Página inicial do site Centro-Oeste
Página inicial da seção Ferrovias do Brasil
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
  
   
   
Automotriz do serviço ferroviário Curitiba-Paranaguá
Automotriz da linha Curitiba a Paranaguá, em Fev-1990. Foto: José P. Vignoli / Coleção: José E. Buzelin

Outros trechos

Rachdi Samuel
05 Dec 2001

Acabo de ver o site do CO — muito bom!

No artigo sobre as Litorinas Budd (muito bom!) cabem alguns acréscimos:

Na era da extinta RFFSA, as Litorinas Budd foram também usadas nos seguintes serviços:

Entre Corupá–Joinville e São Francisco do Sul (estado de Santa Catarina) até o fim dos serviços de passageiros nesta linha.

Entre Aracajú e São Cristovão (Sergipe), Trem de turismo aos domingos, nos anos 1990, até a privatização da RFFSA / SR-7. A Litorina desse serviço foi transferida até Fortaleza (Ceará) e trafega ali num trem turístico até Baturité aos domingos (para uma agência de turismo).

Nos anos 1990 até a privatização de RFFSA o Expresso da Mantiqueira trafegou no trecho Juiz de Fora – Santos Dumont (bitola larga), formado de uma Litorina Budd refomada em Belo Horizonte.

Na ex-Noroeste (já então RFFSA), o último serviço com uma Litorina trafegou até cerca de 1988 ou 1989, no ramal Campo Grande – Ponta Porã.

Antigos trens de passageiros

Xangai
Barrinha
Expresso da Mantiqueira
Barra Mansa a Lavras
Trem de Prata
Trem Húngaro
Automotrizes Budd
Litorinas Fiat
Cruzeiro do Sul
Trem Farroupilha
Trem de aço da Paulista

Plataforma de embarque: 1995

Trens turísticos e passeios ferroviários
Trens de passageiros
Museus ferroviários
Maquetes ferroviárias
Eventos

Ferrovias

• Artilharia ferroviária no Brasil - 26 Out. 2013

• Locomotivas da SR2 RFFSA - 23 Out. 2013

• Locomotivas da EFCB / RFFSA - 21 Out. 2013

• As locomotivas Alco FA1 (EM) - 21 Out. 2013

• Locomotiva “Manchester”: a primeira do Brasil? - 18 Out. 2013

• Planta da locomotiva a vapor Henschel 0-8-0 da EF Sorocabana - 18 Out. 2013

• Planta da locomotiva Baronesa na EFCB - 16 Out. 2013

Esplanada Ferroviária de Bauru - 17 Set. 2013

• Locomotiva Zezé Leone: história e projeto de trem turístico - 22 Jul. 2013

• Estação “Central” de Belo Horizonte - 18 Jul. 2013

• Ferrovia, frigoríficos e vagões isotérmicos no Brasil - 25 Fev 2013

  
  
   

Automotrizes Budd RDC
As litorinas Budd no Brasil


 
Délio Araújo
Centro-Oeste n° 72 (1°-Nov-1992)

A sigla "RDC" — denominação registrada pela Budd Manufacturing Co. — significa Rail Diesel Car.

A Budd foi grande produtora de carros e vagões. Introduziu o aço inoxidável nos carros e — junto com a Pullman — foi líder no setor de carros de passageiros, e em melhoramentos tais como carros panorâmicos de 2 andares.

Uma das inovações da Budd foram os RDC, logo após a II Guerra Mundial. Eram movidos por 2 motores diesel, cada um acionando um truque por transmissão hidráulica.

Várias ferrovias americanas, canadenses e australianas os adquiriram.

Podiam circular isoladamente ou em múltiplos, formando trens completos. Aceleravam com muita facilidade.

Várias ferrovias americanas os empregaram em longas distâncias. Por exemplo, a Western Pacific — hoje integrada no sistema da Union Pacific —, entre Salt Lake City e Oakland / San Francisco. Era denominado Zephyrete.

Outras ferrovias empregaram os RDC em serviços de subúrbio, como a antiga Boston and Maine, na área metropolitana de Boston; e a Baltimore and Ohio.

O problema com os RDC era financeiro:

- Para trens longos, o empate de capital seria menor caso se empregasse carros convencionais e locomotivas.

- Para trens curtos, não havia retorno, pois a receita era baixa.

Por isso, foram pouco a pouco caindo em desuso.

Também havia, nos EUA, problemas trabalhistas.

No Brasil, os RDC circularam na Central, na Viação Férrea Centro-Oeste, na Leopoldina, na Noroeste...

Os da VFCO foram trocados com a Mogiana, por carros convencionais.

Os RDC da RV Paraná–Santa Catarina fizeram história, especialmente no trecho Paranaguá–Curitiba.

Foi por volta de 1950 que a Budd Manufacturing Co. ofereceu o RDC às ferrovias americanas. Cada carro, como disse, tinha 2 motores de 275 HP (versão oferecida nos EUA). Eram motores instalados embaixo do piso.

Havia 3 modelos, ao que me lembro: — RDC-1, só para passageiros; RDC-2, para bagagem e passageiros; e RDC-3, para bagagem, correio e passageiros. A capacidade variava de 49 a 90 lugares, conforme o modelo.

Se não incorro em erro, cada carro tinha 85 pés de comprimento e custava, na época, US$ 128.750 FOB (exceto frete e seguro) em Philadelphia, Estado de Pennsylvannia, onde ficava a fábrica.

A Western Pacific; a Chicago and North Western; e a Chicago and Eastern Illinois logo encomendaram unidades. Em poucos anos, foram vendidos 398 RDCs.

Cada RDC — ou o trem completo formado por eles — podia ser operado com equipagem de apenas 2 homens, o maquinista e o chefe do trem.

Logo, os sindicatos passaram a insistir na presença inútil de 1 guarda-freios; de 1 foguista ou auxiliar de maquinista para "olhar os sinais"; e até 1 "bandeirinha" (flagman, em inglês) para transmitir sinais ao maquinista.

Parece mentira, mas é fato.

Quando fiz minha pós-graduação nos EUA, na década de 60, os sindicatos forçavam o empreguismo.

Conheci muitas estradas de ferro com 3 (três!) homens na locomotiva diesel-elétrica — maquinista, auxiliar e "olheiro" do trem (ou guarda-freios da frente) — e, no caboose, condutor e guarda-freio da retaguarda.

Assim, logo os RDC passaram a ter custos operacionais elevados.

No Brasil, conheci mais os RDC da Mogiana. Originalmente, eram da VFCO, e trafegavam entre Cruzeiro, Três Corações, Varginha e Lavras.

Os RDC com bufê pesavam uns 42,9 mil kg, se me recordo bem; os RDC-salão, uns 41,1 mil kg.

Creio que os demais RDC de bitola métrica que circularam no Brasil tinham peso quase idêntico.

Os RDC-bufê tinham capacidade para 48 passageiros; e os RDC-salão acomodavam 56.

A Leopoldina operou-os entre a cidade do Rio de Janeiro e Campos; em certa época, se não me engano, também entre Niterói, Visconde de Itaboraí e Campos. Sem dúvida, o companheiro Eduardo Coelho (ABPF-RJ) poderá oferecer mais detalhes a respeito.

Os RDC transferidos na segunda metade dos anos 60 para a Mogiana, passaram a trafegar entre Campinas e Ribeirão Preto.

Em certa época, também entre Ribeirão Preto e Uberaba, MG.

No ramal de Guaxupé, MG, correu a conexão LG-1 e LG-2.

Nos trechos retificados da linha tronco da Mogiana, os RDC iam a até 90 km/h. A velocidade máxima alcançada na bitola métrica, no Brasil, foi atingida pela Mogiana, lá pelo fim da década de 1960: — 110 km/h.

Segundo fui informado pelo pessoal da Mogiana, a velocidade não foi maior porque... o RDC não conseguiu acelerar mais!

Entre Santos Dumont e Sucuri, MG, as litorinas — como eram chamados — cobriam 15 km em 11 minutos.

O interessante é que, se algum RDC ia para a oficina, um trem comum o substituía.

Cheguei a ver carros de madeira rebocados por G-8, cumprindo rigorosamente o horário.

Na antiga Noroeste do Brasil, circulavam por toda a rede, com exceção do extinto ramal de Lussanvira, SP.

Na antiga RVPSC, circularam na linha do norte do Paraná, região de Londrina, ao que me lembro; e no trecho turístico de Curitiba a Paranaguá.

Agradeceria que companheiros leitores do CO completassem essas notas e corrigissem os meus erros de memória.

Na EF Central do Brasil, os RDC circularam entre Rio e São Paulo; entre Rio e Santos Dumont, MG; e entre Rio e Belo Horizonte.

Eram bem procurados pelos passageiros.

Automotrizes
Automotrizes Budd RDC no Brasil | A litorina para Campinas | Corupá - São Francisco do Sul (1986)
Budd CMEF na ABPF | Expresso da Mantiqueira | Expresso Pai da Aviação | Em Santos Dumont (MG), 2011 | Trem das Montanhas Capixabas
Automotrizes Budd da EFCB: ED-11 a 14 | ED-51 e 52 | M-504 e 505 | M-552 e 553
As litorinas Fiat da EFCB | MAN n° 24 | Óleo cru | Rebocando subúrbio
Ferreomodelismo
Coloque sua RDC na escala correta | Melhorando uma automotriz Budd Athearn | Automotriz a partir do vagão Frateschi
   

Ferreofotos

• Canhão ferroviário e vagão-peça - 26 Out. 2013

• Locomotiva RS3 da EFCB / RFFSA - 25 Out. 2013

• U22C | MX620 | G8 BB | GL8 | U5B - 22 Out. 2013

• As locomotivas MX620 - 22 Out. 2013

• O desfile da locomotiva Baronesa na Av. Rio Branco, em 1934 - 16 Out. 2013

• As locomotivas suecas da EF Rio do Ouro - 13 Out. 2013

• Locomotivas U20C “Namibianas” em operação na FCA - 23 Set. 2013

• Apresentação da última pintura Fepasa em 1995 - 18 Set. 2013

• Apresentação da locomotiva “Tentugal” em 1995 - 14 Set. 2013

• A viagem da “Baratinha” n° 502 em 1995 - 13 Set. 2013

  

Bibliografia

• Guia Geral das Estradas de Ferro - 1960 - 13 Fev. 2014

• Sistema ferroviário do Brasil - 1982 - 12 Fev. 2014

• Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - Jean Baptiste Debret - 15 Mai 2013

• Mad Maria - Marcio Souza - 2 Abr 2013

• Estrada de Ferro do Corcovado: 100 anos de eletrificação - Memória da Eletricidade - 22 Mar 2013

• Corcovado: a conquista da montanha de Deus - 16 Mar 2013

• Reconstrução da Estrada de Ferro do Corcovado - EFC - 6 Mar 2013

• Machado de Assis e a Administração Pública Federal - 16 Set. 2012

• O ciclo revolucionário do Ministério da Viação - 16 Set. 2012

  

Ferreomodelismo

• As locomotivas Alco FA1 e o lançamento Frateschi (1989) na RBF - 21 Out. 2013

• A maquete do Trem turístico Ouro Preto - Mariana (Trem da Vale) - 12 Out. 2013

• Como construí minha própria locomotiva - 28 Set. 2013

• Miniaturas realmente a vapor - 28 Set. 2013

• Despejo no Modelódromo do Ibirapuera - 20 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 96 online - 14 Set. 2013

• Revista Centro-Oeste nº 1 online - 10 Set. 2013

• Gilson assume a loja Alfredo Lupatelli - 3 Set. 2013

• Vagões prancha Phoenix (1992) - 3 Set. 2013

• Vagão madeireiro Phoenix (1991) - 3 Set. 2013

Acompanhe no FB


Busca no site
  
       
Ferrovias | Mapas | Estações | Locomotivas | Diesel | Vapor | Elétricas | Carros | Vagões | Trilhos Urbanos | Turismo | Ferreomodelismo | Maquetes ferroviárias | História do hobby | Iniciantes | Ferreosfera | Livros | Documentação | Links | Atualizações | Byteria | Mboabas | Brasília | Home
Sobre o site Centro-Oeste | Contato | Publicidade | Política de privacidade