Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Miniaturas de automóveis da Herpa do Brasil em escala HO, utilizáveis em maquetes de ferreomodelismo
Voyage – Santana – Del Rey – Passat – Monza 3 volumes – Monza Hatch

Miniaturas para maquetes de ferreomodelismo
Entrada da Herpa vira uma página

Centro-Oeste n° 64 — 10-Mar-1992

O lançamento de automóveis HO pela Herpa do Brasil começa a encerrar uma longa época, em que o modelista tinha de fazer malabarismos.

Os modelos em escala HO (1:87) que a empresa começou a fabricar em 91/Nov — com moldes e tecnologia da Herpa alemã (Fritz Wagener) — pouco ou nada ficam devendo às melhores marcas do mundo.

Impressionam, especialmente, os modelos com pintura metálica, cujos detalhes adquirem grande realismo.

Além do Monza, Monza Hatch e Voyage (Quadro), a Herpa do Brasil já está preparando mais 3 lançamentos, para dentro de 1 mês; e anuncia que pretende lançar seu primeiro modelo de caminhão em outubro.

A intenção declarada pela empresa é continuar lançando novos modelos; bem como, utilizar a impressão nos modelos por processo tampográfico.

Ainda não é o paraíso. Os moldes enviados ao Brasil são itens retirados de linha na Alemanha. Não é tão grave, pois muitos protótipos também são. A dificuldade é que nem sempre os protótipos são iguais, lá e aqui.

O Opel Ascona reproduz bem o Monza 4 portas (Foto de Capa). O mesmo já não acontece com o Monza Hatch", que no Brasil só teve versão 2 portas, com vidros inteiriços onde seriam as portas de trás. O modelista mais exigente deve fazer uma cirurgia com massa, bisturi, e nova pintura.

O Audi 80 GTE também reproduz bem o Voyage 4 portas, ainda que o comum no Brasil seja de 2 portas. Bem de perto, o logotipo da Auto Union — 4 círculos entrelaçados — pode estragar o sono dos mais fanáticos.

A Herpa do Brasil foi criada há cerca de 2 anos, especialmente para produzir no País os modelos HO (1:87) da Fritz Wagener. Desde janeiro, encontra-se em novo endereço:

Herpa do Brasil Ind. de Brinquedos Ltdª R. Cel. Herculano de Araújo, 76 81050 Curitiba, PR Fax / Tel.: 041-246-1088

Detalhamento

O 3 modelos trazem detalhes perfeitos do corpo — retrovisor lateral, maçanetas, tampa do tanque, frisos laterais, entradas de ar etc.

Mas é com a pintura metálica que esses detalhes se destacam, devido ao contraste entre as partes do relevo que brilham e as que ficam sombreadas, de qualquer ângulo que se olhe.

O "vidro" proporciona ótima visão do interior. Lá estão as linhas horizontais no vidro traseiro; e até o retrovisor interno — uma ilusão criada em relevo, na superfície interna do para-brisa. Pode-se pintar o retrovisor, tornando a ilusão ainda mais perfeita.

No Voyage, também é no "vidro que surge o limpador de para-brisa, em relevo, podendo ser pintado para obter um aspecto ainda mais real.

Nos modelos Monza, os limpadores dianteiros são peças finíssimas do corpo do modelo — na mesma cor — projetando-se sobre o para-brisa. No Monza Hatch, há o limpador traseiro, também moldado com o corpo. O maquetista exigente não hesitará em pintá-los, para torná-los ainda mais reais.

Nos modelos Monza, até os faróis são em plástico transparente, não dispensando o relevo do "vidro" (hachuras horizontais). As lanternas traseiras limitam-se ao relevo, podendo ser pintadas para dar mais vida.

Desmontando

Os modelos Herpa podem ser desmontados facilmente, uma vez que todas as partes são projetadas para se encaixarem — como um sanduíche de vários "andares" — , sem uso de cola.

Um "ferrinho de dentista" (Tenax n° 5) mostrou-se ideal para este fim. Insere-se a ponta entre uma e outra "camada", e usa-se como alavanca, afastando-as. Procure fazer isso nas 2 pontas, para não forçar os encaixes.

Escolhi um Monza sem pintura metálica (plástico injetado em vermelho e em preto), o modelo com maior número de "camadas". Encontrei as seguintes camadas, de baixo para cima:

  • O chassi (plástico preto) com todo detalhamento inferior. Nessa "camada", estão os 4 pinos que fixam as demais.
  • A parte inferior do corpo (vermelho), abaixo do friso. Junto com o chassi, prende o eixo das rodas.
  • A "fatia" fina a meia altura do corpo (plástico preto) com os para-choques, friso lateral e grade do radiador. Essa última, prende os faróis em cunha. Puxe o "vidro" para trás, para soltá-lo.
  • A camada em plástico preto com os detalhes do interior.
  • A camada transparente com os faróis e os "vidros".
  • A parte superior do corpo, em plástico vermelho.
  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

 

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

Além dessas 6 peças, o modelo é formado pelos pneus, as rodas em plástico prateado, e os eixos de aço. Cada roda parece soldada ao eixo, o que evita problemas. Os pneus desencaixam da roda para dentro, evitando sua perda.

O sistema de "camadas" facilita modificações e nova pintura, pelo maquetista, partindo de um modelo em plástico branco (FRC).

Um nome de peso

Automóveis e caminhões da Herpa alemã ocupam 8 das 68 páginas que a Walthers dedica, em seu catálogo HO, às marcas que distribui para as lojas dos Estados Unidos.

São especialmente interessantes os "acessórios", entre os quais, containers de 20 e de 40 pés; e diversas peças avulsas, como sirenes, retrovisores, pneus, rodas, decais etc.

Infelizmente — para os que preferem ferrovias antigas —, a linha Herpa só inclui automóveis e caminhões modernos.

Também está claro que nem a Herpa, nem outro fabricante estrangeiro, dispõe de uma linha de moldes 100% adequados à realidade brasileira, e que pudessem ser licenciados para produção local.

Um ponto a meditar, quando se discute a Frateschi (FRC).

  
Modelo
Cores
Protótipo
Monza
Verde metálico, Cinza metálico e Branco
Opel Ascona
Monza Hatch
Vermelho e Branco
Opel Ascona
Voyage
Azul metálico e Branco
Audi 80 GTE
Infelizmente — como se viu depois — a página não foi virada. A Herpa do Brasil chegou a acumular a produção de vários meses em estoque, devido à pouca saída, e afinal desistiu do empreendimento
(FRC, 18-Nov-2000)
Marcas da história do ferreomodelismo brasileiro
Metalma | Erka | A bitola O brasileira | Estrela | Atma | Frateschi | Pioneer | Modeltrem / Hobbylândia | Miniaturas Artesanais
MR Custom | LAF | Phoenix | GM Paint | Minitec | Herpa | MRZ Decais | Pinto Family | Decais do Carlão | Hobbytec
Produtores em atividade | Lojas e serviços
Para uma história do ferreomodelismo no Brasil
Pré-História & Priscas Eras | Cronologia 1945-1965 | Cronologia 1965-1969 | Acréscimos & correções
Pioneiro vendeu tudo para se estabelecer | Fiz minha primeira locomotiva sem saber que era "HO"
A bitola O brasileira | "Você é europeu ou americano?" | Brinquedos Frateschi | Ferreomodelismo Frateschi
Afinal, quem somos nós, os ferreomodelistas? | Publicações marcam períodos de expansão
Publicações da história do ferreomodelismo brasileiro
Manual Atma CA | Manual Atma CC | Sport Modelismo | EFOM | Informativo Frateschi | Apontamentos
Ferrovias para você construir | Estatutos da SBF | Catálogos Frateschi | Esporte Modelismo | Centro-Oeste
Catálogo Miniaturas Artesanais | Catálogo Model / Hobbylândia | Catálogo History | Ferrovia | Revista Ferroviária
Revista Brasileira de Ferreomodelismo | Informativo AFRJ | Escala Dupla | Escala UMM | Composição
Dormente de Ferro | Taipin | Dormente de Ferro | Trem de Ferro | SD40-2 | Jornal do Ferreomodelista
Guindastes ferroviários no Brasil | ABC do Ferreomodelismo | Como divulgar o hobby?
Publicações marcam períodos de expansão | Centro-Oeste inaugura sua tipografia eletrônica | Publicações listadas até 1991

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade