Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Artilharia ferroviária

Jairo A. O. Mello

Podemos dizer que, num dia, inventaram o trem; no seguinte, a artilharia ferroviária. Desde a guerra civil americana até a II Grande Guerra Mundial, ocorreu um desenvolvimento contínuo. Hoje, esses gigantes são obsoletos, diante da evolução tecnológica dos armamentos.

A artilharia ferroviária foi a arma das potências continentais, possuidoras de grandes malhas ferroviárias, possibilitando grande mobilidade às peças.

O primeiro grande plano para uso desse tipo de armamento foi realizado na Inglaterra, no 1° quarto do século XIX. O primeiro uso em combate deu-se em 1865, na guerra civil americana.

Na I Guerra Mundial, despontam os alemães com seus famosos Krupp — "canhão de Paris", — capazes de disparos com alcance de 132 km.

Durante a guerra civil russa, foram usados vários canhões ferroviários, bem como vários trens blindados.

França, Inglaterra, Estados Unidos e outros países desenvolveram vários tipos de canhões ferroviários, no interlúdio das guerras mundiais, todos com problemas de posicionamento.

A grande evolução devemos, de novo, aos alemães, tanto da Krupp quanto da Deutschreichsbahn. Eles desenvolveram um girador — possibilitando posicionar rapidamente a peça e trocar logo de posição — e que tomou o nome de seu criador, Vogele. Era todo desmontável e de fácil transporte.

Os alemães foram os últimos grandes usuários da artilharia ferroviária.

O exército americano desenvolveu um novo uso para a artilharia ferroviária — a artilharia de costa móvel —, por possibilitar maior mobilidade para as peças, tornando mais difícil a localização das baterias. Um real avanço em relação à técnica de pontos fixos na costa, desenvolvida pelos alemães na I Guerra Mundial.

O modelo de artilharia ferroviária adotado no Brasil foi o americano.

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Campos do Jordão
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem da Mantiqueira
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Barra do Rio Grande
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

São Paulo - Santos
Cruzeiro - São Lourenço
Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes
Trem Curitiba - Lapa

Calendário 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

   
Canhão ferroviário preservado no Museu Militar Conde de Linhares (MMCL), em São Cristóvão, Rio de Janeiro
Canhão ferroviário preservado no Museu Militar Conde de Linhares (MMCL), em São Cristóvão, Rio de Janeiro.
Foto: Newton Carneiro

Canhões ferroviários
Artilharia ferroviária no Brasil


 
Jairo A. O. Mello
Centro-Oeste n° 65 — 10 Abr. 1992
Fotos: Newton Carneiro e Jorge A. Ferreira Jr, 2001
Artilharia ferroviária no Brasil | Características do canhão

Em 1940, o capitão de artilharia Alfredo Bruno Gomes Martins foi designado para a missão militar brasileira nos EUA e produziu um relatório preconizando a compra de 11 canhões, excedentes dos arsenais americanos, bem como plataformas ferroviárias.

Efetivada a compra, retornou em 1942. Assumiu a comissão de recebimento do material, que foi transformada na comissão técnica que concluiu pela necessidade de modificações no material original.

Todo o trabalho foi efetuado sob sua direção e orientação, nas oficinas Trajano de Medeiros, no Engenho de Dentro, Rio de Janeiro. Também projetou todo o material rodante.

Pelo decreto-lei n° 5.370, de 2 Abr. 1943, foi criado o 13° Grupo Móvel de Artilharia de Costa, com estado maior; seção extra; e duas baterias de tiro, com a missão de reforçar a defesa do porto do Rio de Janeiro.

A fase de organização da unidade foi levada a efeito na sede da Diretoria de Defesa de Costa, então situada no Ministério da Guerra, ala Marcílio Dias, comandada pelo general de brigada Sebastião do Rego Barros.

    Mapa 1 - Localização das instalações da artilharia ferroviária em relação aos trilhos em Niterói
Mapa 1 - Localização das instalações da artilharia ferroviária em relação aos trilhos em Niterói

Pelo aviso ministerial de 8 Abr. 1943, passou a ter autonomia administrativa, devendo ocupar uma posição em Inoã, no município de Maricá, RJ (mapa 2).

O local destinado para sede da unidade era um antigo armazém para guarda de excedentes de café. Estava situado no bairro de Santana do Maruni, no município de Niterói (outros, consideram que o bairro seja o do Barreto).

A área era alagadiça, cercada por terrenos particulares e necessitando de aterro. Para a maioria, nada mais era que um pantanal. Esse foi um grande problema que teve de ser enfrentado, para transformar tudo aquilo em um aquartelamento.

Em Jan. 1944, foi aprovado projeto para transformação do imóvel. De janeiro a outubro, foram construídos:

  • Pavilhão sanitário
  • Garagem para material moto-mecanizado
  • Cisternas e caixa d'água
  • Cozinhas
  • Linhas ferroviárias
  • Divisão dos armazéns (administração e alojamentos)

O pavilhão da gare (antigo armazém) foi o esforço principal. Abriu-se uma enorme parede que dá frente para a vila operária. Foi removido todo piso do interior, para passagem dos trilhos.

Feito o aterro, foram assentadas as linhas para manobrar os vagões e dar acesso à gare.

O local não era o ideal para guarda do material ferroviário, pois a maior parte ficaria ao relento, trazendo sérios prejuízos com os anos. Em relação à segurança, a área nada oferecia, com uma simples cerca de arame farpado.

A instalação oficial se deu em 16 Nov. 1944, na presença de altas autoridades. Esta solenidade marcou época. Às 10h em ponto, uma locomotiva apitando passou pelo portão, capitaneando a composição de 22 vagões com os pertences que eram a quase totalidade do material do grupo. Foguetes espoucavam anunciando a chegada.

Foi seu primeiro comandante o tenente-coronel Olindo Denys. Em Mar. 1945, assumiu o tenente-coronel Augusto Frederico de Araújo Corrêa Lima. A 17, ocorreu a cerimônia de apresentação da bandeira.

Pelo aviso ministerial de 24 Abr. 1945, a denominação do grupo passou a ser "1° Grupo Ferroviário de Artilharia de Costa — 1° GFAC".

   

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  
Mapa 2 - Trilhos das estradas de ferro Leopoldina e Maricá na área de atuação da artilharia ferroviária no litoral norte fluminense
Mapa 2 - Trilhos das estradas de ferro Leopoldina e Maricá na área de atuação da artilharia ferroviária no litoral norte fluminense

No início de Mai. 1945, começa o período de instrução. De 5 a 15, exercício de tiro real, tiro de velocidade inicial e de tabela, sob a orientação do major QTA Alfredo Bruno Gomes Martins. Para tal, instalou-se em Inoã e Buriche, na Estrada de Ferro Maricá.

Em 24 Abr. 1946, assume o tenente-coronel Edgard de Paula Costa. O boletim reservado n° 6-6, 28 Jan. 1947, torna sem efetivo uma bateria do grupo. Pela primeira vez, é citada a bateria de comando.

Entre 24 Jul. e 4 Ago., a bateria de comando e a 1ª bateria se deslocaram para a fazenda da Conceição, na estrada da Conceição, município de São Gonçalo, para exercícios de serviço em campanha. Durante os exercícios, recebeu a visita dos alunos da escola técnica do Exército, que participaram do tiro real.

Em 27 Out. 1947, o grupo deslocou-se para a região de Inoã, acampando na fazenda Taquaral com três composições ferroviárias estacionadas em um triângulo, com desvio de 120 metros construído pelo pessoal do grupo. O tempo gasto dá uma média de 4 h por trem, do quartel até Inoã.

Em 31 Out. 1947, exercício de tiro real com a presença e direção do diretor do polígono de Marambaia, tenente-coronel Edgard Alvares Lopes, com alvo rebocado e alvo fixo na ilha de Maricá. O grupo estava com dois canhões.

Em 13 Nov. 1947, foram recebidas duas viaturas cozinha.

Durante o comando do tenente-coronel Paula Costa, os vagões sofreram uma enorme reparação, com mudança de todo madeirame, reparação de todo interior e pintura.

A 26 Ago. 1948, ordem de deslocamento a 27 par a região de Inoã, para manobras. Em 17 Out. 1949, deslocamento para Inoã, para exercícios de tiro real. Em 7 Ago. 1950, deslocamento para a fazenda Taquaral, para exercícios de tiro real. Em 2 Set. 1951, ocorreu o primeiro deslocamento para Imbetiba, em Macaé, para exercícios de tiro real.

Em Dez. 1951, mudou a denominação para "1° Grupo de Artilharia de Costa Ferroviária — 1° GA Cos FV". Em 10 Jan. 1952, assume o tenente-coronel Brunno Augusto Coelho Netto. Em 24 Jul. 1952, o grupo seguiu para Macaé, via EF Leopoldina, para exercício de tiro real — uma bateria de tiro — uma composição.

Em 10 Abr. 1953, assume o tenente-coronel Alcides Boiteaux Piazza. Em 2 Out. 1953, é recebida a primeira turma de aspirantes. Em 2 Dez. 1953, é criada a flâmula da unidade.

Em 20 Mai. 1954, assume o coronel Paulo Joaquim Lopes. O relatório deste ano cita a existência de miniaturas em escala, do material rodante, para instrução. Em 1º Ago. 1955, assume o coronel Antônio Carlos da Silva Muricy. Em 31 Mai. 1956, assume o tenente-coronel Irto Sardenberg.

Em 9 Set. 1957, segue um destacamento para preparar o campo de tiro na região de Inoã. Em 21 Nov., seguiu uma coluna motorizada, composta por quatro viaturas com reboque. Em 23 Nov., seguiram duas composições ferroviárias.

Logo após assumir o comando, o tenente-coronel Irto iniciou a recuperação das viaturas do grupo, pois encontravam-se inservíveis. Foi dada manutenção a todo material ferroviário.

Nas comemorações do 15° aniversário do grupo, o tenente-coronel Irto recepcionou o ministro da Guerra, general Lott, que veio em lancha especial até o porto do Maruni, e daí até o grupo. Na mesma época, o pátio foi asfaltado.

Em 7 Abr. 1958, seguiu para Macaé uma turma de reconhecimento para estudar o local para exercício de tiro. Em 11 Abr., seguiu o grupo, dividido em comboio motorizado e ferroviário.

Em 30 Jun. 1958, assume o tenente-coronel Carlos Alvares Noll. Sob sua orientação, todos os truques e madeiramento dos vagões foram reparados, todo material de artilharia revisado e posto em condições de cumprir qualquer missão.

Em 26 Jan. 1959, parte para Macaé o grupo de reconhecimento e topografia, para preparar a área para exercícios de tiro.

Em 4 Mar. 1959, deslocamento do grupo para Macaé. Acantonado em Imbetiba. Em 15 Mar., apresentou-se ao comando do grupo a equipe de análise de tiro. Em 17 Mar., início do exercício de tiro real.

Em 4 Jan. 1960, foi incluído na carga do grupo o vagão-saúde doado pela EF Leopoldina.

Em 9 Fev. 1960, deslocamento, para Macaé, da ala motorizada. Em 10 Fev., da ala ferroviária. Acantonado em Imbetiba. Autorização para consumo de 16 tiros.

O grupo foi extinto em 14 Jun. 1961. Em 1º Jul., cassada sua autonomia.

Material

Em 1923, logo após a conferência de limitação dos meios navais, realizada em Washington, a marinha dos EUA declarou supérfluos (excedentes) vários tipos de canhão. O exército os manteve em depósito, assim como a marinha.

O canhão de 7 polegadas, originalmente fabricado pela Bethlehem Steel Corporation para cruzadores da marinha, estava nessa leva, por haverem mudado as especificações. O novo padrão mínimo era, agora, de 8 polegadas.

Dos estoques da marinha dos EUA, o Brasil adquiriu 11 peças com os respectivos reparos ferroviários M1A1.

As principais modificações introduzidas foram:

  • Inversão do canhão, o que permitiu um maior ângulo de elevação.
  • Aumento da carga de projeção, conseguindo com isso um aumento de 5.200 metros no alcance.
  • Adaptação da plataforma M1A1 para bitola métrica (originalmente, era na bitola padrão de 1,435 m).

Todo material, tanto o modificado quanto o produzido, foi feito nas oficinas Trajano de Medeiros, sob controle da Estrada de Ferro Central do Brasil e do capitão Bruno.

O apoio técnico era dado pelas oficinas da Urca. A munição era preparada pela fábrica do Realengo.

Quadro de pessoal – Núcleo base

Bateria de comando e serviços
  • Artilheiro de costa
  • Ferroviário assentador de linha
  • Saúde — Pessoal de saúde
  • Comunicações
  • Transportes
  • Burocratas
  • Corneteiro
Efetivo variável – Bia C Su
  • Pessoal de munições
  • Pessoal de peça e munição
  • Pessoal de levantamento e observação
  • Pessoal de tração e tráfego
1ª Bateria
  • Pessoal de direção de tiro
  • Pessoal de câmara de tiro
  • Pessoal de tração e tráfego
  • Pessoal de peça e munição
  • Comunicações
  • Pessoal de levantamento e observação

Conclusão

Infelizmente, ainda não foi possível localizar as plantas do material rodante do grupo.

Do projeto inicial de 4 grupos de artilharia ferroviária, resta apenas um vagão-peça, em monumento no antigo aquartelamento do grupo.

Aos veteranos do Gefac e ao arquivo histórico do Exército, os meus sinceros agradecimentos.

Artilharia ferroviária no Brasil | Características do canhão
Vagões-prancha rebaixados e vagões especiais
Ferreomodelo EFS (I) | Ferreomodelo EFS (II) | Ferreomodelo EFSJ | Ferreomodelo EFCB | Ferreomodelo RFFSA
Para fazer um vagão prancha rebaixado | A fonte | O vagão da EF Sorocabana | Um transformador para o vagão prancha rebaixado
Vagão especial da Usiminas | Ferreomodelo do vagão especial | Vagão prancha Usiminas com gabarito para cargas especiais | Canhão ferroviário
Estrada de Ferro Maricá
1936: Vagões | Locomotivas | 1938: Neves |
Estações em 1960 | Mapa em 1954 | Artilharia ferroviária
Estrada de Ferro Leopoldina
Retrilhando a Leopoldina” | Montanhas Capixabas | Memórias da Leopoldina | Histórico & mapa
A serra das Garrat (I) | E por falar na serra de Friburgo... (II)
A serra das Garrat (III) | A serra das Garrat (IV)
As experiências da Leopoldina | As experiências da Leopoldina (II)
DH Esslingen | Artilharia ferroviária | Ferreosfera
Estações em 1960 | Trechos abertos até 1944
Mapas
1991 | 1984 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1907| 1898
Carregamento de pó de mármore | Caboose
Vagões em Porto Novo | Patrimônio histórico: opção de futuro
   

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade