Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Automotriz do serviço ferroviário Curitiba-Paranaguá
Automotriz da linha Curitiba a Paranaguá, em Fev-1990. Foto: José P. Vignoli / Coleção: José E. Buzelin

Outros trechos

Rachdi Samuel
05 Dec 2001

Acabo de ver o site do CO — muito bom!

No artigo sobre as Litorinas Budd (muito bom!) cabem alguns acréscimos:

Na era da extinta RFFSA, as Litorinas Budd foram também usadas nos seguintes serviços:

Entre Corupá–Joinville e São Francisco do Sul (estado de Santa Catarina) até o fim dos serviços de passageiros nesta linha.

Entre Aracajú e São Cristovão (Sergipe), Trem de turismo aos domingos, nos anos 1990, até a privatização da RFFSA / SR-7. A Litorina desse serviço foi transferida até Fortaleza (Ceará) e trafega ali num trem turístico até Baturité aos domingos (para uma agência de turismo).

Nos anos 1990 até a privatização de RFFSA o Expresso da Mantiqueira trafegou no trecho Juiz de Fora – Santos Dumont (bitola larga), formado de uma Litorina Budd refomada em Belo Horizonte.

Na ex-Noroeste (já então RFFSA), o último serviço com uma Litorina trafegou até cerca de 1988 ou 1989, no ramal Campo Grande – Ponta Porã.

  

Trens de passageiros

Vitória - Belo Horizonte
São Luís - Parauapebas

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

  

Ferreoclipping

Passagens do trem Vitória - Belo Horizonte têm reajuste - 2 Jan. 2015

Metrô de Salvador entra em operação experimental - 11 Jun. 2014

Trem Vitória - Belo Horizonte oferece desconto de 20% nas Festas, Férias e Carnaval - 5 Nov. 2013

“Trens do Brasil” - série de reportagens da TV Record - 22 Jul. 2013

  

Trens turísticos

Trem do Corcovado
São João del Rei
Ouro Preto - Mariana
Trem das Águas
Trem das Termas
Montanhas Capixabas
Teleférico de Ubajara

Em projeto

Expresso Pai da Aviação
Trem ecoturístico da Mata Atlântica
Locomotiva Zezé Leone

Antigos trens turísticos

Trem da Mata Atlântica
Trem dos Inconfidentes

Calendário Fresinbra 1987
VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba
  

Ferrovias

• A “mancha ferroviária” em Santa Maria (RS), 1966 - 12 Nov. 2014

• Cronologia, cidades e pátios da Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• Trem das Termas - 17 Mai. 2014

• A reativação da EFMM em 1981 - 7 Abr. 2014

• A fábrica de locomotivas Villares- 6 Abr. 2014

   

Automotrizes Budd RDC
As litorinas Budd no Brasil


 
Délio Araújo
Centro-Oeste n° 72 — 1° Nov. 1992

A sigla "RDC" — denominação registrada pela Budd Manufacturing Co. — significa Rail Diesel Car.

A Budd foi grande produtora de carros e vagões. Introduziu o aço inoxidável nos carros e — junto com a Pullman — foi líder no setor de carros de passageiros, e em melhoramentos tais como carros panorâmicos de 2 andares.

Uma das inovações da Budd foram os RDC, logo após a II Guerra Mundial. Eram movidos por 2 motores diesel, cada um acionando um truque por transmissão hidráulica.

Várias ferrovias americanas, canadenses e australianas os adquiriram.

Podiam circular isoladamente ou em múltiplos, formando trens completos. Aceleravam com muita facilidade.

Várias ferrovias americanas os empregaram em longas distâncias. Por exemplo, a Western Pacific — hoje integrada no sistema da Union Pacific —, entre Salt Lake City e Oakland / San Francisco. Era denominado Zephyrete.

Outras ferrovias empregaram os RDC em serviços de subúrbio, como a antiga Boston and Maine, na área metropolitana de Boston; e a Baltimore and Ohio.

O problema com os RDC era financeiro:

- Para trens longos, o empate de capital seria menor caso se empregasse carros convencionais e locomotivas.

- Para trens curtos, não havia retorno, pois a receita era baixa.

Por isso, foram pouco a pouco caindo em desuso.

Também havia, nos EUA, problemas trabalhistas.

No Brasil, os RDC circularam na Central, na Viação Férrea Centro-Oeste, na Leopoldina, na Noroeste...

Os da VFCO foram trocados com a Mogiana, por carros convencionais.

Os RDC da RV Paraná–Santa Catarina fizeram história, especialmente no trecho Paranaguá–Curitiba.

Foi por volta de 1950 que a Budd Manufacturing Co. ofereceu o RDC às ferrovias americanas. Cada carro, como disse, tinha 2 motores de 275 HP (versão oferecida nos EUA). Eram motores instalados embaixo do piso.

Havia 3 modelos, ao que me lembro: — RDC-1, só para passageiros; RDC-2, para bagagem e passageiros; e RDC-3, para bagagem, correio e passageiros. A capacidade variava de 49 a 90 lugares, conforme o modelo.

Se não incorro em erro, cada carro tinha 85 pés de comprimento e custava, na época, US$ 128.750 FOB (exceto frete e seguro) em Philadelphia, Estado de Pennsylvannia, onde ficava a fábrica.

A Western Pacific; a Chicago and North Western; e a Chicago and Eastern Illinois logo encomendaram unidades. Em poucos anos, foram vendidos 398 RDCs.

Cada RDC — ou o trem completo formado por eles — podia ser operado com equipagem de apenas 2 homens, o maquinista e o chefe do trem.

Logo, os sindicatos passaram a insistir na presença inútil de 1 guarda-freios; de 1 foguista ou auxiliar de maquinista para "olhar os sinais"; e até 1 "bandeirinha" (flagman, em inglês) para transmitir sinais ao maquinista.

Parece mentira, mas é fato.

Quando fiz minha pós-graduação nos EUA, na década de 60, os sindicatos forçavam o empreguismo.

Conheci muitas estradas de ferro com 3 (três!) homens na locomotiva diesel-elétrica — maquinista, auxiliar e "olheiro" do trem (ou guarda-freios da frente) — e, no caboose, condutor e guarda-freio da retaguarda.

Assim, logo os RDC passaram a ter custos operacionais elevados.

No Brasil, conheci mais os RDC da Mogiana. Originalmente, eram da VFCO, e trafegavam entre Cruzeiro, Três Corações, Varginha e Lavras.

Os RDC com bufê pesavam uns 42,9 mil kg, se me recordo bem; os RDC-salão, uns 41,1 mil kg.

Creio que os demais RDC de bitola métrica que circularam no Brasil tinham peso quase idêntico.

Os RDC-bufê tinham capacidade para 48 passageiros; e os RDC-salão acomodavam 56.

A Leopoldina operou-os entre a cidade do Rio de Janeiro e Campos; em certa época, se não me engano, também entre Niterói, Visconde de Itaboraí e Campos. Sem dúvida, o companheiro Eduardo Coelho (ABPF-RJ) poderá oferecer mais detalhes a respeito.

Os RDC transferidos na segunda metade dos anos 60 para a Mogiana, passaram a trafegar entre Campinas e Ribeirão Preto.

Em certa época, também entre Ribeirão Preto e Uberaba, MG.

No ramal de Guaxupé, MG, correu a conexão LG-1 e LG-2.

Nos trechos retificados da linha tronco da Mogiana, os RDC iam a até 90 km/h. A velocidade máxima alcançada na bitola métrica, no Brasil, foi atingida pela Mogiana, lá pelo fim da década de 1960: — 110 km/h.

Segundo fui informado pelo pessoal da Mogiana, a velocidade não foi maior porque... o RDC não conseguiu acelerar mais!

Entre Santos Dumont e Sucuri, MG, as litorinas — como eram chamados — cobriam 15 km em 11 minutos.

O interessante é que, se algum RDC ia para a oficina, um trem comum o substituía.

Cheguei a ver carros de madeira rebocados por G-8, cumprindo rigorosamente o horário.

Na antiga Noroeste do Brasil, circulavam por toda a rede, com exceção do extinto ramal de Lussanvira, SP.

Na antiga RVPSC, circularam na linha do norte do Paraná, região de Londrina, ao que me lembro; e no trecho turístico de Curitiba a Paranaguá.

Agradeceria que companheiros leitores do CO completassem essas notas e corrigissem os meus erros de memória.

Na EF Central do Brasil, os RDC circularam entre Rio e São Paulo; entre Rio e Santos Dumont, MG; e entre Rio e Belo Horizonte.

Eram bem procurados pelos passageiros.

Automotrizes
Automotrizes Budd RDC no Brasil | A litorina para Campinas | Corupá - São Francisco do Sul (1986)
Budd CMEF na ABPF | Expresso da Mantiqueira | Expresso Pai da Aviação | Em Santos Dumont (MG), 2011 | Trem das Montanhas Capixabas
Automotrizes Budd da EFCB: ED-11 a 14 | ED-51 e 52 | M-504 e 505 | M-552 e 553
As litorinas Fiat da EFCB | MAN n° 24 | Óleo cru | Rebocando subúrbio
Ferreomodelismo
Coloque sua RDC na escala correta | Melhorando uma automotriz Budd Athearn | Automotriz a partir do vagão Frateschi
   

Ferreofotos

• A primeira estação de Santa Maria (RS) - 3 Nov. 2014

• Locomotivas B12 na SR6 RFFSA - 2 Nov. 2014

• Locomotiva MX620 nº 2702 na nova pintura Ferroeste - 15 Out. 2014

• G12 nº 9128 na nova pintura Ferroeste - 15 Out. 2014

• Trens do Metrô de Salvador - 9 Jun. 2014

• Locomotivas Dash BB40-9WM nº 1177 e 1119 EFVM - 3 Jun. 2014

• Locomotivas SD70ACe VL! na Ferrovia Norte-Sul - 24 Mai. 2014

• VFCJ | Bitolinha | Lapa | Inconfidentes | Trem da Serra | Paranapiacaba | Calendário Fresinbra 1987 - 24 Abr. 2014

• Trem Azul - 24 Abr. 2014

• Locomotivas GM Villares SD40-2 EF Carajás - 31 Mar. 2014

  

Bibliografia

• Caminhos de ferro do Rio Grande do Sul - 20 Nov. 2014

• A Era Diesel na EF Central do Brasil - 13 Mar. 2014

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

  

Ferreomodelismo

• O vagão Frima Frateschi de 1970 - 3 Jun. 2014

• Decais Trem Rio Doce | Decais Trem Vitória-Belo Horizonte - 28 Jan. 2014

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

Acompanhe no FB

  

Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade