Centro-Oeste - Trens, ferrovias e ferreomodelismo
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
O ferreomodelista conduzindo sua locomotiva a "vapor vivo" sobre os trilhos armados em uma praça
Moysés conduzindo sua locomotiva sobre os trilhos estendidos na praça

Ferreomodelismo

• Luzes de 0,5 mm (fibra ótica) - 2 Jun. 2016

• Vagão tanque TCQ Esso - 13 Out. 2015

• Escalímetro N / HO pronto para imprimir - 12 Out. 2015

• Carro n° 115 CPEF / ABPF - 9 Out. 2015

• GMDH-1 impressa em 3D - 8 Jun. 2015

• Decais para G12 e C22-7i MRN - 7 Jun. 2015

• Cabine de sinalização em estireno - 19 Dez. 2014

• Cabine de sinalização em palito de fósforo - 17 Dez. 2014

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

  

Ferreofotos

• Alco RSD8 Fepasa - 29 Fev. 2016

• G12 200 Acesita - 22 Fev. 2016

• “Híbrida” GE244 RVPSC - 21 Fev. 2016

• U23C modernizadas C30-7MP - 17 Fev. 2016

• C36ME MRS | em BH | Ferronorte - 14 Fev. 2016

• Carregamento de blocos de granito na SR6 RFFSA (1994) - 7 Fev. 2016

• G12 4103-6N SR6 RFFSA - 6 Fev. 2016

• Toshiba nº 14 DNPVN em Rio Grande - 25 Jan. 2016

• Encarrilamento dos trens do Metrô de Salvador (2010) - 14 Nov. 2015

• Incêndio de vagões tanque em Mogi Mirim (1991) - 9 Nov. 2015

• Trem Húngaro nas oficinas RFFSA Porto Alegre (~1976) - 21 Out. 2015

  

Ferrovias

Os “antigos” trens turísticos a vapor da RFFSA - 21 Nov. 2016

• Estação de Cachoeiro de Itapemirim | Pátio ferroviário (1994) - 28 Fev. 2016

• Caboose, vagões de amônia e locomotivas da SR7 em Alagoinhas (1991) - 25 Fev. 2016

• Locomotivas U23C modificadas para U23CA e U23CE (Numeração e variações) - 17 Fev. 2016

• A chegada da ponta dos trilhos a Brasília (1967) - 4 Fev. 2016

• Livro “Memória histórica da EFCB” - 7 Jan. 2016

• G8 4066 FCA no trem turístico Ouro Preto - Mariana (Girador | Percurso) - 26 Dez. 2015

• Fontes e fotos sobre a locomotiva GMDH1 - 18 Dez. 2015

• Locomotivas Alco RS no Brasil - 11 Dez. 2015

   

Ferreomodelismo live steam
Como construí minha própria locomotiva


 
Moysés Naime Neto
Centro-Oeste n° 87 — 1° Fev. 1994

Sou lanterneiro de automóveis, tenho 41 anos, e há 20 trabalho na profissão. Meu avô, tios e padrinho, todos foram maquinistas da Estrada de Ferro Leopoldina.

Só meu avô, trabalhou 45 anos na EFL, na locomotiva n° 332.

Desde menino, eu sonhava em trabalhar na Leopoldina. Cheguei a ser praticante de telegrafista, mas o destino foi cruel. Fiz várias provas, fui aprovado, e nunca fui chamado. Até que um dia cheguei aos 35 anos, que era o limite de idade para ingressar na RFFSA.

Gosto muito de trens, mas não sou fanático, como muitos que conheço. Por isso procurei aprender tudo sobre ferrovias. A começar que em 1970 cursei o Senai, aprendi tudo sobre solda, e nos fins-de-semana ia à vila Inhomirim (raiz da serra de Petrópolis), pois lá havia diversas locomotivas a vapor que ainda funcionavam como VP (Trem de Via Permanente).

Comecei a aprender, fiz muitos amigos, e ganhei um livro das oficinas de locomotivas Baldwin — todo em inglês, só entendia as figuras.

   

Locomotiva

  • Bitola: 60 cm
  • Rodagem: 2-4-0
  • Peso carregada: 2,5 toneladas
  • Altura: 2,5 metros
  • Largura: 1,5 metro
  • Comprimento com o tênder: 5,2 metros
  • Pressão: 100 libras
  • Combustível: Lenha
  • Velocidade máxima: 30 km/h
  • Força motriz: 5.000 kg
  • Pintura nas cores da Leopoldina

Carro de passageiros

  • Comprimento: 4,5 metros
  • Capacidade: 30 passageiros

Com o pensamento de que, já que eu não pude ser maquinista, vou construir a minha própria locomotiva.

Em 1987 começamos a montar as rodas motrizes, depois os pistons, mais tarde os longeirões, até chegar na cabine. Foram muitos testes, até que a locomotiva funcionasse perfeitamente, no sistema Walschaerts, após 4 anos de construção.

Hoje, eu posso dizer que uma locomotiva a vapor não tem mistério nenhum — tanto que já reformei a locomotiva da Fazenda União Carvalheira (Vassouras, RJ), com a troca de tubos, espelhos e todo o sistema de tração.

Restaurei um locomóvel centenário, que muitos tentaram e não conseguiram — e hoje funciona naquela fazenda.

Ponho meus serviços à disposição de quem precisar, em qualquer tipo de locomotiva a vapor.

Ao Evaldo Alves (CO-86/25): — Ainda existe, sim, tudo o que você leu sobre a EF Fazenda União Carvalheira, de Vassouras, RJ. As locomotivas a diesel estão quebradas, mas a locomotiva a vapor funciona com os carros de 1ª e 2ª classe.

E hoje eu tenho na oficina a minha máquina, com o n° 332 da Leopoldina, em homenagem ao meu avô Domingos Torres, que trabalhou com ela no trecho de Campos, RJ, a Vitória, ES.

Detalhe: — Na época, era o único maquinista chamado a conduzir trens especiais, como o do presidente Getúlio Vargas em suas viagens ao interior.

Trilhos

A grande dificuldade está aí: — Os trilhos.

Da primeira vez que coloquei o trem em operação, no Dia da Criança, a CBTU-RJ montou uma via de 300 metros, com trilho 45 e dormentes. Ficou muito alto.

Depois, substituímos os trilhos por cantoneiras de 1-3/16'', que suportam bem o peso do trem, e nos possibilitam fazer curvas e desvios, embora com pouca aderência, fazendo a locomotiva patinar às vezes. Mas sua montagem é fácil, rápida, e mais leve.

Agenda

Recebi convite para participar de uma exposição no Norte Shopping, onde será feita a reconstituição de uma rua do Rio antigo, com estação e o trem.

Será no mês de Março.

Agradecimentos

A Deus, por me dar força e saúde.

A vocês, por mais esta oportunidade de mostrar meu trabalho.

Em especial, à minha filha Flávia, de 15 anos de idade, que desde o começo me ajudou muito, e com isso aprendeu tudo sobre a máquina a vapor. Valeu, Flávia!

Futuro

Pretendo construir uma locomotiva maior, Ten-Wheeler 4-6-0. Para isso preciso de dinheiro, da venda da 2-4-0.

Moysés Naime Neto
moysesnaime@ieg.com.br
Tel.: (21) 3650-8255

   
  

Ferreoclipping

• Livro sobre a GWBR em João Pessoa e Recife - 12 Mai. 2016

• Museu Ferroviário de Natal - 25 Abr. 2016

• Passagens e calendário do trem turístico Ouro Preto - Mariana | Percurso - 20 Dez. 2015

• Passagens e descontos do Trem do Corcovado | Onde comprar - 12 Dez. 2015

• EF Campos do Jordão | Horários | Hospedagem - 15 Jul. 2015

  

Bibliografia

• A Gretoeste: a história da rede ferroviária GWBR - 25 Abr. 2016

• Índice das revistas Centro-Oeste (1984-1995) - 13 Set. 2015

• Tudo é passageiro - 16 Jul. 2015

• The tramways of Brazil - 22 Mar. 2015

• História do transporte urbano no Brasil - 19 Mar. 2015

• Regulamento de Circulação de Trens da CPEF (1951) - 14 Jan. 2015

• Batalhão Mauá: uma história de grandes feitos - 1º Dez. 2014

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

Acompanhe no FB

O trem com a garotada, puxado pela locomotiva a "vapor vivo"
Flávia, filha de Moysés, conduzindo o trem com a garotada
Famílias na praça para andar no trenzinho puxado pela locomotiva movida a vapor vivo
Famílias na praça para andar no trenzinho puxado pela locomotiva movida a vapor vivo
Ferreomodelismo Live steam
Mini ferrovia para se embarcar | Os trilhos da miniferrovia | Construtores de locomotivas | Uma aventura no tempo do vapor
Live-steam, esse ilustre desconhecido | Miniaturas realmente a vapor | A qualidade dos materiais no live-steam
A escolha da bitola dos trilhos | A fundição de fundo de quintal | Ferrovias públicas em bitola de 15 polegadas
Como conheci o vapor vivo | Como construí minha própria locomotiva | A Dengosa da "EF Caçulinha Brasileira"
Vapor vivo em Vídeos
A locomotiva Mikado de Arnaldo Bottan | Vídeo da locomotiva Mikado 165 EFVM | As locomotivas “vapor vivo” do Déo
Locomotivas a vapor
Como funciona a locomotiva a vapor | Detalhamento de uma Mikado
Classificação de locomotivas a vapor | Classificação Whyte | Classificação Whyte, França, Alemanha | Tentugal nº 50 vs. F.M.Whyte
As locomotivas Garrat no Brasil | Um apito para cada situação | A balada de Casey Jones | Fornalha Wootten
Pacific 4-6-2 nº 339 e 340 RMV | Locomotivas da EF Perus-Pirapora | Jung da Usina Monte Alegre (PB)
Miniatura Mikado realmente a vapor | Vídeo da locomotiva Mikado 165 EFVM

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade