Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
  

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

  

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

   

Mapas ferroviários de 1927
A safra de mapas ferroviários
do fim da República velha


 
Flavio R. Cavalcanti - Mar. 2012

O ano de 1927 deixou uma safra invulgar de mapas, estatísticas detalhadas — e planos ferroviários.

Essa atividade incomum deve ter-se beneficiado do chamado “Censo” de 1920, mas — tal como ele — se intensificava por crescentes disputas pela orientação de despesas e investimentos, juntamente com algumas evoluções técnicas na área dos transportes.

Levantamentos estatísticos adicionais — acompanhado de intensa produção cartográfica — foram promovidos pelo MVOP, visando reduzir a “despesa” de recursos públicos com as ferrovias administradas pelo Estado. Balões de ensaio extra oficiais buscavam criar espaço para o arrendamento da EFCB — de preferência a uma companhia estrangeira, para gerar entrada de investimentos.

Simultaneamente, inauguravam-se as primeiras linhas aéreas e o governo Washington Luís — apoiado por crescentes fã clubes do automobilismo — lançava as bases para o desenvolvimento de rodovias, criando legislação, impostos, comissões, atribuições etc.

Mapas no relatório do Ministério da Viação e Obras Públicas

O que os mapas do relatório MVOP ref. 1927 têm em comum, à primeira vista, é que enfocam principalmente ferrovias então sob administração federal, através da Inspetoria Federal das Estradas (IFE):

• Ainda por conferir, no texto do relatório, a real situação dos trilhos de cada ferrovia naquele ano, devido à dificuldade de distinguir, nos mapas, os trechos em tráfego, em construção ou apenas planejados.

Mapas no livro “Vias de comunicação”

Existe certa "economia" de produção e publicação de mapas. Em 1927 (como até hoje), trabalhos de cartografia atualizados não se produziam com facilidade, nem sem um custo considerável. O mesmo quanto à publicação impressa, que envolvia a preparação de trabalhosas e caras chapas litográficas, uma para cada cor, perfeitamente ajustadas tanto na confecção quanto ao longo de todo o processo de impressão.

Pode ser muito significativo que o relatório do governo (impresso com demora de dois anos) omitisse justamente os mapas da Estrada de Ferro Central do Brasil — a maior e mais rica ferrovia sob administração estatal — e eles aparecessem, por essa mesma época, no ambicioso levantamento das ferrovias brasileiras iniciado por Max Vasconcelos:

O trabalho oficioso de Max Vasconcelos descreveu minuciosamente as linhas, estações e todos os detalhes da EFCB, além dos municípios servidos pela ferrovia e sua economia — ao ponto de se dizer que teria reproduzido dados do IBGE sobre os municípios —, porém só teve um segundo volume, também sobre a EFCB (Linha Auxiliar), e depois disso não foi mais adiante [Ainda ignoro se havia projeto de ele mesmo produzir volumes sobre as demais ferrovias (e quais), ou se o grupo defensor das ferrovias estatais tinha em vista outros possíveis redatores].

É importante lembrar, porém, que o IBGE somente seria criado pelo governo federal após a Revolução de 1930. Através dele, na década que se seguiu, uma nova geração de geógrafos se lançaria a um trabalho de equipe, muito mais amplo e abrangente, e com fonte de recursos bem definida.

Sintomaticamente, na década de 1940 foi o IBGE que assumiu a última edição do livro de Max Vasconcelos — depois de uma década de edições assumidas pela Imprensa Nacional.

Já o mapa da Rede Sul Mineira só veio a aparecer em uma terceira publicação — também do IBGE— bem posterior:

Planos viários de 1926-1927

Só na área ferroviária, a discussão da política de investimentos a ser adotada resultou na apresentação de três planos:

Datam exatamente daí, também, os primeiros planos rodoviários — como os de Joaquim Catrambi (1926), Luís Schoor (1927), e da Comissão de Estradas de Rodagem Federais (1927); além de projetos referentes à chamada navegação aérea.

“Novo Atlas de Geografia”

Em Janeiro de 1927 surgia no Brasil (e em Portugal) o “Novo Atlas de Geografia”, que — para alegria de quem se interessa por ferrovias — apresenta em detalhes não só as estradas de ferro então existentes no Brasil, como uma infinidade de linhas então planejadas.

A coincidência é tanto mais notável, por ser raro um Atlas geográfico tão detalhado na parte ferroviária, ao ponto de indicar inúmeras linhas planejadas, estado por estado.

A indicar que edições como essa não eram corriqueiras, os editores citam o “benévolo acolhimento” da edição inicial, e explicam que o trabalho teve de ser totalmente refeito — devido às modificações resultantes da “guerra mundial de 1914-1918”. A edição anterior datava, portanto, de mais de uma década antes; porém a atualização não se limitou às novas fronteiras europeias: avançou para esse raro detalhamento das ferrovias brasileiras.

A edição anterior à I Guerra Mundial deveria basear-se, quanto às ferrovias e outros dados nacionais, no levantamento do CIB de 1907, apresentado até 1909. Mas, desde então, nenhuma grande atualização seria fácil, até saírem os resultados do “Censo” de 1920 — possivelmente por volta de 1924* —, e a intensa produção de mapas ferroviários atualizados, que viriam a aparecer de 1924 a 1927.

* Supondo um intervalo de uns 4 anos: o levantamento de 1907 foi encomentado por Lauro Müller ao CIB em 1905 e os resultados apareceram em 3 volumes, de 1907 a 1909.

   
  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

Mapas ferroviários de 1927 | Ferrovias existentes
EFSLT | EF Central do Piauí | RVC | EF Central do Rio Grande do Norte | EF Petrolina - Teresina
Leopoldina Railway | EFOM | Rede Sul Mineira | EF Goiás | EF NoB | EF Tocantins
EFCB e ferrovias convergentes | Ramal de São Paulo - EFCB | Linhas e estações da EFCB
“Vias brasileiras de comunicação” | A obra de Max Vasconcelos | Gênese da obra de Max Vasconcelos
Relatório MVOP | n’A Manha...
1926: Plano Baptista | 1926: Plano Pandiá Calógeras | 1927: Plano Paulo de Frontin
Estações ferroviárias
2015 | 1986 | 1982 | 1960 | 1930
Mapas ferroviários
1991 | 1984 (RFFSA) | 1974 | 1970 | 1965 | 1954 | 1927 | 1898
Quadros das ferrovias
1960 (Nomes) | 1956 | 1954 | 1952 | 1945 | 1940-1945 | 1937 | 1927 | 1907
Planos ferroviários | Legislação

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade