Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

   

EFCB - Estrada de Ferro Central do Brasil
Sumário do livro
“Vias brasileiras de comunicação”


 
Mapas da EFCB e ferrovias conectadas
Ministério da Viação e Obras Públicas - 1927
publicados no livro de Max Vasconcelos (vol. I, 3ª ed.), 1928
cortesia: Manoel Monachesi e Jorge A. Ferreira Jr. | Fotolog | Fotopages
apresentação: Flavio R. Cavalcanti

A obra de Max Vasconcelos tem duas características inconfundíveis, dentro da historiografia sobre nossas ferrovias: (a) uma massa enorme de informações técnicas, históricas e estatísticas; e (b) uma concisão absoluta de linguagem.

O formato não parece grande. As imagens em JPG não permitem medir o original, porém uma página de texto denso — p. 20, uma das poucas sem imagem, título ou espaçamentos — contém apenas 36 linhas, com uma média de 55 caracteres e espaços. Qualquer livro de tamanho "comum" (20,5 x 13,5 cm), com tamanho de letra típico para o "grande público", tem mais do que isso. Poderia perfeitamente ser um "livro de bolso", e ainda usar letras de tamanho bem legível.

O número de páginas ultrapassa um pouco o de um livro "comum". A numeração dos JPG disponíveis vai até 428; considerando os anexos, poderia chegar a umas 470 páginas. Além disso, há alguns mapas de maior tamanho, que são encartes dobrados.

Seja como for, está muito longe de um álbum como a Memória histórica da Estrada de Ferro Central do Brasil, que tem mais de mil páginas em formato de jornal tablóide [não cabem em scanner comum, e o peso ameaça quebrar o vidro]. No entanto, o livro de Max Vasconcelos talvez contenha 3 ou 4 vezes mais informações concretas. A leitura flui muito melhor. E como obra de consulta rápida bate qualquer anuário do IBGE: está tudo organizado, fácil de localizar.

Contrabalançando a modéstia do formato e a estrita economia do texto, contém um número impressionante de fotografias — coisa que nunca foi barata, na edição de um livro, em especial naquela época, quando implicava na confecção quase artesanal dos clichês, exigindo horas e horas de mão de obra especializada.

Capítulo I

Exemplo da linguagem concisa é o Resumo histórico. Em apenas 9 parágrafos (p. 17-18) resume os antecedentes das ferrovias no Brasil, deixa para trás a novela de Thomas Cochrane e conclui a formação da Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II. No décimo parágrafo, começam as obras da ferrovia.

Daí por diante, cada parágrafo enumera uma série de trechos da ferrovia abertos ao tráfego, com a data e a extensão exatas. Apenas como exemplo, o 11º parágrafo, que cobre nada menos que 9 anos e quase 200 km da ferrovia:

"Em 29 de Março de 1858 abria-se ao tráfego o primeiro trecho da linha, entre D. Pedro II e Queimadas (km 48,278); em 8 de Novembro do mesmo ano, o de Queimados a Belém (km 61,749); em 12 de Julho de 1863, o de Belém a Paulo de Frontin (km 85,501); em 7 de Agosto de 1864, o de Paulo de Frontin a Barra do Piraí (km 108,222); em 18 de Junho de 1865, o de Barra a Barão de Vassouras (km 128,529); em 11 de Agosto de 1867, o de Barão de Vassouras a Paraíba do Sul (km 187,255); em 13 de Outubro do mesmo ano, o de Paraíba a Entre Rios (km 197,657)".

Quando um intervalo se faz necessário, observe a concisão com que resume 3 anos, entre a proposta de um novo trecho e o início das obras, no 12º parágrafo:

"Pelo gabinete de 16 de Julho de 1868, foi apresentada proposta para o prolongamento da Linha do Centro até o rio das Velhas; e a 6 de Agosto de 1871 tiveram início os trabalhos desse prolongamento".

Na p. 20, as datas de abertura dos trilhos da Linha do Centro já estão resumidas até Independência, na margem esquerda do rio São Francisco (1922); e detalha as duas linhas (métrica e larga) na região de Belo Horizonte. Breve intervalo para um retrato de Cristiano Ottoni (p. 21), e na p. 22 liquida o detalhamento das bitolas de cada trecho (km); as linhas quádruplas e sêxtuplas nos subúrbios do Rio de Janeiro; a proclamação da República, mudanças de nome (ferrovia, estação central).

Basta a p. 23 para um organograma da EFCB, com os órgãos e endereços de cada prédio da Administração.

Os Dados econômicos (exercício de 1927) resumem, em 9 páginas (24-32):

  • Quadro do pessoal;
  • Patrimônio;
  • Desenvolvimento das linhas;
  • Distribuição das linhas por estados;
  • Divisão das linhas;
  • Número de estações (464);
  • Material rodante;
  • Receita;
  • Viajantes transportados;
  • Percurso dos carros e vagões;
  • Principais pontes, viadutos e túneis.

Cap. III - Os Ramais

Nas páginas 325-342 — após os dados comuns a todos os municípios —, há um verdadeiro guia da cidade de São Paulo: Hotéis e Restaurantes principais; Telégrafos; Estradas de ferro; Correios; Mensageiros; Monumentos; Passeios; Teatros; Cinemas; Bancos; Consulados; Companhias de navegação; Jornais; Polícia civil e militar; Prefeitura e órgãos do governo estadual; Automóveis de luxo e auto taxímetros; Linhas de ônibus e de bondes.

Sumário do livro

A estrutura do livro de Max Vasconcelos Vias brasileiras de comunicação – Linha do Centro e Ramais (vol. I, 3ª edição, 1928) resume-se a 3 capítulos e alguns anexos:

  • Cap. I - A Central do Brasil
    • Resumo histórico
    • Administração
    • Dados econômicos - exercício de 1927
    • Principais obras de arte
  • Cap. II - A Linha do Centro
    • Da Guanabara ao Paraíba
    • Do Paraíba ao São Francisco
      • Descrição suscinta da linha, das localidades por ela servidas, ligeiras informações sobre as estradas que convergem para a Linha do Centro, incluindo as de rodagem; etimologia ou origem dos nomes das estações; e informações sobre cada um dos municípios atravessados pela linha, contendo:
      • História; Descrição da sede; Hotéis; População; Superfície; Distritos; Povoações; Limites; Rios; Quedas d'água; Serras; Clima; Produção; Preços das terras; Viação; Informações diversas
      • Estações, suas posições quilométricas, altitudes e datas de inauguração
      • Túneis da Linha do Centro
      • Perfil e quilometragem da linha
  • Cap. III - Os Ramais de:
    • Angra
    • São Paulo
    • Lima Duarte
    • Piranga
    • Ponte Nova
    • Santa Bárbara
    • Diamantina
    • Montes Claros
    • Austin
      • Descrição suscinta dos Ramais, das localidades por ela servidas, ligeiras informações sobre as estradas que convergem para os Ramais, incluindo as de rodagem; etimologia ou origem dos nomes das estações; e informações sobre cada um dos municípios atravessados pelos Ramais, contendo:
      • História; Descrição da sede; Hotéis; População; Superfície; Distritos; Povoações; Limites; Rios; Quedas d'água; Serras; Clima; Produção; Preços das terras; Viação; Informações diversas
      • Estações, suas posições quilométricas, altitudes e datas de inauguração
      • Túneis dos Ramais
      • Perfil e quilometragem dos Ramais
  • Anexos

Importante: O sumário acima contém várias simplificações, para não se tornar longo demais (teria de repetir a estrutura de informações em cada Ramal, por exemplo). Este sumário, portanto, não é um "índice": — Serve mais para resumir o conteúdo, do que para indicar sua localização exata ao longo do livro. Também é bastante provável que apresente lacunas e erros, devido à falta de uma quantidade (desconhecida) de páginas; e ausência de numeração em várias outras.

Capa do livro “Vias brasileiras de comunicação”, sobre a Estrada de Ferro Central do Brasil
   
  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  
  

Acompanhe no FB

Mapas ferroviários de 1927 | Ferrovias existentes
EFSLT | EF Central do Piauí | RVC | EF Central do Rio Grande do Norte | EF Petrolina - Teresina
Leopoldina Railway | EFOM | Rede Sul Mineira | EF Goiás | EF NoB | EF Tocantins
EFCB e ferrovias convergentes | Ramal de São Paulo - EFCB | Linhas e estações da EFCB
“Vias brasileiras de comunicação” | A obra de Max Vasconcelos | Gênese da obra de Max Vasconcelos
Relatório MVOP | n’A Manha...
1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin
Estações ferroviárias
2015 | 1986 | 1982 | 1960 | 1930
Mapas ferroviários
1991 | 1984 (RFFSA) | 1974 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1898
Quadros das ferrovias
1960 (Nomes) | 1956 | 1954 | 1952 | 1945 | 1940-1945 | 1937 | 1927 | 1907
Planos ferroviários | Legislação

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade