Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

  

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

 

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• Estação Pirajá completa a Linha 1 do Metrô de Salvador - 28 Nov. 2015

• Metrô DF direciona 2/3 dos trens para a Ceilândia - 27 Ago. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

Programação de Corpus Christi nos trens turísticos da ABPF Sul de Minas - 25 Mai. 2015

Passagens do trem para Vitória esgotam-se 15 dias antes do feriado - 22 Mar. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

Relatórios VFFLB 1944-1946
Quadro de Locomotivas em 31-Dez-1944 | Locomotiva Davenport 25 ton | Locomotiva Brookville | Locomotiva Davenport 44 ton | Locomotiva English Electric | Locomotiva Pacific construída em São Francisco | Locomotiva Mountain Schwartzkopff | Locomotiva Mikado | Trem de alumínio construído em Aramari | Carro dormitório | Composição azul construída em Aramari | Caixa d'água em Queimadas | Carro Restaurante construído em Aramari | Trem suburbano construído em Aramari | Trem de subúrbio construído em Periperi | Carro de madeira | Vagão fechado de 20 ton., construído em Aramari | Vagão gôndola de 20 ton. construído em Aramari
Estrada de Ferro Leopoldina
Retrilhando a Leopoldina” | Montanhas Capixabas | Memórias da Leopoldina | Histórico & mapa
A serra das Garrat (I) | E por falar na serra de Friburgo... (II)
A serra das Garrat (III) | A serra das Garrat (IV)
As experiências da Leopoldina | As experiências da Leopoldina (II)
DH Esslingen | Artilharia ferroviária | Ferreosfera
Estações em 1960 | Trechos abertos até 1944
Mapas
1991 | 1984 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1907| 1898
Carregamento de pó de mármore | Caboose
Vagões em Porto Novo | Patrimônio histórico: opção de futuro
   

Ferrovias e locomotivas da China em 1987
Para o próximo século, a vapor!


 
“Mit Dampf ins nächste Jahrtausend – Ein chinesischer Bilderbogen”
Märklin Magazin, 3/1987 | Tradução: Marcos R. Ahorn

Onde ainda hoje domina a tração a vapor, como, por exemplo, na Alemanha dos anos 30? Onde há complexos de guarda e manutenção de locomotivas a vapor com mais de 100 locomotivas, e linhas onde a cada dez minutos passa um trem a vapor?

A resposta é: China. Em nenhum outro lugar do mundo a tração a vapor desempenha um papel tão importante. As ferrovias chinesas dispõem hoje em dia de mais de 7.000 locomotivas a vapor. Em Datong e Tangshan, as duas últimas fábricas deste modelo, as locomotivas são produzidas em grande número. Como a vida útil das mesmas é projetada para mais de 40 anos, pode-se prever que haverá tração a vapor ainda dentro do próximo século. Desde que a China abriu suas portas aos turistas estrangeiros, é grande a afluência destes, especialmente à Manchúria, onde o vapor é mais dominante. Mas aqui o fã das ferrovias não deve se enganar:estamos acostumados a encarar as locomotivas a vapor como algo nostálgico e ultrapassado tecnologicamente. Mas, a ferrovia na China é, apesar do vapor, um empreendimento forte, produtivo e de um nível técnico relativamente alto, sendo constantemente modernizado. Pode-se dizer que, no terceiro maior país do mundo, onde três quartos da área são inaproveitáveis ou montanhosos, a ferrovia é a base dos transportes. Quase todo o trânsito de passageiros e cargas fica a cargo deste meio de transporte. A rede de bitola “normal” (aprox. 1440 mm) é de 55.000 km, e é acrescida de algumas linhas em bitola estreita. Sempre constroem-se novas linhas e modernizam-se as já existentes. Desta maneira, muitas das linhas principais passam a ter trilhos soldados, dormentes de concreto e sistema de segurança de blocos automático.

As ferrovias chinesas empregam mais de 2 milhões de pessoas! O salário, como em todo o país, é relativamente baixo, sendo que uma bicicleta custa o equivalente a 2 salários. Como os custos com pagamento de pessoal não pesam demais no orçamento, cada trem conta com uma quantidade incomum de funcionários. Em trens de viagem (trens interestaduais têm geralmente 13 carros), cada carro conta com um condutor. Moças servem aos passageiros o chá obrigatório, e cuidam do forno de aquecimento de cada carro. Nas locomotivas a vapor, geralmente trabalham três homens.

Também devido às grandes reservas de carvão, a tração a vapor para trens de carga será rentável ainda por muito tempo. As máquinas a vapor ainda rebocam trens de passageiros fora das linhas de grande distância. Nas linhas principais, os pesados trens de passageiros são principalmente puxados por locomotivas diesel, às vezes em tração dupla. Uma Uma importância cada vez maior, no entanto, assume a tração elétrica, principalmente nas linhas com aclives mais acentuados. Há também algumas linhas “planas” com este tipo de tração. O sistema utilizado é o de 25 KV / 50 Hz, usado também em alguns países da Europa.

Algumas informações sobre a história da ferrovia na China: a primeira linha foi construída em 1856 pelos ingleses. Tinha 17 km de extensão, ligava Shangai ao interior e foi logo desmontada pelos próprios chineses. Somente em 1897 é que entrou em operação uma linha de longo percurso, ligando Pequim à cidade portuária de Tianjin. Nos anos seguintes, forças externas determinaram a expansão ferroviária, ditada por europeus, japoneses e russos. De Pequim saíam linhas que iam para o norte e para o sul ao longo da costa. A economicamente importante cidade de Shenyang (antes Mukden) foi atingida em 1907. Até a metade da década de 30, o largo rio Yantsé formou o limite para a construção ferroviária. À época da eclosão da II Guerra Mundial, havia cerca de 16.000 km de linhas. Quando em 1949 foi instaurada a República Popular da China, dos 22.000 km existentes, apenas 8.000 eram trafegáveis. Depois de 1951, iniciou-se uma ampliação da rede com o auxílio dos soviéticos, e que continuou até os anos 60. Há alguns anos, iniciou-se a construção de uma estrada de ferro para o Tibete, atingindo pontos localizados a mais de 3.000 m de altura. Atualmente, várias linhas estão em construção, sendo que uma parte operará com tração elétrica já no início de operação.

Voltando ao vapor nos dias de hoje: para os fãs, a visita à fábrica de locomotivas de Datong é um acontecimento único. Datong fica a 260 km a oeste de Pequim. A fábrica opera desde 1954, e forma uma cidade por si mesma, possuindo suas próprias moradias, lojas, escolas e... jardins de infância. A fábrica em si tem 1.100 m de comprimento e 890 de largura. Ocupa cerca de 9.000 pessoas, sendo 2.000 mulheres. Até o fim de 1985 construiu 4.500 locomotivas. Percorrendo as alas da fábrica, pode-se acompanhar desde a fabricação das peças, até a montagem final, sendo até mesmo possível pegar uma carona numa locomotiva novinha na área externa da fábrica. São construídos dois tipos de locomotivas: a enorme 2-10-2 classe QJ (Qian Jin: “Em frente” marcha à frente) e a classe JS (Jian She = “Reconstrução”, de rodado 2-4-2. Alguns dados técnicos:

  QJ JS
Nome / Significado Qian Jin
“Em frente”
Jian She
“Reconstrução”
Rodado 2-10-2 2-4-2
Potência 2.900 HP / 2.134 KW 2.300 HP / 1.693 KW
Velocidade Máxima 80 km/h 80 km/h
Diâmetro das rodas de tração 1.500 mm 1.370 mm
Comprimento com tênder de 4 eixos 26,2 m 23,7 m
Comprimento com tênder de 6 eixos 29,3 m -
Área da grelha 6,8 m² 5,75 m²
Superfície de aquecimento 265 m² 210 m²
Superfície de superaquecimento 141 m² 65 m²
Carga de carvão 15 / 21 t 15 t
Carga de água 30 / 50 m³ 30 m³

A capacidade máxima de produção em Datong atingiu 350 locomotivas / ano. Em média, equivalia a quase uma locomotiva por dia. No futuro a produção deste tipo continuará, e em 1986 produziram-se quase 250 máquinas das duas classes. No entanto, a parcela de modelos a diesel deverá aumentar.

Todas as locomotivas são equipadas com alimentador de carvão (stocker). A classe QJ é uma versão modificada da classe FD soviética, que foi fornecida em grande número à China. A classe QJ é a mais numerosa e é usada basicamente em pesados trens de carga. A classe JS, mais leve, é considerada universal, sendo usada também em trens de passageiros. Tão impressionante quanto a amplitude da tração a vapor neste país, é o reduzido número de tipos de locomotivas em uso. Classes e variantes de menor representação foram extintas. Para as duas dominantes, podem-se encontrar ainda 2-4-2 procedentes da Ferrovia da Manchúria do Sul. Pode-se também notar várias diferentes construções de caldeira, e máquinas com e sem defletores de fumaça. Em menor número, há locomotivas das classes SL (“Vitória”, construídas até 1958) e RM (“Povo”, construídas a´te 1961), ambas 4-6-2. Elas são usadas principalmente em trens de passageiros. Tudo indica que ainda há uma ou outra locomotiva-tanque (ou locomotiva sem tênder) em operação.

Quanto às diesel, encontram-se tanto modelos diesel elétricas como diesel hidráulicas. As diesel elétricas de 4.000 HP da classe DF são encontradas em oda a China. A construção da classe equivalente com transmissão hidráulica foi interrompida a favor da importação deste tipo de máquina a Henschel, Alemanha. Há ainda diesel elétricas duplas, apelidadas de “Grande Dragão”. A maior fábrica de diesel elétricas fica em Dalian, uma cidade portuária. As primeiras locomotivas elétricas foram importadas da França, Romênia e República Democrática Alemã. Com o avanço da eletrificação, pretende-se em breve produzir locomotivas elétricas em série na China.

Os carros de passageiros lembram os modelos russos. Nos trens de longa distância são usados somente carros modernos e bem cuidados. A pintura deles é verde com duas faixas amarelas finas, uma acima e outra abaixo das janelas. Os vagões de carga são quase todos de 4 eixos. Todo o material rodante é equipado com engates automáticos.

Em Shenyang, cidade com mais de 5 milhões de habitantes, encontra-se o único museu ferroviário do país. Numa área descoberta encontram-se ao todo 11 locomotivas a vapor, procedentes, entre outros países, da Inglaterra, Checoslováquia, Polônia, EUA e Japão, algumas delas, entretanto, em estado desolável. A mais impressionante é, sem dúvida, uma Pacific com carenagem aerodinâmica da classe SL 7751. Encontra-se em condições de funcionamento, e foi fabricada no Japão pela Kawasaki, em 1934.

Nas proximidades do Museu, é visível e audível o complexo de guarda e manutenção de locomotivas a vapor de Shenyang, onde há mais de 100 máquinas estacionadas. Não é de admirar que alguns fãs abandonem correndo o museu para ver as locomotivas “vivas”

   

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

Ferrovias do carvão no Rio Grande do Sul
Trem da Estrada de Ferro e Minas de Carvão de São Jerônimo | Descarga no porto do Conde | Estação Silo | Vagão da VFRGS
Montagem do poço Otávio Reis | Usina de Lavagem em Arroio dos Ratos | Descarga no porto de Charqueadas
Anúncio do CADEM de 1944 | Anúncio do CADEM de 1949
Mapas: Rio Jacuí e Lagoa dos Patos | Hidroviário | Rodoviário | Termoelétrica Charqueadas 1969 | 1960 | 1954 | 1945
Decreto 28.512 de 1950 | Decreto 32.511 de 1953 | Cronologia da Copelmi | Contexto histórico | Luz e Bondes | Cadem e Estaleiro Mabilde | Museu do Carvão
Locomotivas da RVPSC em 1935
Estrada de Ferro Paraná | Estrada de Ferro Norte do Paraná | Itararé-Uruguai
Ramal de São Francisco | Barra Bonita - Rio do Peixe | Paranapanema | Particulares
Incorporadas em 1936 | Material rodante em 1937
Locomotivas a vapor
Como funciona a locomotiva a vapor | Detalhamento de uma Mikado
Classificação de locomotivas a vapor | Classificação Whyte | Classificação Whyte, França, Alemanha | Tentugal nº 50 vs. F.M.Whyte
As locomotivas Garrat no Brasil | Um apito para cada situação | A balada de Casey Jones | Fornalha Wootten
Pacific 4-6-2 nº 339 e 340 RMV | Locomotivas da EF Perus-Pirapora | Jung da Usina Monte Alegre (PB)
Miniatura Mikado realmente a vapor | Vídeo da locomotiva Mikado 165 EFVM
Locomotivas: desenhos, especificações, numeração
ALL (2002) | SR-6 | SR-5 | SR-2 | SR-3 | RFFSA | Fepasa | Elétricas CPEF
GE-Brasil | GM | Alco | Codificação brasileira | As novas...

Busca no site
 

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

    
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade