Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Esquema de ligações elétricas para um desvio escondido para trens

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  
  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

   

Maquetes de ferreomodelismo
Escondendo trens sem perder de vista


 
Flavio R. Cavalcanti - Centro-Oeste nº 22 ()

Desvios vivos — desvios com entrada e saída em seqüência —, dentro de um túnel, são um artifício simples para tirar de circulação determinada composição, e fazer aparecer outra, que estava desaparecida.

Isto simula a existência de um local distante, para onde os trens viajam; e de onde chegam outros trens.

  • Mas, como saber em qual das linhas escondidas está o trem?

  • Virado em qual direção?

  • Como saber se parou corretamente, no desvio, sem avançar ou deixar parte dos vagões na linha principal?

A alternativa apresentada aqui é simples e prática, pois não utiliza circuito eletrônico, sensores, células fotoelétricas, etc. É um projeto "eletro-mecânico", ao alcance de qualquer ferreomodelista.

Foi projetada e testada com êxito pelo Luiz Alberto, da Sociedade de Modelismo Ferroviário de Brasília (SMFB).

O esquema elétrico da fig. 1 é um exemplo com apenas dois desvios vivos (T1 e T2), para simplificar. A partir desse esquema, você pode fazer um túnel com quantos desvios vivos desejar.

Os elementos básicos são:

  1. O trilho comum ("neutro") é ligado diretamente ao pino preto do Controlador, para "retorno" da corrente, e não tem interrupções.

  2. O trilho ativo é interrompido em 4 pontos, formando 3 subseções — L (leste), W (oeste) e C (central) —, sendo L e W de tamanho suficiente para conter a maior locomotiva em uso na ferrovia.

  3. Os interruptores L e W são alimentados pelo interruptor C — assim, o desvio completo pode ser desligado sem alterar a posição dos interruptores L e W. Geralmente um deles permanecerá ligado; e o outro desligado, indicando a posição da locomotiva.

  4. A cada interruptor corresponde uma lâmpada de 12 volts no painel. Isto permitirá visualizar se um desvio completo (T1 ou T2) está desligado (3 lâmpadas apagadas); ou se apenas L ou W está desligado (1 lâmpada apagada). Ver fig. 2.

  5. Cada lâmpada é alimentada pelo fio (ativo) que vai do interruptor à respectiva subseção L, C ou W — porém o "retorno" da lâmpada volta diretamente ao Controlador, sem passar pelo trilho "neutro". Em resumo, é uma derivação paralela, e não em série com o trilho. Veja a ligação das lâmpadas na fig. 4.

    1. Esse "retorno" da parcela de corrente que passa por todas as lâmpadas pode ser agrupado num único fio, colocando-se nele um resistor para impedir que elas venham a queimar. O resistor deve ficar "antes" de o fio preto reunir-se ao outro que volta do trilho comum, ou ficaria em série, e reduziria a alimentação da via férrea.

  6. A caixa de acionamento dos AMVs deve ser instalada no painel, ao lado das lâmpadas e interruptores. Para cima significa que os AMVs estão virados para T1, cujas lâmpadas e interruptores estarão na fileira superior. Veja na fig. 2.

Dito isso, com certeza você já compreendeu o funcionamento do sistema.

Esquema de luzes indicadoras no painel de controle da mini-ferrovia
Fig. 2 – Lâmpadas acesas em T1 indicam que o desvio está ligado; e os AMVs ("para cima") estão direcionados para ele. Desligue T1W para que a loco pare ali. As lâmpadas apagadas em T2 indicam que já existe uma composição estacionada. Ao ligá-lo (interruptor T2C), a lâmpada T2L permanecerá apagada, indicando que a locomotiva está ali.

Deixe os 6 interruptores ligados e vire os 2 AMVs para o desvio que vai utilizar primeiro. Digamos T1 — acione então os AMVs para "cima".

Você vem com uma composição do leste (L). Desative então a saída oeste (T1W), antes mesmo que o trem entre no desvio. Quando a última roda da locomotiva entrar em T1W, a composição pára perfeitamente dentro do desvio T1.

Mas atenção: — Venha em baixa velocidade, ou a loco poderá passar um pouco além da subseção W.

O paineil apresentará T1W apagado, e assim você lembrará que ali está uma composição com a locomotiva posicionada para sair na direção oeste (W). Por isso, não mexa mais no interruptor T1W (desligado), nem no T1L (ligado). Apenas desligue T1C por precaução. Com as 3 lâmpadas apagadas, você já sabe que o desvio T1 contém uma composição estacionada.

Agora, antes de ligar qualquer outra seção da maquete, volte com o Controlador para velocidade zero, para evitar surpresas embaraçosas.

Velocidade zerada, trate agora de acionar imediatamente os AMVs para T2 — que se tornou passagem obrigatória.

Haverá um trem escondido em T2 ? Se as 3 luzes estiverem acesas, a resposta é "não".

— Por definição, deixe sempre ligados os desvios que não estiverem bloqueados por um trem estacionado.

Se as 3 luzes de T2 estiverem apagadas, a resposta será "sim". Então ligue o interruptor T2C e abra "um pouco" a velocidade no Controlador, para ver se a locomotiva desta segunda composição está voltada para leste (T2L apagada) ou para oeste (T2W apagada).

Se estiver voltada para leste, não esqueça de "inverter" a direção no Controlador, ou ela sairá em marcha-a-ré.

Volte o Controlador para velocidade zero, ligue a subseção em que está a loco (T2L ou T2W), e pode dar a partida nesta composição.

Como T2 permanece passagem obrigatória, deixe os AMVs como estão.

Esquema de alimentação dos trilhos com LED indicador   
Fig. 3 – O interuptor do centro desliga também os outros dois, sem alterar a posição de suas alavancas. Ligando novamente o interruptor central, tudo está na mesma situação de antes, permitindo visualizar a posição da loco.
Fig. 4 – A lâmpada em paralelo subtrai parte da corrente, mas não afeta significativamente a tensão na linha férrea. O resistor opcional não pode estar "no caminho" da ligação Controlador - trilhos.
Fig. 5 – Ligação dos LEDs indicadores da direção de marcha do Controlador: — Logo após a chave reversora (esteja ela no Controlador ou no painel), e antes de qualquer outra chave interruptora.

Aqui, poderíamos sugerir duas luzes indicadoras de direção, conforme esquema de Victor Mazzocoli divulgado na Esporte Modelismo nº 8: dois LEDs lado a lado, no painel, sobre setas apontando para a direita e para a esquerda, ligados em paralelo, sendo um com a polaridade contrária à do outro. Veja na fig. 2.

Este subconjunto deve situar-se logo após a chave inversora de direção — esteja ela no Controlador, ou no painel.

Funciona, também, como derivação paralela à alimentação da linha — a corrente sai do fio vermelho que alimenta os trilhos, e volta diretamente ao pino preto de "retorno". Veja na fig. 5.

Um resistor 680R, 1/4W é sugerido por Mazzócoli para proteger os LEDs.

Vale observar que:

Num trajeto circular, a direção aparente dos trens se inverte. Se os LEDs indicam a direção de marcha na parte dianteira da maquete (pátio da estação) e o túnel com T1 e T2 está na parte de trás... Bom, que tal colocar 2 pares de LEDs indicadores de direção — um para orientar a saída de trens no pátio, e outro para o túnel?

Esse "túnel de esconder trens" exige muita atenção e, de um modo geral, merece ter um painel só para ele.

Convenções & pirações

Usamos aqui a convenção adotada pela Frateschi: – Utilizar o pino preto como "retorno", ou "neutro", ligando-o ao trilho "comum" (não-interrompdo) com fio preto; e ligar o pino vermelho ("ativo") ao trilho onde se fazem as interrupções para dividir eletricamente as seções da via férrea.

Palavras como "retorno" (da corrente) são meramente didáticas. Na verdade, basta "inverter a marcha" no Controlador, e a corrente passaria a "vir" pelo fio preto e "voltar" pelo vermelho — se é que alguma coisa "vai" ou "volta".

Poderíamos, da mesma forma, falar em "positivo" e "negativo", e acabar igualmente confusos.

Pode-se (dentro de certos limites) comparar a eletricidade a um rio. A corrente I (medida em Ampéres) corresponderia ao volume de água que passa; e que pode ser "barrado", parando de passar, e dessa forma cessando a "corrente". A tensão V (medida em Volts) seria representada pela diferença de altura entre dois pontos do rio — quanto maior o desnível, maior a "força" da água, ou "diferença de potencial". E a potência P (medida em Watts) corresponderia à massa de água corrente multiplicada pela força com que ela desce (P = V x I).

Na ligação em série, a "correnteza" do rio corre ao longo de um único "caminho". Duas lâmpadas de 6 V podem ser ligadas em série, dividindo entre elas a tensão de 12 V sem queimar. E a corrente é a soma do consumo das duas. O rio "desce" 6 V numa lâmpada e 6 V na outra, mas o "volume d'água" (a "corrente") não se divide.

Nas ligações em paralelo, imagine o curso do rio sendo dividido para passar entre várias ilhas, ou parcialmente desviada para movimentar um monjolo situado ali perto. Neste caso, a corrente se divide. Em cada derivação passa apenas a corrente efetivamente consumida ao longo daquela variante. Mas a tensão (desnível) — considerando a tomada d'água e o ponto de reunião — permanece igual, tanto no rio quanto na derivação.

Tudo isso, como foi frisado, apenas para "visualizar". Na prática, é melhor esquecer a "analogia", e aplicar as leis básicas da eletricidade — coisa que não fiz, e receio que o Luiz Alberto também não.

Maquetes & idéias
AMF | CMMF | SBF | EF Nova Neuffer | EF Vale do Aço | Opções & desafios
Maquete no teto | Ferreo Clube do ABC | Terceira dimensão
Maquete O / On30 para trens Lionel | EF Pireneus-Paranã | EF Paranaíba-Aragarças
Diorama | Diorama quadro a quadro
Dicas técnicas
Gabarito lateral em curva | Curvas e material rodante | AMVs e material rodante | Limpeza dos trilhos
Dicas para decoração
Relevo em gesso ou papel | Lastro para os trilhos | Construções em papel cartão | Material decorativo
Como fazer árvores | Túnel para maquete | Portal de túnel em resina
Mineração de ferro | Galpão para locomotivas
Dicas básicas
7 dicas importantes | Decálogo do ferreomodelista | Uma injeção de realismo em sua mini-ferrovia
Dicas de ferreomodelismo e maquete
Dicas e truques | Peças planas em Araldite | Criando material decorativo numa cidade do interior
Copiando rochas da natureza | O que é e como usar borracha de silicone | Moldes de latex
Fazendo e plantando capim | Fazendo árvores de arame ou fio elétrico
Engenhocas e utensílios para a decoração da maquete | Lojas úteis para ferreomodelistas | Mais lojas úteis
   

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  
  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferrovias

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade