Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Locomotiva da "Estrada de Ferro Estrela" (E.F.E.), encarrilada em trilhos Frateschi
Locomotiva da "Estrada de Ferro Estrela" (E.F.E.), encarrilada em trilhos Frateschi. Observe as rodas centrais sem flange

  

Para uma história do ferreomodelismo no Brasil
O trem de lata da Estrela


 
Flavio R. Cavalcanti

O trem de lata da Estrela — bem anterior ao Ferrorama — parece ter sido lançado em 1956, e utilizava a bitola HO de 16,5 mm.

A carenagem da locomotiva era moldada para imitar toscamente uma locomotiva a vapor — das mais estranhas, diga-se de passagem, com aspecto aerodinâmico modernoso —, com uma série de detalhes litografados em vermelho e branco sobre fundo preto.

Na década de 1980, o Gilberto Coutinho e eu arrematamos um desses trens, oferecido pelo Marcelo, da extinta Brinquelândia. Colocada sobre trilhos Frateschi, a locomotiva saiu rodando normalmente, sem qualquer manutenção prévia.

Os trilhos da Estrela (foto abaixo) eram de lata dobrada, na forma de "U" invertido (ou Ômega), ficando oco o miolo. A junção das várias seções de "trilhos" fazia-se por pinos encaixados nessa parte oca. Consta que o controlador de marcha do trem era uma caixa com 3 pilhas comuns de lanterna. Os dormentes pareciam feitos de papelão prensado, chamado na época de "baquelite", um material bastante rígido.

Os vagões de carga também eram feitos em lata, com detalhes litografados nas mesmas cores. Tinham truques de dois eixos, porém ostentavam topes (amortecedores) ao lado dos engates, disposição típica de trens europeus — utilizada, no Brasil da época, pela antiga São Paulo Railway e, por necessidade de intercâmbio, pela Cia. Paulista de Estradas de Ferro.

Os engates também eram de lata, para operação manual.

Atualizações do “Centro-Oeste”
Ferreofotos | Ferrovias | Ferreomodelismo | Ferreoclipping | Bibliografia
Locomotiva e vagão em lata estampada, da Estrela
Estrela: Locomotiva e vagão em lata estampada; trilhos em lata dobrada, dormentes de fibra

Depoimentos

de Paulo Ramalho
data 16 de novembro de 2010 09:58
assunto Res: [eCO_na_Hora] O trem de lata da Estrela

Eu tive um conjunto desses (ganhei de Natal de 1957, quando tinha 8 anos) e funcionava muito bem. Esse conjunto é anterior aos primeiros trens feitos pela Atma. Os dormentes eram de papelão encerados, não eram de baquelites. Acredito que tenho algumas peças ainda e o tender.

O conjunto era formado pela locomotiva, tender e dois vagões de passageiros, um vermelho e outro azul, ambos com chassi preto, todos litografados, à exceção do tender que era todo preto, com chassi vermelho. As rodas eram de aço, negras. Devido às cores das rodas serem vermelhas e o chassi do tender idem, passa-me a idéia que o fornecedor da tecnologia tenha sido algum fabricante de brinquedos alemão.

Quanto a funcionar em corrente contínua era posível, pois utilizava como máximo 4,5 v, inclusive isto era dito em seu manual de instrução.

Os primeiros trens da Atma, no entanto, eram em corrente alternada, por isso usavam 3 trilhos, ou seja, um retrocesso em relação ao trem da Estrela.

Paulo Ramalho

de V.O.1ª da C.T.
data 16 de novembro de 2010 16:25
assunto Re: [Confrariadotrem] O trem de lata da Estrela (1956)

O meu eu ganhei em 1959, curtí um bom tempo.

KNA

de V.O.1ª da C.T.
data 16 de novembro de 2010 16:44
assunto Re: [Confrariadotrem] O trem de lata da Estrela (1956)

Em 1962 veio um "Atma" (CA) e o da "Estrela" ficou parado.

KNA

de cwilsr
data 16 de novembro de 2010 18:47
assunto Re: [eCO_Semanal] O trem de lata da Estrela

Era o mais simples da época este trem, o mais barato encontrados nas lojas e magazines.

Sua cx de pilhas pela simplicidade em que se referi, não deixava de ser uma lanterna de três pilhas como citou. Era de forma quadrada em uma extremidade uma porta com uma mola para ajuste das pilhas, e da outra um pino de papelão (comando) com três marchas, neutro, frente e re, com seus fios saindo para os trilhos.

Época boa de criança e saudades, tive um destes, mas como disse era criança e não durou muito, assim como os demais que tive.

Hoje sou um colecionador, ao ponto de não colocar meus trens nos trilhos para não os tirar da cx's.

abs,

clovis wilson russo

de Darcy Signoretti
data 19 de novembro de 2010 17:35
assunto Re: [EFB_Model] O trem de lata da Estrela (1956)

Eu tive um trenzinho desses da Estrela.

Ganhei de Natal acho que por volta de 1958.

A pista era um ovalzinho, o controlador era um tubo de plastico vermelho bipartido, onde se colocavam 3 pilhas grandes. Em uma das extremidades do tubo tinha uma testeira com dois botões para frente e ré.

Me diverti muito com esse bichinho, o problema era quando acabava as pilhas, tinha que esperar muito tempo. Custava muito caro.

Grandes Lembranças

Darcy

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

Vagão do trem de lata da Estrela, com truques de dois eixos, porém com topes (amortecedores) típicos de ferrovias européias
Vagão do trem de lata da Estrela, com truques de dois eixos, porém com topes (amortecedores) típicos de ferrovias européias
O trem de passageiros da Estrela, que rodava em trilhos de bitola 16,5 mm, embora não seguisse qualquer escala
Trem de passageiros da Estrela, com a mesma locomotiva utilizada para o trem de carga
O trem de lata da Estrela | Um pré-ferrorama?
Marcas da história do ferreomodelismo brasileiro
Metalma | Erka | A bitola O brasileira | Estrela | Atma | Frateschi | Pioneer | Modeltrem / Hobbylândia | Miniaturas Artesanais
MR Custom | LAF | Phoenix | GM Paint | Minitec | Herpa | MRZ Decais | Pinto Family | Decais do Carlão | Hobbytec
Produtores em atividade | Lojas e serviços
Para uma história do ferreomodelismo no Brasil
Pré-História & Priscas Eras | Cronologia 1945-1965 | Cronologia 1965-1969 | Acréscimos & correções
Pioneiro vendeu tudo para se estabelecer | Fiz minha primeira locomotiva sem saber que era "HO"
A bitola O brasileira | "Você é europeu ou americano?" | Brinquedos Frateschi | Ferreomodelismo Frateschi
Afinal, quem somos nós, os ferreomodelistas? | Publicações marcam períodos de expansão
Publicações da história do ferreomodelismo brasileiro
Manual Atma CA | Manual Atma CC | Sport Modelismo | EFOM | Informativo Frateschi | Apontamentos
Ferrovias para você construir | Estatutos da SBF | Catálogos Frateschi | Esporte Modelismo | Centro-Oeste
Catálogo Miniaturas Artesanais | Catálogo Model / Hobbylândia | Catálogo History | Ferrovia | Revista Ferroviária
Revista Brasileira de Ferreomodelismo | Informativo AFRJ | Escala Dupla | Escala UMM | Composição
Dormente de Ferro | Taipin | Dormente de Ferro | Trem de Ferro | SD40-2 | Jornal do Ferreomodelista
Guindastes ferroviários no Brasil | ABC do Ferreomodelismo | Como divulgar o hobby?
Publicações marcam períodos de expansão | Centro-Oeste inaugura sua tipografia eletrônica | Publicações listadas até 1991

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade