Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

• Estrada de Ferro Goiás - 30 Jul. 2018

• Locomotiva GE U23C nº 3902 RFFSA - 8 Out. 2017

• Trem Vitória - Belo Horizonte - pontos de venda - 2 Out. 2017

• Horários do Trem Vitória - Belo Horizonte - 28 Set. 2017

• Litorinas Budd RDC no Brasil - 27 Set. 2017

• Trem das Águas - ABPF Sul de Minas - 15 Set. 2017

• Fases de pintura das locomotivas English Electric EFSJ / RFFSA - 2 Mai. 2017

• A Velha Senhora no trem da Luz a Paranapiacaba (1985) - 22 Fev. 2017

• Horários do Trem turístico S. João del Rei - 6 Dez. 2016

• Trens especiais Curitiba - Pinhais (1991) - 29 Nov. 2016

• Trem turístico a vapor Curitiba - Lapa (1986) - 26 Nov. 2016

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

  

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

   

Mapas ferroviários de 1927
O relatório de Victor Konder


 
Ministério da Viação e Obras Públicas - 1927
Imprensa Nacional, 1930
apresentação: Flavio R. Cavalcanti
Ponte Washignton Luís, na rodovia Rio - São Paulo, em construção em 1927
Ponte Washignton Luís, na rodovia Rio - São Paulo, em construção em 1927

A "situação deficitária das estradas de ferro" aparece logo na primeira frase do relatório apresentado pelo ministro Victor Konder ao presidente Washington Luís:

«A situação deficitária das estradas de ferro, agravada de ano a ano, estava a exigir providências que, se não lhe assegurassem logo o equilíbrio da receita e despesa, concorressem, ao menos, para melhorar os resultados da sua exploração industrial, de modo a se restringirem elas aos próprios recursos»

Não vai propor providências para a situação assim colocada em tom alarmante, mas oficializar no papel — ritual de cada ano — a justificação de providências já adotadas, para que as ferrovias se restringissem, tanto quanto possível, a usar seus próprios recursos, evitando a necessidade de "dotações orçamentárias" — a destinação de recursos públicos, provenientes dos impostos, para ajudar a mantê-las em funcionamento.

Historiando as providências já adotadas, dá a entender que houve um levantamento de informações mais detalhado e aprofundado do que na maioria dos outros anos:

«Era mister, para tanto, conhecer-se a extensão do desequilíbrio financeiro das redes ou estradas, com examiná-lo em suas origens e investigá-lo em suas causas múltiplas»

Ponte sobre o rio Guandu, na rodovia Rio - São Paulo, em construção em 1927
Ponte sobre o rio Guandu, na rodovia Rio - São Paulo, em construção em 1927

A leitura, a partir daí, não é simples. Começa a desenvolver uma tese — ilustrada com abundância de números, tabelas e gráficos, até então incomuns em relatórios oficiais — de que os novos prolongamentos das ferrovias seriam fatores de déficit:

«É que, incorporados novos trechos, afastando-se os extremos trafegados em zonas por se desenvolverem, a densidade de trafego se mantinha, ou evoluía em fraco índice, competindo, no balanço, com as despesas de custeio majoradas para ocorrer á manutenção dos serviços nos prolongamentos»

Apresenta os resultados financeiros das ferrovias administradas pela União — eliminadas falhas contábeis — totalizando 56,6 mil contos de réis, dos quais a maior parte (35,7 mil contos) na EFCB, em 1926; e em 1927 quase 71 mil contos, dos quais 56,7 mil da EFCB. Esse aumento de mais de 20 mil contos na "despesa industrial" da EFCB deve-se a direitos aduaneiros pagos em 1927 (18,9 mil contos) e à "Tabela Lyra" — "diferença de 1927 sobre 1926, devido à incorporação total" (8,9 mil contos). Além disso, a "despesa industrial" da EFCB também cresceu 7,5 mil contos devido a "despesa indispensável para melhorar a situação do material rodante e das linhas que se achavam em condições precárias".

“Investimentos”, portanto, incluindo tremenda lapada de imposto de importação (locomotivas?); e "Tabela Lyra". Ressalvados esses investimentos, o panorama das ferrovias administradas pela União já apresentava melhoria "à vista das providências para a redução de despesas".

As providências adotadas, porém, iam além da mera redução de despesas: já estavam em vigor novas tarifas para a EFCB, EFOM, NoB, EF Teresópolis e EF Rio d'Ouro; em preparação novas tabelas para as demais estradas de ferro; e também em ferrovias privadas ou arrendadas. Surge daí outra indicação de um levantamento de informações, agora de caráter econômico:

«A adoção de uma providência dessa natureza só poderia ser, como foi, levada a efeito após um cuidadoso estudo da questão, em que colaboraram as associações comerciais, centros industriais, sociedades de agricultura e outros interessados, cujas sugestões mereceram refletido exame»

Com a vigência das novas tabelas, prevê para 1928 um aumento total de 56,2 mil conto na receita das ferrovias administradas pela União, o que praticamente eliminaria o déficit do custeio. Para o ministro, ainda era necessário que a receita corrente pagasse a amortização dos investimentos já feitos, e também dos investimentos que ainda precisariam ser feitos, considerando que a situação das estradas de ferro continuava longe do ideal. A seu ver, apesar do aumento nas tabelas, as mercadorias e o público ainda "não pagam o que podem e devem pagar".

Observa, por exemplo, que a renda de passagens na EFCB era menos da metade do que em outras ferrovias — o que "só se explica pela tarifa suburbana". A tarifa do interior "é boa" e a EFCB "tem uma densidade de transporte de viajantes em geral melhor do que nas outras, pelo fato de ligar um maior número de cidades de importância". Porém, sendo a tarifa do interior ("boa") aplicada sobre 1/4 do total de viajantes-quilômetro, rendia 32,2 mil contos de réis, enquanto a tarifa de subúrbios, aplicada sobre 3/4 do total de viajantes-quilômetro, rendia apenas 14,5 mil contos.

«» —

= To be continued =

   
  

Ferreofotos

• Estação Aimorés - Trem Vitória a Minas - 27 Set. 2017

• EFSPRG - A ferrovia na guerra do Contestado - 25 Set. 2017

• Toshiba DNPVN - Porto do Rio Grande - 11 Jul. 2017

• A volta da locomotiva "Velha Senhora" (1981) - 18 Fev. 2017

• Reconstrução da Rotunda de São João del Rei (1983-1984) - 8 Dez. 2016

• Trem do centenário do cerco da Lapa (1993) - 2 Dez. 2016

• Embarque de blindados em vagões Fepasa (1994) - 27 Nov. 2016

• Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 23 Nov. 2016

• G12 canadenses “espartanas” nº 4103-4196 na ALL - 7 Set. 2016

• Locomotivas “Loba” GE 1-C+C-1 nº 2001 a 2025 Fepasa - 5 Set.. 2016

  

Ferreomodelismo

• Backlight em maquetes de ferreomodelismo - 5 Nov. 2017

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

  

Acompanhe no FB

Mapas ferroviários de 1927 | Ferrovias existentes
EFSLT | EF Central do Piauí | RVC | EF Central do Rio Grande do Norte | EF Petrolina - Teresina
Leopoldina Railway | EFOM | Rede Sul Mineira | EF Goiás | EF NoB | EF Tocantins
EFCB e ferrovias convergentes | Ramal de São Paulo - EFCB | Linhas e estações da EFCB
“Vias brasileiras de comunicação” | A obra de Max Vasconcelos | Gênese da obra de Max Vasconcelos
Relatório MVOP | n’A Manha...
1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin
Estações ferroviárias
2015 | 1986 | 1982 | 1960 | 1930
Mapas ferroviários
1991 | 1984 (RFFSA) | 1974 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1898
Quadros das ferrovias
1960 (Nomes) | 1956 | 1954 | 1952 | 1945 | 1940-1945 | 1937 | 1927 | 1907
Planos ferroviários | Legislação

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade