Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

   

Locomotivas a vapor
Falando das Niagara e Gelsa


 
Délio Araújo
Centro-Oeste DC-11-12 — 6 Abr. 1991

Eu morava em Belo Horizonte, quando a Rede Mineira de Viação (RMV) recebeu as 4-8-4 Niagara, ou Northern. Vi as máquinas no pátio dessa estrada, sendo abastecidas com lenha. O pessoal da RMV estava rodeando as soberbas locomotivas, imponentes com seus tenders de truques de 6 rodas, stocker mecânico, lubrificação automática em quase todas as peças rotativas.

No entanto, as 4-8-4 não foram bem sucedidas na RMV. As linhas dessa estrada eram inadequadas para o peso, comprimento e base rígida das Baldwin. Foram destinadas ao tráfego de calcáreo de Arcos (MG) para Volta Redonda (RJ), no trecho até Ribeirão Vermelho. Foram encostadas, após breve experiência, e "cortadas", como se dizia naquela época, para significar a transformação em sucata.

Como diz o Eduardo Coelho no DC-10/5, devem ter sido as mais modernas vaporosas que o Brasil recebeu, tanto essas americanas da RMV como as da NOB, da VFRGS e da RVPSC.

Ele tem razão ao se referir às francesas Gelsa 4-8-4 como tendo sido um grande fiasco. Vi uma delas na EF Vitória a Minas, onde eram denominadas Pocono. Não rebocavam mais que uma 2-8-2 americana, nem vi Pocono alguma em trens de passageiros. Isso foi lá por 1952 ou 1953, não me lembro bem. Ao que me recordo, ouvi dizer que eram de manutenção difícil e problemática. Se a EFVM tinha essa idéia das Gelsa 4-8-4, é sinal de que não corresponderam à expectativa de serem máquinas adequadas à realidade local, na qual a manutenção era de alto padrão.

As locomotivas Niágara 4-8-4 no Brasil
Falando das Niagara e Gelsa | As longas da VFCO e suas lendas
Locomotivas a vapor
Como funciona a locomotiva a vapor | Detalhamento de uma Mikado
Classificação de locomotivas a vapor | Classificação Whyte | Classificação Whyte, França, Alemanha | Tentugal nº 50 vs. F.M.Whyte
As locomotivas Garrat no Brasil | Um apito para cada situação | A balada de Casey Jones | Fornalha Wootten
Pacific 4-6-2 nº 339 e 340 RMV | Locomotivas da EF Perus-Pirapora | Jung da Usina Monte Alegre (PB)
Miniatura Mikado realmente a vapor | Vídeo da locomotiva Mikado 165 EFVM
   

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade