto Slug
G12 Acesita | G12 MRN
B12 | DH Krupp Bo+Bo+Bo | G-16 | GT-26CU2 | DDM-45 | BB45-2 nº 886 | Dash 8-40BB
Plantas de locomotivas da EFVM
B12 | G12 GM | GT26CU2 EMD-GM e Macosa | GT26CU2 GM-Villares | DH Krauss-Maffei | DDM45
Estrada de Ferro Vitória a Minas
Trem de passageiros Vitória - Belo Horizonte | Trem turístico Ouro Preto - Mariana | O novo trem da Vale
As "fases" das G-12 | Vista do teto | Ainda em La Grange | A "Cabeçuda" | Conjunto Slug | G12 Acesita | G12 MRN
G-16 | GT-26CU2 | DDM-45 | Dash 8-40BB | Vagão caboose | Fotos de 1971 | Simulador de trens | Antigo CTC
Mapa 2003 | Estações em 2003 | Mapa 1984 | Mapa 1970 | Estações em 1960 | Mapa em 1954 | Abertura dos trechos até 1944 | 1907
Vale
EFVM | EF Carajás | Ferrovia Norte-Sul
Trem Vitória - Belo Horizonte | Trem São Luís - Parauapebas | Trem Ouro Preto - Mariana
O simulador de trens | Antigo CTC
   

Nomenclatura GE (II)

Mário Roberto C. Paiva
Centro-Oeste nº 63 (1º-Fev-1992)

Sobre a nomenclatura das locomotivas diesel-elétricas GE, a primeira codificação — usada até os anos 70 — iniciava-se com a letra U, de Universal, nome da série de motores diesel que ela utilizava.

Seguiam-se dois dígitos indicativos da potência aproximada do motor diesel; e a letra B ou C, que designava o tipo de truque, com 2 ou 3 eixos.

Não me parece correta a afirmação do Nilson (DC-20/5), de que a potência seria a dos motores de tração. Em toda a literatura sobre o assunto, inclusive nas plantas das máquinas utilizadas em nossas ferrovias, a potência está sempre relacionada aos motores diesel. E, embora qualquer motor possa ter sua potência expressa em HP, usualmente essa unidade de medida é utilizada para motores de combustão interna.

A segunda série de locomotivas GE, lançada nos anos 70, teve uma segunda codificação, onde a letra do tipo de truque passou para a frente, sendo seguida pelos dois dígitos da potência, e mais o dígito "7" — que caracterizava a nova geração, criada na década de 70.

De forma similar, a nova série lançada nos anos 80 teve o dígito final substituído por "8".

Ocorre que nos EUA, quando uma nova série de determinado produto é lançada e distingüida da anterior por um dígito acessório precedido por um traço (dash), é comum a imprensa especializada designar o novo produto pela expressão "Dash-n°".

Isso ocorreu no início dos anos 70, quando a EMD-GM modernizou sua linha, acrescentando o "-2" aos códigos GP-40, SD-40 etc. Essas máquinas passaram a ser conhecidas como "série Dash-2".

Como o mesmo vinha ocorrendo com as máquinas da GE, esta resolveu, a partir do modelo de 4 mil HP, truques C-C (produzidos para a Union Pacific), oficializar essa expressão. Assim, esta máquina já foi codificada como "Dash-8 40-C".

Diga-se de passagem, existe também um avião, concorrente do Brasília, que é conhecido como "Dash-8".

  
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014


Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade